PROPAGANDA

[COPA DO BRASIL] Com gol de Bruno Guimarães, Athletico sai em vantagem na partida de ida da final


Na quente noite desta quarta-feira, 11, em Curitiba, o Athletico recebeu o Internacional para a disputa da primeira partida da decisão da Copa do Brasil. Dominante, o Furacão impôs seu ritmo contra um adversário que abdicou de jogar, e no talento de Bruno Guimarães encontrou a vitória pelo placar mínimo, que dá ao rubro-negro a vantagem de um empate para ficar com o título na próxima semana, no Beira-Rio.

#FinalCopaDoBrasil
Por @yuricasari

PRÉ-JOGO: Pela quarta vez na história, uma equipe paranaense chegou na final da Copa do Brasil. E o Athletico entrou em campo buscando, enfim, trazer o primeiro título desta competição nacional para o estado do Paraná. Nesta primeira partida, o Furacão manteve a mesma escalação da segunda partida contra o Grêmio nas semifinais, com exceção do retorno de Léo Pereira para a vaga que foi ocupada por Lucas Halter. Da mesma forma, o Internacional apostou na manutenção da formação que alcançou a decisão.

O EMBATE: O Athletico tem se acostumado aos jogos grandes, e isso não vem de hoje, nem dos últimos anos. É algo que foi incorporado ao DNA do clube rubro-negro a partir da virada do atual milênio, com a conquista do Campeonato Brasileiro em 2001. De lá para cá, aconteceram vitórias e derrotas, mas é inegável que o Athletico se tornou em um clube que pensa grande. A disputa da final da Copa do Brasil 2019, contra o Internacional, é mais uma prova disso, pelo resultado e pelo desempenho.

A partida começou com a velocidade que se esperava e com o Athletico já assumindo a posse de bola e mostrando que ditaria o ritmo da primeira etapa. Os ponteiros Rony e Nikão se posicionaram bem abertos, buscando desorganizar a defesa colorada. E desde o início os meio-campistas rubro-negros tentavam os passes verticais, dando pouco tempo para o Inter respirar. Os papéis estavam bem definidos. Enquanto o Furacão queria propor o jogo, o Internacional abdicava de tomar a iniciativa.

Apesar disso, foi o Inter que deu a primeira finalização do jogo. Aos doze minutos, D’Alessandro ficou com sobra de bola no meio de campo e lançou Nico López em velocidade. O camisa 7 colorado dominou e bateu, mas com pouco perigo. No minuto seguinte, o Athletico respondeu com autoridade e quase abriu o placar. Após boa troca de passes, a zaga do Inter tenta o corte, e Rony aproveita a sobra chutando forte da entrada da área. A bola passa perto do gol defendido por Marcelo Lomba pelo lado direito do goleiro. Lance similar voltou a acontecer aos 23 minutos. Bola colocada entre as linhas de defesa do Inter e Léo Cittadini arrisca de fora da área, mas chuta à esquerda de Lomba.

Aos 27, o Inter conseguiu criar sua primeira jogada bem trabalhada. Depois de uma troca de passes pelo lado esquerdo, Lindoso recebeu com liberdade pelo meio e chutou, e Santos espalmou para escanteio. Mas foi apenas um lampejo do adversário. O Furacão era muito mais intenso e disposto a jogar para cima, sem deixar de citar a cera precoce dos jogadores colorados. Ainda que tenha tido o controle das ações do jogo, o Athletico finalizou pouco. Ao menos, a torcida pode comemorar um belo chapéu dado por Márcio Azevedo em Andrés D’Alessandro.


Quando a segunda etapa se iniciou, a tendência aparente era de uma continuidade da pressão rubro-negra, mas o Inter teve um reinício efetivo e criou duas boas chances nos primeiros dez minutos. Aos cinco, Edenilson avançou pelo lado direito, cruzou a bola, que percorreu pelo lato toda a extensão da grande área e caiu nos pés de Patrick, que dominou e finalizou para fora. Aos nove, em contra-ataque, Edenilson disparou com total liberdade pelo lado direito, chutou cruzado e a bola desviada no meio do caminho assustou o torcedor athleticano.

O susto, porém, virou êxtase. Aos treze minutos, depois de Edenilson errar por duas vezes, o Furacão aproveitou, foi rápido na troca de passes, e Bruno Guimarães apareceu como elemento surpresa ficando de frente com Lomba e tocando com toda a categoria que demonstra jogo a jogo.

Depois de sofrer o gol, o time gaúcho resolveu jogar. Duas chegadas perigosas consecutivas, mas D”Alessandro e Bruno desperdiçaram com chutes por cima do gol. A resposta do Athletico foi ainda mais incisiva. Aos 27, Rony partiu para cima, ganhou no lance individual e finalizou já dentro da área, mas Marcelo Lomba salvou, mandando para escanteio. O Inter, porém, não podia ser dado como morto. Três minutos depois, após um cruzamento na área athleticana, Bambu entregou nos pés de Rodrigo Lindoso, dentro da pequena área, que não conseguiu finalizar com força e Santos ficou com a bola.

A vitória athleticana foi sendo construída também fora dele. Enquanto Odair Hellmann trocava nomes sem mudar o sistema de jogo, Tiago Nunes buscou alternativas em suas substituições, abrindo mais o time em um primeiro momento, e posteriormente fechando a casinha com a entrada de Lucho González, já nos quinze minutos finais. Foi do Inter, ainda, a última oportunidade de gol, em chute muito perigoso de Rafael Sóbis, após pivô de Guerrero. Mas o resultado não podia mais ser alterado, deixando o Athletico com uma vantagem mínima e ao mesmo tempo gigante para o jogo da volta, no Gigante da Beira-Rio.


PRÓXIMA PARTIDA: Antes da segunda e decisiva partida, que será realizada em Porto Alegre, na próxima quarta-feira, 18, as duas equipes têm compromissos no final de semana pelo Campeonato Brasileiro. No domingo, 15, às 11 horas da manhã, o Athletico recebe o Avaí na Arena da Baixada, enquanto o Internacional segue viagem para Belo Horizonte, para enfrentar o Atlético Mineiro.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ATHLETICO: 1. Santos, 13. Khellven, 14. Robson Bambu, 4. Léo Pereira e 6. Marcio Azevedo; 5. Wellington, 39. Bruno Guimarães, 18. Léo Cittadini (38. Thonny Anderson), 11. Nikão e 7. Rony (3. Lucho González); 9. Marco Ruben (10. Marcelo Cirino). Tec. Tiago Nunes.

INTERNACIONAL: 12. Marcelo Lomba, 2. Bruno, 4. Rodrigo Moledo, 15. Victor Cuesta e 6. Uendel; 19. Rodrigo Lindoso, 8. Edenilson (33. Nonato) e 88. Patrick; 10. D’Alessandro (23. Rafael Sóbis), 7. Nico López (11. Wellington Silva) e 9. Paolo Guerrero. Tec. Odair Hellmann.

FICHA TÉCNICA – ATHLETICO X INTERNACIONAL XXXXXXXXXXX

GOL: Bruno Guimarães, aos 13’ do 2º tempo.
CA: Nikão, Khellven e Wellington (CAP)
ÁRBITRO: Raphael Claus (SP).
ASSISTENTES: Rodrigo figueiredo Henrique Corrêa (RJ) e Neuza Ines Back (SP).
LOCAL: Estádio Arena da Baixada, em Curitiba


APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdo extras e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.