PROPAGANDA

[AMADOR CWB] Técnicos disponíveis somam conquistas recentes e trabalhos relevantes no futebol amador de Curitiba


A temporada de 2020 não começou e ainda teve que postergar alguns inícios de competições por causa da epidemia do Coronavírus que está acontecendo no país. Porém, a dança das cadeiras dos treinadores movimentou nos primeiros meses deste ano e também mudou alguns cenários dentro das equipes que irão disputar os certames de 2020. Por outro lado, alguns treinadores seguem sem função, mesmo com as conquistas recentes e trabalhos relevantes. Confira alguns dos treinadores que estão disponíveis no mercado:

#FUTEBOL AMADOR
Por @rafaelbuiar

Com as competições paralisadas, alguns clubes estão se movimentando nos bastidores para definir a melhor estratégia para a temporada de 2020,que ainda não começou. Por isso, algumas equipes mudaram de treinador, como acontece em todo início de temporada. Enquanto que algumas equipes continuam com o trabalho dos últimos anos, outras resolveram trocar ou inovar. Devido a isso, a reportagem do portal Do Rico ao Pobre separou alguns nomes que normalmente estariam empregados, mas começam o ano sem função no futebol amador de Curitiba. Com eles, sobram conquistas e trabalhos relevantes.

1- Vilmar Assunção
Com conquistas expressivas, o ex-treinador do Fortaleza fez o anúncio que se desligou da prancheta do tricolor do Gabineto no dia 12 de março. Ainda este ano, Vilmar Assunção, junto a Fábio Belo, esteve no comando do Fortaleza na Taça Kaiser, em Belo Horizonte. Ao todo, o treinador ficou no comando do Fortaleza desde 2015, quando o time voltou as atividades de competições federadas, com um intervalo de três jogos em 2018 - em seu lugar Valmir Constantino assumiu naquela oportunidade.  Dentro do futebol amador de Curitiba, Vilmar teve duas conquistas - Série B da Suburbana de 2019 e Copa Paraná em 2015, além do vice da Série B em 2017.


2 - João Paulo Kochan
Outro time que depois da virada de ano mudou de treinador foi o Vila Hauer, em que desligou João Paulo Kochan do comando. O treinador que é carta marcada na equipe, teve como conquista o acesso à elite em 2018, que terminou com o vice ao perder para o Vila Sandra. O treinador Kochan fez o anúncio do desligamento em sua rede social. Foram quatro anos no Vila Hauer. Agora, Kochan tem toda atenção voltado ao time do Roma, da cidade de Fazenda Rio Grande.

  
3 - Marcão
Dentre os times que mudaram a sua estrategia, o Tanguá foi um. Pior para Marcão, que depois de conquistar e ajudar a equipe rubro-negra ao acesso depois de 21 anos não continuou na equipe. Marcão foi o comandante da equipe em 2019 e terminou com o vice da Série B da Suburbana. Marcão, que fez o anúncio do desligamento em sua rede social, esteve na prancheta do Tanguá desde o retorno do Tanguá as atividades federadas, em 2016. Atualmente, segue no Atlético Fazendense, da cidade de Fazenda Rio Grande.


4 - Rinaldo Lisboa
Desde o anúncio do desligamento do União Ahú em 2019 na Copinha, Rinaldo Lisboa não assumiu nenhuma equipe da capital. Rinaldo teve passagens pelo União Ahú, na equipe que teve o acesso em 2012; no Nacional de São José dos Pinhais, em 2013; Nova Orleans, em 2015; Rossigás - Santa Barbará do Oeste SP, em 2016; Vila Velhense - ES, em 2017; novamente o União Ahú, em 2019; e em 2020 está com o HART, de Almirante Tamandaré. Além disso, Rinaldo esteve nas categorias de Base do Combate de 92 a 94 e depois por longo tempo nas categorias de base do União Ahú até chegar no principal.

Rinaldo (o primeiro da direta) junto a diretoria do Hart e do presidente do Operário Pilarzinho, Leandro Andrade (primeiro da esquerda)
5 - Rossano Sant'Ana
O outro treinador sem clube no futebol amador de Curitiba é Rossano, que marcou história no comando da equipe do Renovicente ao conquistar o acesso à elite do amador de Curitiba ao derrotar o Vila Sandra na semifinal da Série B de 2013. Além disso, Rossano teve passagens pelo Nova Orleans, em 2018; e Vila Hauer em 2019. Atualmente Rossano treina as equipes do futebol do município de Colombo nos jogos escolares da juventude. Além de ter treinado o time juvenil do Roça Grande, na Série Ouro de Colombo.


6 - Jurandir Senna
Com um currículo extenso, Jurandir passou por várias equipes do futebol amador, entre elas: Flamengo, Combate Barreirinha, Vila Hauer, Nova Orleans, Capão Raso, Bairro Alto, Grêmio Ipiranga, Perugia, Roça Grande, Ipê, Império do Futebol e Trieste. Ao todo, foram 23 clubes entre federados e não federados – alguns em mais de uma passagem. Porém, desde 2018 Senna não está na beira do gramado. Dentre as conquistas, Jurandir carrega na bagagem o título de campeão da Copa Integração em 2006, com o Vila Fanny. Em 2007, foi campeão com o Ipê disputando a liga de São José dos Pinhais, e em 2008 conquistou o Sul Brasileiro pelo Trieste.


7 - Dinei
No ano passado, Dinei esteve no comando da prancheta do Santíssima Trindade, em busca do acesso. Mas a temporada foi diferente em relação à 2017, em que o treinador conseguiu a o título da competição ao derrotar o Fortaleza em casa no Parque Linear pelo placar de 2 a 0 e perder no Jardim Gabineto por 1 a 0. Resultados que levaram o time do bairro do Cajuru ao acesso e a conquista inédita.


Além destes nomes, seguem sem clube também Diego Albuquerque, que esteve no comando das duas categorias na Série B da Suburbana de 2019 no Renovicente; Haroldo, que esteve no Vila Sandra em 2018; Robson Luiz, que esteve no Capão Raso, em 2019; Pastor Serafim, com a sua última passagem no Imperial, em 2017; e Joe, que iniciou a carreira de treinador em 2019 no Sergipe.

DANÇAS DAS CADEIRAS - Enquanto que alguns treinadores seguem sem clubes, outros fecharam acordo para as competições de 2020. O caso de Peterson Freitas, que saiu do Operário Pilarzinho como auxiliar técnico e irá comandar a prancheta do Tanguá. Ivo Petry, que foi desligado do Trieste fechou o acordo com o retorno ao Novo Mundo. O treinador Ewerton Glonek, que esteve à frente das duas categoria, agora irá comandar só o escrete do juvenil no Novo Mundo. Já Marquinhos Vieira trocou de time e também de categoria, pois saiu do juvenil Vila Sandra e fechou com Ypiranga. O tricolor da Colônia anunciou no início do mês de março a contratação de Édison Borges, que estava no futebol profissional. Junto a ele, o coordenador técnico, Valmir Constantino, que em 2019 esteve no Vila Fanny. Julio Cesar também fechou o acordo com o time do Sergipe para a temporada 2020, seu último trabalho foi no Vila Torres na Copinha em 2019 e Rocio no mesmo ano.

Julio Cesar na sua última passagem pelo futebol amador de Curitiba, em 2019 pelo Vila Torres
APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdo extra e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap

Nenhum comentário

Obrigado por assinar a nossa newsletter.
Em breve chegará o nosso conteúdo na sua caixa de entrada.

att.
Do Rico ao Pobre, o futebol sem divisão!

Tecnologia do Blogger.