PROPAGANDA

[ENTREVISTA] Aos 41 anos, Marcelo Tamandaré mantém em aberto decisão sobre futuro no futebol amador


Atuante no futebol amador de Curitiba desde 2013, o atacante Marcelo Tamandaré, que no profissionalismo passou por equipes do Brasil, México, Grécia, Portugal, França e Irã pode estar próximo de um momento inevitável para qualquer jogador de futebol: a hora de pendurar as chuteiras. O artilheiro da Suburbana em 2014 e 2015 ainda não tomou uma decisão: "o futuro a Deus pertence".

#ENTREVISTA
Por Yuri Casari

O atacante Edson Marcelo de Faria, mais conhecido na capital paranaense como Marcelo Tamandaré, tem longa história no futebol. O jogador se profissionalizou ainda nos anos 90 e rodou o mundo por quase vinte anos antes de voltar a Curitiba para conquistar títulos no futebol amador local, a partir de 2013. Agora, oito anos depois, Marcelo, que atuou nas últimas duas temporadas pelo Santa Quitéria, está em um momento de avaliação. “O futuro a Deus pertence”, resume.

Em 2018 e 2019, Marcelo não conseguiu repetir o bom desempenho mostrado em suas passagens no Bairro Alto, Combate Barreirinha e no Iguaçu, além de ter atuado poucas vezes, devido a uma cirurgia. No período, marcou apenas 4 gols, todos em 2018. “Eu fiz uma operação porque tinha uma tendinite crônica que não me impedia de jogar, mas que causava muita dor após os jogos. Por isso resolvi operar. Isso me atrapalhou para conseguir ritmo de jogo e no ano passado eu voltei do México totalmente sem forma física, o que me custou bastante trabalho”, explicou. 

No clube auriverde, Tamandaré repetiu a parceria com o treinador Juninho. Juntos, ambos haviam sido bicampeões da Suburbana pelo Iguaçu, no biênio 2016-17. “Juninho é um cara excepcional, com um coração gigante e que vive o futebol intensamente dentro e fora de campo. Além de ser um cara que, como eu, odeia perder e sempre quer estar nas cabeças. Aprendi muitas coisas com ele”, diz.

Para a temporada 2020, que ainda é incerta em razão da pandemia do novo coronavírus, Tamandaré também vive um dilema interno. “Sinceramente, ainda não decidi se irei jogar esse ano, portanto, vamos deixar acontecer e quando chegar a hora decido se sim ou se não. O futebol está na minha veia e sei que enquanto Deus me der fôlego e pernas para correr atrás da pelota eu estarei lá. Já tenho 41 anos e agora já dá pra jogar com os da minha idade se quiser, pois a piazada fisicamente é muito rápida”, brinca o atleta.


Entre 2013 e 2019, Marcelo Tamandaré viveu seus melhores dias vestindo a camisa alvinegra do Iguaçu. Pela equipe de Santa Felicidade, Tamandaré foi artilheiro em 2014 e 2015, marcando 18 e 14 gols, respectivamente. No entanto, não levantou a taça de campeão da Suburbana. Em 2016, marcou sete gols e fez excelente dupla com Pablo, conquistando o título da competição citadina. Juntos, marcaram quinze dos trinta gols do Iguaçu no campeonato. Em 2017, apesar de ter marcado apenas dois gols, foi bicampeão com o alvinegro. “O Iguaçu é uma casa para mim e tenho lá muitos amigos, além das conquistas. O momento mais marcante com certeza foi o título em cima do Santa Quitéria, em 2016, pois um ano antes havíamos perdido a taça dentro de casa”, relembrou.

CARREIRA - Marcelo Tamandaré começou a jogar futebol logo no início dos anos 90. “Estive na base do Coritiba de 91 a 97, onde aprendi muito. De lá, surgiu a oportunidade de ir para o Malutrom, onde eu sabia que teria mais chances de debutar como profissional”. No caçulinha do futebol paranaense, Tamandaré se profissionalizou e conquistou sua primeira oportunidade fora do país, partindo para o futebol mexicano.

No México, Marcelo viveu experiências marcantes, como jogar no América, maior clube do país norte-americano e um dos mais populares do planeta. “Cheguei no América meio perdido, na verdade, sem saber muito do futebol mexicano. Já de cara aos 19 anos, estreei na Libertadores da América, onde chegamos à semifinal contra o Boca Juniors, em dois jogos épicos. Um deles, em La Bombonera, perdemos de 4 a 1, e no o outro, no estádio Azteca, diante de mais de 100 mil pessoas, ganhamos por 3 a 1 mas ficamos fora da final”, lembra. O clube argentino acabou como campeão daquela edição vencendo o Palmeiras na final. Tamandaré dividiu vestiário com algumas lendas do futebol local, como os atacantes Cuauhtémoc Blanco e Carlos Hermosillo.

Com uma concorrência pesada no setor ofensivo, o jogador acertou para a temporada seguinte com o Irapuato, uma equipe que havia acabado de subir para a elite mexicana. “Fizemos uma campanha muito boa chegando às fases finais da competição”, conta Marcelo. Mas foi a partir de 2001, com outra camisa, que Tamandaré viveu seu auge no futebol mexicano. No San Luis, equipe que atualmente tem o nome de Atlético San Luis, o atacante conquistou a segunda divisão no país em 2002 e é considerado um ídolo na cidade de San Luis Potosí. “Além de ascender ao circuito máximo, fiz muitos gols e ajudei o time a se destacar, por isso sou lembrado até hoje lá com carinho”, afirma.

Acervo pessoal
Em seguida, já em 2004, Marcelo Tamandaré teve a chance de viver o sonho do futebol europeu, vestindo por três anos a camisa do Ajaccio, da França. O atacante disputou 53 partidas na Ligue 1, a primeira divisão do país, marcando cinco gols. Em 2007, deixou o clube francês e desembarcou em São Januário, para jogar pelo Vasco, mas as coisas acabaram não saindo como o esperado. “Cheguei da França e vim para o Vasco com a esperança de me tornar conhecido no Brasil. Infelizmente tive uma lesão sério na pré-temporada que me custou bastante tempo de recuperação. Assim que me recuperei, houve troca de treinadores onde eu sequer tive chance de jogar um jogo oficial”, lamenta. Ao menos, o atacante teve a oportunidade de ver de perto um dos maiores de seu ofício. “Nessa época também tinha um tal de Romário em busca do gol 1000, o que iria dificultar a vida de qualquer atacante”, se diverte.


A partir daí, Marcelo passou por Portuguesa-SP, Belenenses (Portugal), Fortaleza-CE, Paykan (Irã), Ionikos (Grécia), Doxa Dramas (Grécia) e encerrou a carreira profissional em 2013, após breves passagens por J.Malucelli e Rio Branco de Paranaguá. “Minhas experiências como pessoa, posso dizer que foram as melhores, pois conheci culturas, pessoas e idiomas novos. Mas em relação principalmente a Grécia e Irã, tive grandes decepções com dirigentes e na parte econômica também”.

APOIE O PROJETO DRAP - Queremos dar vozes para o futebol marginalizado e mostrar a transformação que este esporte é capaz, em diversas atmosferas – amador, base e feminino. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse: http://catarse.me/drap;

No comments

Powered by Blogger.