PROPAGANDA

[SUBURBANA] Fortaleza quebra tabu, vence Bangú e retorna à elite do futebol amador de Curitiba


Na tarde do último sábado (23), a equipe do Fortaleza derrotou o Bangú pelo placar de 1 a 0, no Estádio Ozório Claudino de Barros. O duelo foi válido pela partida de volta da fase semifinal da Série B da Suburbana 2019. Com o triunfo de 1 a 0, o tricolor do Gabineto conquistou o acesso à Série A da Suburbana, quebrou um tabu de mais de quatro anos sem vencer o Bangú e também a vaga para decisão da Série B diante o Tanguá.

#SUBURBANA
Por @rafaelbuiar

PRÉ-JOGO: O primeiro duelo da fase semifinal entre as equipes de Bangú e Fortaleza terminou com o placar empatado em 0 a 0, no Estádio Ricardo Halick. Ou seja, para uma das equipes avançar à grande decisão e consequentemente conquistar o acesso um triunfo por qualquer placar era o que uma das equipes precisavam. A equipe do Forta entrou em campo neste confronto a seis jogos sem sofrer gols, sendo esse um dos pontos fortes da equipe do Gabineto. Por outro lado, o rubro-negro, comandado por Jeferson Silveira, dos últimos cinco jogos disputados fora de casa, apenas um a equipe não venceu. Além disso, a rivalidade entre as duas equipes foi apimentada pelo fato de Piwi, Neguinho, Michael e Roberto terem vestido a camisa do Bangú no primeiro semestre de 2019, na Copinha. 

O EMBATE: Como era de se esperar, o confronto iniciou com uma forte marcação das duas equipes. Devido a isso, pouco se criou nos primeiros minutos. Portanto, os primeiros arremates a meta de ambos os goleiros aconteceram a partir dos 13’. Dentre eles, a de Tico Love quase inaugurou o placar, pois no meio da trajetória da bola, Cafú deu um leve desvio e quase surpreendeu o goleiro Ricardo. Sendo esse, o primeiro arremate do Forta. Minutos depois foi a vez de Michael arriscar, após ter espaço na intermediária. Com o campo molhado, devido à chuva, essa foi a tônica da equipe tricolor.


Com o passar do tempo, o time do Fortaleza ganhou corpo devido a marcação em alta e dificultou a saída de bola do escrete rubro-negro. Tico Love, Michael, Piwi e Cafú foram os jogadores que mais dificultaram a saída de bola da equipe adversária. Para piorar a situação, o treinador Jeferson Silveira teve que sacar Coutinho, que se lesionou. No seu lugar entrou Castelli. A alteração até resultou em melhora do Bangú, que aos 28’ teve a primeira oportunidade e obrigou o goleiro Felipe a trabalhar pela primeira vez na partida’. O camisa 9 do Bangú dominou dentro da área, girou e chutou. Felipe se esticou todo e evitou o gol rubro-negro. Após este lance, o duelo passou a ser mais truncado e com faltas, principalmente, no meio de campo. Devido a isso, pouco aconteceu até o apito final da primeira etapa.


No retorno à etapa complementar, o escrete rubro-negro, que voltou com os mesmos jogadores, mudou de postura. A conversa no vestiário colocou o time do Bangú mais ofensivo e também com mais volume de jogo. Aproveitando o apagão e os espaços que o escrete do Forta ofereceu. Mesmo assim, com mais volume de jogo, o escrete rubro-negro não conseguiu arrematar a meta do goleiro do Forta. Passados alguns minutos, a equipe da casa acordou, principalmente, com os jogadores da frente flutuando e envolvendo o sistema defensivo do Bangú. Cafú e Michael foram os responsáveis pela evolução. Não deu outra, o camisa 9 do Forta roubou a bola na intermediária, deixou com Michael, que com maestria tocou de calcanhar para Tico Love, que sem piedade arrematou. Com o campo molhado, a bola ganhou velocidade e força, o suficiente para vencer o goleiro Ricardo e abrir o placar aos 19’ no Estádio OZório Claudino de Barros.

O gol deu moral para o time do Gabineto, que passou a ter mais ações ofensivas, principalmente, com jogadas nos flancos. Por isso, o treinador Jeferson realizou duas alterações no escrete rubro-negro, que mudaram o setor de ataque. O troca-troca deu resultado, pois a equipe do Bangú passou a trabalhar mais a bola. Dentre as jogadas criadas pelo rubro-negro, um lance que gerou muita reclamação por parte dos jogadores do Bangú, pois Castelli foi derrubado dentro da área pelo zagueiro tricolor e mesmo assim, o árbitro mandou seguir o jogo. Depois deste lance, o time da casa passou a administrar o placar ao seu favor, esperando o apito final do árbitro, que levou o jogo até os 49’.


PRÓXIMA PARTIDA: Com a vitória sobre o Bangú, o Fortaleza garantiu o acesso à elite do futebol amador de Curitiba e também a vaga na decisão do certame com o escrete do Tanguá, que venceu o Palmeirinha no Estádio Elba de Pádua de Lima pelo placar de 1 a 0. Devido a isso, a primeira partida da final será no Estádio Francisco Thiago da Costa, no próximo sábado.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

FORTALEZA: 1 Felipe; 2 Abacaxi, 3 Jean, 4 Leandro e 6 Neguinho; 5 Baresi, 8 Roberto, 10 Tico Love (13 Marcão) e 7 Piwi; 11 Michael (15 Emerson) e 9 Cafú. Tec. Vilmar Assunção

BANGÚ: 1 Ricardo; 2 Leo (19 Betinho), 3 Paulo Sérgio, 4 Merci e 6 Dedé; 5 Diego, 8 Hantson, 10 Joãozinho e 7 Valdir; 11 Coutinho (17 Castelli) e 9 Adriano (18 Marcos Paulo). Tec. Jeferson Silveira

FICHA TÉCNICA – FORTALEZA 1 X 0 BANGÚ XXXXXXXXX

GOLS: Tico Love aos 19’ do 2º tempo (Fortaleza)
CA: Abacaxi (Forta) | Diego, Valdir, Mérci (Bangú)
ÁRBITRO: Cristian Eduardo Gorski da Luz.
ASSISTENTES: Weber Felipe e Tom Gomes
LOCAL: Estádio Osório Claudino de Barros, Curitiba

ENTREVISTAS DRAP XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdo extras e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.