PROPAGANDA

[ENTREVISTA] Com fé e futebol, Mineiro supera vício de drogas e dá volta por cima na vida


Campeão no futebol amador de Curitiba e em cidades de Minas Gerais por diversas equipes, Mineiro, hoje no Ana Terra de Colombo, teve um caminho conturbado que quase fez parar no futebol. Mas o sonho de menino e a fé foram essenciais para continuar no esporte. Em entrevista com o portal Do Rico ao Pobre, Mineiro relata o início de sua trajetória no futebol, o momento tenebroso e a superação, ligada na fé e determinação no futebol amador de Curitiba e Região.

#ENTREVISTA
Por @rafaelbuiar

A primeira batida na bola foi na cidade de Coronel Fabriciano, interior de Minas Gerais, com aproximadamente 200 quilômetros da capital de Belo Horizonte, e aos seis anos de idade. A partir disso, Mineiro foi aprimorando no futebol e o destino deu o rumo, junto ao seu tio Lucinho e seu amigo Casemiro, para ir em busca do desejo de jogar futebol, já que onde morava faltavam recursos o suficiente para que tivessem mais campeonatos e times para ingressar. O sonho foi crescendo a cada passo dado quando jovem e alguns caminhos traçados foram importantes.

Dentre eles, alguns passos foram nas equipes do Fluminense de Feira de Santana da Bahia; Tigres do Brasil, da cidade de Rio de Janeiro; Vendanova, da cidade de Belo Horizonte e uma passagem curta no Ipatinga. Com o início promissor como qualquer atleta sonha em realizar, Mineiro, hoje maduro, lamenta e aponta o que proporcionou em não ter dado continuidade no profissional. “A minha carreira acabou não fluindo no profissional por algum detalhe e também pelo próprio comportamento, pois não tinha uma vida que se condiz como de um atleta profissional”, acrescenta Mineiro.


Depois do baque em não conseguir estar dentro de um time profissional, Mineiro optou por continuar no futebol, mas no amador. Porém, o pouco que frequentou e viveu no ambiente profissional já foi o suficiente para dar outro passo e também como aprendizado para os dias atuais. “Hoje eu observo e reflito com os jovens que estão começando agora, que nem sempre é o melhor que chega, pois eu tenho vários amigos no profissional que não eram os destaques na categoria juvenil. Porém, a dedicação fez com que eles continuassem neste caminho até hoje”, analisa Walison.

Aprendizado e cancha que fizeram de Mineiro rodar por várias cidades de Minas Gerais com o futebol amador. Dentre elas, Caratinga, Ilhapim, Governador Valadares, Capelinha, Timóteo, Ipatinga e entre outras. “Essas cidades são próximas de onde eu morava, que fez com que eu jogasse por vez em cada uma delas. Esse rodizio fez com que eu fosse bem conhecido em Minas Gerais no cenário do futebol amador, mas com a alcunha de Tico”, relata Mineiro.

Mas, em 1997, a situação começou a mudar, já que a mãe de Mineiro, Eliene, foi morar em Curitiba. Desde então, a conexão Minas Gerais à Curitiba tornou-se rotina na vida do jogador por alguns anos. Porém, em 2015 a vida de Mineiro mudou completamente e as viagens diminuíram, já que foi à Curitiba em definitivo, junto a sua esposa kethule e seus filhos. “Além de ter mais oportunidade de trabalho na capital paranaense, eu tive alguns problemas de saúde em Minas Gerais proporcionado pela droga. Por isso, passei por momento difícil e em Curitiba eu tive mais recursos para me tratar. Na época eu tinha 27 anos de idade”, comenta Walison.


Desde de então, a vida de Walison nunca foi a mesma. Talvez, o adversário mais pesado que enfrentou na vida e aquele sonho de menino de alguns anos atrás foi essencial para livrar-se de um pesadelo mais na frente. “O futebol foi sim um motivo para eu sair deste universo, junto da minha fé. Ambos foram essenciais para que tivesse com a cabeça no lugar. Acredito, que se eu não estivesse neste ambiente que me proporcionava momentos mágicos eu poderia estar na mesma situação do que estava em Minas Gerais”, acrescenta Mineiro.

Por isso, a vontade de seguir no futebol amador em Curitiba persistiu e a equipe do Vila Sandra abriu as portas para Mineiro, em 2015. “Assim que cheguei de Minas Gerais, eu tive uma conversa com Leno Daga – Diretor de futebol do Vila Sandra; que foi fundamental para que eu vestisse a camisa do alvinegro da Vila Sandra. Mas no início eu não estava confortável e não pude dar o meu melhor, pois ainda tinha algumas sequelas dos problemas de saúde proporcionado pelas drogas. Mas no fim deu tudo certo e a partir deste momento passei a dar o melhor e tive conquistas importantes no clube”, finaliza Mineiro.


Mineiro teve conquistas importantes com a camisa do Vila Sandra, como o vice-campeonato da Copinha em 2015, em que foi artilheiro desta competição; os títulos do acesso em 2016 e 2018. Além dessas conquistas, passagens que marcaram na sua trajetória no amador de Curitiba, como a conquista inédita do Grêmio Ipiranga da Copinha, em 2019; e passagens curtas no Uberlândia, que culminou com o vice da Copinha em 2017 e no mesmo ano a Copa Pinhais pelo Gera. Além de ter jogado no União Ferraria da cidade de Campo Largo no segundo semestre do ano passado.

Agora, em 2020, Mineiro fechou o acordo com o time do Ana Terra de Colombo para disputar a Taça Paraná. “O convite chegou através do goleiro Felipe, ex-Fortaleza; e do Marcelinho, ambos do time do Ana Terra, que passaram os meus atributos para o treinador Bacana, que quis contar comigo para a competição. De imediato fiquei feliz e aceitei em participar e aproveitar esta oportunidade pelo Ana Terra”, finaliza Mineiro.

APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdo extra e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap

No comments

Powered by Blogger.