PROPAGANDA

No primeiro jogo da decisão da Série A, Trieste e Iguaçu ficam no empate


Neste sábado (1), Trieste e Iguaçu fizeram o Clássico da Polenta no Estádio Francisco Muraro, em Curitiba. O duelo marcava o primeiro confronto da final da Divisão Especial da Suburbana 2018. Baroni fez um gol relâmpago logo no primeiro minuto de jogo, e o Alvinegro segurou o placar até os 10 primeiros minutos da segunda etapa. No entanto, Robinho empatou de cabeça para o Tricolor e deixou o confronto em aberto para a volta, no Egydio Ricardo Pietrobelli.

#SUBURBANA 2018
Por Adson Lima

PRÉ-JOGO: Em uma reedição da final do ano passado, vencida pelo Iguaçu, os escretes de Santa Felicidade se encontram pela oitava vez em uma fase decisiva da Suburbana. O Trieste chega para a decisão empolgado. Na primeira fase alcançou a segunda colocação, e nos mata-matas eliminou Pilarzinho e Quitéria para alcançar a decisão. O adversário, ninguém menos que o Iguaçu, que está invicto na competição. O Galo Alvinegro classificou-se na primeira colocação na fase inicial, e posteriormente passou pelo Nova Orleans nas quartas  e pelo Novo Mundo nas semifinais.

PRIMEIRO TEMPO: Antes mesmo de sentir a tensão de um jogo decisivo e de como as equipes se comportam nos minutos iniciais, o Iguaçu já foi logo em direção ao gol no primeiro minuto, conseguido uma falta na intermediária esquerda. Léo Gago bateu com muita potência e viu a bola explodir no travessão; no rebote, o atento Baroni ficou livre, e só teve o trabalho de cabecear para abrir o placar ao Galo.

Após tomar um gol relâmpago, o Trieste colocou-se ao ataque de forma instantânea, com linhas altas e velocidade nos passes. Não demorou para o Tricolor levar perigo ao gol de Filipe. Em uma cobrança de falta pela direita, Thiago Araújo cruzou na marca do pênalti, Jair bem posicionado subiu e mandou de cabeça, mas errou o alvo, e a bola passou ao lado esquerdo do gol. Na tentativa de impedir ataques do adversário, o Iguaçu armou duas linhas de quatro e dois jogadores no ataque pegando os volantes, o que deu certo. O Trieste ameaçava, detinha a posse de bola, mas não era efetivo.

Aos 26' o time da casa conseguiu ameaçar na bola parada, quando Thiago Araujo pegou uma falta para bater. O camisa 10 bateu tirando do goleiro, por cima da barreira, mas ela acabou passando por cima do gol também. Na terceira chance de bola parada do time da casa, Robinho recebeu o cruzamento e aparou de cabeça, mas estava desequilibrado e mandou pelo lado direito do gol. O Alvinegro era consistente atrás, não deixou o Tricolor penetrar na sua zaga, mas não conseguiu puxar nenhum contra-ataque perigoso. O Trieste teria de aumentar a voltagem para não perder no Francisco Muraro.


SEGUNDO TEMPO: Na volta do intervalo, o Iguaçu tentou repetir a mesma estratégia que deu certo do começo do primeiro tempo. O Galo tomou a iniciativa, foi para o ataque e, no primeiro minuto, Feijão recebeu no meio, limpou a jogada e da intermediária arriscou de canhota, parando em boa defesa de Juninho. Semelhante ao primeiro tempo, o Trieste após os cinco minutos passou a ter mais a bola, mas não entrava com a bola rolando na zaga iguaçuana. A bola parada seguia como arma principal, porém dessa vez deu certo. Thiago Araújo suspendeu a bola na área no meio do tumulto, a bola foi dividida e ficou limpa para Robinho colocar a cabeça na bola e mandar no canto oposto do goleiro, empatando o clássico.

Os mandantes se empolgaram com o gol e foram buscar a virada. Aos 18', em uma escapada do Tricolor pela direita, a bola foi invertida e no segundo pau estava Robinho novamente, mas dessa vez o camisa 9 acertou a trave. Na metade da segunda etapa, o técnico Luisinho Netto colocou Pedro Oldoni no Lugar de Alex Pinhais. Logo no lance seguinte a sua entrada, o camisa 20 recebeu um cruzamento de Tonton, se abaixou para cabecear, mas acabou pegando muito embaixo da bola e mandou por cima, perdendo ótima chance para os visitantes.

Com o passar do tempo o jogo foi esfriando, as equipes buscavam esticadas de bola em velocidade, mas os atletas davam sinais de desgaste físico. As jogadas eram na base da vontade, e em uma dessas Baroni desperdiçou uma chance de ouro aos 39'. O camisa 10 Alvinegro roubou a bola na defesa do Trieste e foi em direção ao gol; na vantagem de três contra dois, o meia iguaçuano optou pela jogada individual ao invés do passe, cortando para dentro e batendo em em cima do goleiro. Essa acabou sendo a última chance de perigo do jogo. Final no Francisco Muraro, Trieste 1x1 Iguaçu.


PRÓXIMA PARTIDA: No próximo sábado (8), o Iguaçu receberá o Trieste no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, para fazer o segundo jogo da final da Suburbana 2018. Quem vencer na semana que vem coloca as mãos na taça, enquanto que um novo empate levará a decisão para um terceiro e decisivo jogo.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

TRIESTE: 1. Juninho; 2. Murilo, 3. Jair, 4. Lino, 6. Biro (20. Marabá); 5. Grilo, 8. Evandro, 10. Thiago Araujo; 7. Repolho, 11. Everton (18. Kauhan) e 9. Robinho (17. Tosi). Técnico: Ivo Petry.

IGUAÇU: 1. Filipe; 2. Tonton, 3. Emerson, 4. Aderaldo, 6. Bruninho (14. Douglas); 5. Helton, 7. Russo, 8. Léo Gago, 10. Baroni; 11. Alex Pinhais (20. Pedro Oldoni) e 9. Feijão. Técnico: Luisinho Netto.

FICHA TÉCNICA – TRIESTE 1X1 IGUAÇU   XXXXXXXXXXXX

GOLS: Baroni, a 1' minuto do 1ºT (Iguaçu); Robinho, aos 10' do 2ºT (Trieste).
CA: Muriel,Grilo e Lino (Trieste); Bruninho, Feijão e Russo (Iguaçu).
ÁRBITRO: Rodolpho Toski Marques.
ASSISTENTES: Heitor Alex Eurich (1) e Wesley Waldir Marmitt (2).
LOCAL: Estádio Francisco Muraro, em Curitiba.

ENTREVISTAS XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


drap
Tecnologia do Blogger.