PROPAGANDA

[TAÇA PR] Iguaçu vence Trieste no jogo da Ida e fica mais próximo do título


Na tarde deste sábado (29), o Estádio Francisco Muraro recebeu a partida de Ida entre Trieste e Iguaçu. O duelo foi válido pela final da Taça Paraná. Em uma partida com bom volume de jogo, ambas as equipes tiveram oportunidades, mas quem acabou sendo mais efetivo e garantiu a vantagem para a volta foi o Iguaçu. A equipe Alvinegra venceu com gols de Diego e Nilvano. 

#TAÇA PR 
Por Larissa Turko 

PRÉ-JOGO: E chegou o momento de conhecer o grande vencedor da Taça Paraná 2019. Depois de uma disputada fase de grupos, e uma semifinal tranquila, duas equipes duelam pelo caneco na decisão que ocorrerá em 180 minutos. De um lado, o Trieste com uma campanha de início irregular, mas que se ajustou no decorrer da competição. Do outro, um Iguaçu entrosado, mas que peca na falta de consistência nos jogos.  

Ambas com fome de bola e decidindo em mais um Clássico da Polenta - até então inédito no certame. Nas campanhas, o tricolor chegou à final depois de vencer o Palmeiras pelo placar de 3 a 1, nos dois jogos. Já o Galo assegurou a vaga depois de eliminar o XV de Novembro, com um 3 a 0, na Ida e 2 a 1, na volta. 

O EMBATE: O Iguaçu resolveu apostar em um esquema diferente do que vinha usando. Reforçou seu meio e defesa, para liberar mais os jogadores ofensivos. A equipe Alvinegra começou pressionando, com investidas de lado e rápidas jogadas pelas laterais do campo. Já o Trieste que tentava encaixar a marcação rondava buscando as roubadas de bola. Pelo meio criava com Hideo, com tabelas curtas. Pela pontas usava de Lino e Feijão. A primeira oportunidade na partida foi do Iguaçu, em bola parada. Em uma disputa, Jair fez falta em Diego. Na cobrança da falta, Nilvano acabou mandando na barreira. A primeira chegada mais trabalhada do Tricolor da Colônia foi com Lino, em tabela com Hideo. A equipe passou a levar mais perigo quando Feijão pressionou na lateral, e usou de dribles para avançar. 

Outra oportunidade veio com Lino, mas na cobrança mandou apenas na barreira. Na sequência, a bola foi afastada e gerou contra-ataque para o Alvinegro. Contudo, o zagueiro do Trieste conseguiu limpar a jogada e afastar a bola. O jogo que era lá e cá, se desenvolvia aos poucos. Outro recurso muito utilizado na partida foram os lançamentos na área, já que a marcação estava alta e dificultava a chegada na área rival. Depois de algumas faltas mais duras, ambas as equipes tocavam buscando abrir espaços, ou iniciar um ataque mais rápido. Assim surgiu a jogada entre Hideo e Marcelo Andrade. Tabelando, e cruzando na área buscavam achar um companheiro. Ela deu certo, na segunda tentativa, quando Hideo cruzou e a achou Grilo. O jogador cabeceou forte, e viu a bola ser defendida por Rodrigo. O Iguaçu pouco tempo depois também poderia fazer o seu, desta vez com Tilly. Mandou uma bomba em direção ao gol, mas o goleiro Juninho estava bem na jogada e defendeu.  

Gol mesmo só se viu na partida depois dos 39', e foi dos visitantes. Barony novamente participou do lance, ganhou do marcador e escorou para Diego, sem marcação, empurrar para as redes e abrir o marcador. Outras jogadas foram tentadas, com muitas pressão dos dois lados, mas nenhuma interferiu no placar parcial do primeiro tempo, que ficou em 1 a 0 para o Iguaçu. 

Na segunda etapa, quem voltou melhor foi o Trieste. Começou já fazendo alteração, e colocando Pequi na partida. O camisa vinte deu mais volume de jogo para o tricolor que emendou chances no ataque. Marquinhos Lima teve oportunidade e mandou pra fora. Em outra, Hideo recebeu, mandou meio sem jeito e nova defesa do goleiro Rodrigo. Pequi que tinha acabado de entrar teve duas chances, na melhor ficou cara a cara com o goleiro e tentou encobrir ele no lance. Desperdiçando mais uma oportunidade de conseguir o empate. O Iguaçu que tinha a vantagem administrava, tocava e tentava ampliar. A equipe avançava com BaronyTilly e Nilvano. 

O tempo passava, e as equipes seguravam a bola na intermediária. Para ganhar mais velocidade, o técnico Ivo Petry colocou Thiaguinho na partida. O Iguaçu apostou em nas entradas de Neto e Bianchini. A iniciativa deu certo e em boa jogada de Nilvano que começou no meio e avançou. A equipe do Trieste parou no lance pois reclamava de uma falta. O juiz não viu nada, mandou seguir e Nilvano que começou a jogada, concluiu fazendo o segundo para o Galo Alvinegro. Depois do gol, o tricolor até tentou marcar o seu, mas a pontaria não estava calibrada. A falta de entrosamento refletiu na partida, os donos da casa não se acharam em campo e amargaram a derrota. O Iguaçu fez o seu dever, é conseguiu uma grande vantagem com os gols de Diego e Nilvano 


PRÓXIMA PARTIDA: O jogo da volta entre as duas equipes acontece no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, no próximo sábado, 6, às 15h30. 

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 

TRIESTE: 1 Juninho; 2 Marquinhos Lima, 3 Jair, 4 Muriel e 6 Lino; 5 Grilo, 8 Marcelo Andrade (20 Pequi), 10 Hideo e 11 Feijão (17 Thiaguinho); 7 Gilton e 9 Willian K. Tec. Ivo Petry 

IGUAÇU: 1 Rodrigo; 2 Passarinho (17 Bianchini), 3 Emerson, 4 Aderaldo e 6 Tilly (20 Bruninho); 5 Douglão, 8 Nilvano (16 Alex Pinhais), 10 Baroni (13 Neto) e 11 Roney; 7 Magu e 9 Diego. Tec. Luisinho Netto 

FICHA TÉCNICA – TRIESTE 0X2 IGUAÇU XXXXXXXXXX 

GOLS: Diego aos 39' do 1º tempo e  Nilvano aos 33' do 2° tempo (Iguaçu)  
CA:  Muriel, Marcelo Andrade, Pequi (Trieste) e Roney, Diego, Aderaldo (Iguaçu) 
ÁRBITRO: Rodolpho Toski Marques  
ASSISTENTES: Alessandro Antonio Gonçalves (1) e Alexsandro Euzébio da Silva (2) 
LOCAL: Estádio Francisco Muraro, em Curitiba 

REPORTAGEM DRAP XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdo extras e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.