PROPAGANDA

[ASPIRANTES] Atlético é melhor na segunda etapa e vence Santa Cruz na Baixada


Atlético e Santa Cruz se enfrentaram nesta quinta (16) na Arena da Baixada pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro de Aspirantes. As duas equipes precisavam vencer para permanecer na disputa pela classificação, e o primeiro tempo foi equilibrado – com o Santa criando as principais chances. No entanto, uma falha do goleiro no início da etapa final mudou o curso do jogo, fazendo com que o rubro-negro melhorasse e construísse o placar de 3 a 0.


#ASPIRANTES

PRÉ-JOGO: As duas equipes chegaram para a partida com o objetivo de não perder a classificação de vista. O rubro-negro precisava do triunfo mais uma combinação de resultados para entrar no G4 do grupo A, sendo que a derrota do Grêmio para o Coritiba na última terça (14) foi um bom resultado. Já o Tricolor pernambucano não tinha outra opção além da vitória, já que a diferença para o G4 do grupo B era de três pontos antes de a bola rolar para a penúltima rodada da primeira fase.

PRIMEIRO TEMPO: O jogo começou com a equipe visitante fechada em seu campo de defesa para impedir uma troca de passes atleticana. A principal alternativa dos mandantes para sair da marcação era o setor esquerdo de ataque, com triangulações entre Matheus Anjos, Bill e Alex. No entanto, a primeira chegada de perigo foi do escrete pernambucano, aos 11’, quando Anderson Pinto arriscou de fora e o desvio na defesa quase matou o goleiro Juliano. O lance acordou o Tricolor, que passou a sair em velocidade. A resposta rubro-negra só veio aos 18’, quando Bill achou Caprini no meio da área, mas o atacante não concluiu com força.

A prova de que a equipe coral gostava do jogo aconteceu aos 26’, quando Pequeno foi lançado por Paulo e ficou de frente pro goleiro, mas Juliano evitou o gol com a ponta dos dedos. Esse foi um dos três escanteios que a defesa mandante cedeu em um espaço de cinco minutos. Após os 35’ os visitantes diminuíram o ritmo das arrancadas, enquanto que o Atlético apresentava muitas dificuldades para tabelar no campo ofensivo, o que obrigava os zagueiros a fazerem ligações diretas ao ataque. Por conta disso, os goleiros não tiveram trabalho até o fim da primeira etapa.


SEGUNDO TEMPO: Na volta do intervalo, a equipe da casa manteve a posse de bola buscando uma brecha na defesa rival – algo difícil até então. Porém, aos 8’, Estefano chutou de fora e Lucas José bateu roupa, deixando o caminho livre para Bruno Nascimento abrir o placar. O gol fez com que a equipe coral se limitasse ao campo de defesa, e o Atlético foi avançando. Até que aos 19’, Bruno Nascimento foi derrubado por Williams dentro da área. No minuto seguinte, Matheus Anjo cobrou a penalidade no meio do gol para ampliar.

A partir daí os mandantes diminuíram o ritmo, concentrando a posse de bola na ponta direita e deixando os meias livres para tentarem arrancadas ocasionais. O Santa Cruz ficou preso na intermediária, e o fator psicológico da desvantagem atrapalhou na criação de jogadas. Com isso o Atlético levou a partida em banho-maria até o fim. Ainda deu tempo de Giovanny driblar Lucas José e dar números finais a partida: na Arena da Baixada, Atlético 3, Santa Cruz 0.


ATLÉTICO: O time rubro-negro fez uma primeira etapa burocrática, não conseguindo trocar passes no campo de ataque. No segundo tempo o setor de criação ficou mais agrupado, o que possibilitou mais tabelas e infiltrações, a chave para a construção da vitória.

FIQUE DE OLHO: Bruno Nascimento. O meia demonstrou muita movimentação ao longo do jogo, se deslocando da direita para a faixa central em diversos momentos, chegando a aparecer até na ponta esquerda (caso do primeiro gol). A chegada como elemento surpresa é outro ponto forte de Bruno, como no lance em que sofreu o pênalti de Williams.


SANTA CRUZ: O treinador Romulo Oliveira formatou a equipe coral em duas linhas de quatro, apostando na velocidade pelas pontas para chegar a meta adversária – estratégia que funcionou na etapa inicial. Mas após a falha do goleiro, o time não teve poder de reação e sucumbiu ao Atlético, permanecendo sem vencer nos jogos como visitante nessa primeira fase.

FIQUE DE OLHO: Pequeno. Para que o jogo pelas pontas funcionasse, era preciso de um meia articulador que fizesse bons lançamentos. Isso aconteceu pela qualidade do camisa 10 Pequeno, uma das seis mudanças promovidas pelo treinador em relação a derrota para o Goiás. O meia também demonstrou capacidade de infiltração na área, protagonizando a melhor chance coral do primeiro tempo. Na etapa final teve uma queda de rendimento, assim como o resto do time.

PRÓXIMA RODADA: Pela última rodada da primeira fase, todas as equipes jogarão na próxima quinta (23) às 15h. O Atlético vai a Porto Alegre encarar o Internacional, enquanto que o Santa Cruz recebe o Vitória no Arruda.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ATLÉTICO: 1 Juliano; 2 Léo Simas, 3 Weverton, 4 Eder e 6 Alex (14 Renzo); 5 Arthur Sananduva, 7 Bruno Nascimento, 8 Estefano e 10 Matheus Anjos; 9 Bill (18 Giovanny) e 11 Caprini (16 Vitinho). Técnico: Kelly Guimarães.

SANTA CRUZ: 1 Lucas José; 2 José, 3 Carroll, 4 Erivelton e 6 Williams; 5  Italo, 7 Elias (16 Mateus), 8 Jefferson e 10 Pequeno; 9 Paulo (17 Kelvenny) e 11 Anderson Pinto (13 Warley). Técnico: Romulo Oliveira.

FICHA TÉCNICA: ATLÉTICO 3 X 0 SANTA CRUZ XXXXXXXXXXXXXXXXXXX

GOLS: Bruno Nascimento aos 8’, Matheus Anjos aos 20’ e Giovanny aos 47’ do 2°T (Atlético)
CA: Estefano, Caprini (Atlético); Italo, Carroll, Williams (Santa Cruz)
ÁRBITRO: Luiz Alexandre Fernandes (PR) - CBF.
ASSISTENTES: João Fabio Machado Brischiliari (PR) e Jefferson Cleiton Piva da Silva (PR) - CBF.
LOCAL: Estádio Joaquim Américo (Arena da Baixada), Curitiba, PR.
PÚBLICO: 127 presentes
drap
Tecnologia do Blogger.