PROPAGANDA

Athletico vence Toledo nas penalidades e é Bicampeão do Campeonato Paranaense


Na tarde deste domingo (21), o Estádio Joaquim Américo, em Curitiba, recebeu a partida da volta entre Athletico Paranaense e Toledo, válida pela final do Campeonato Paranaense de 2019. Em uma partida eletrizante, marcada pela garra das duas equipes e grandes defesas do goleiro André Luiz, o furacão devolveu o placar da partida de Ida (1 a 0) e levou à decisão de pênaltis. Nas penalidades, todos converteram a primeira série, mas alternadas, Adriano perdeu para o porco e Khellven converteu para o furacão e assim, dando o Bicampeonato e o título de 2019 para o escrete rubro-negro.


#PARANAENSE 2019
Por Larissa Turko

PRÉ-JOGO: Na primeira partida deu porco, pois a equipe do Toledo venceu por 1 a 0 na ida e com isso, chegou com a vantagem na decisão. A base que jogou no embate anterior foi mantida, com o intuito de levantar o seu primeiro título do paranaense. Já o furacão, contou com a casa cheia e apoio da torcida para reverter o resultado a seu favor, pois se vencesse por dois gols de diferença, conquista o Bicampeonato Paranaense e o 25° título da sua história. Caso repita placar, será decidido na disputa de pênaltis.

O EMBATE: Como era de se imaginar, em um cenário favorável, e com total apoio da torcida, o Athletico foi o time que começou por pressionar o adversário. A equipe emendou uma sequência de bolas lançadas na área e forçou a saída de bola. O Toledo, que optou por começar se resguardando e segurando sua vantagem, teve uma boa oportunidade aos 5’ da etapa inicial. Na cobrança de escanteio, a bola acabou desviada e passou perto da meta do goleiro Leo. Contudo, quem viria abrir o placar seria o Furacão e com um jogador bem conhecido pela torcida: Matheus Rosetto. Na jogada, o volante bateu uma falta rasteira, que desviou em Fandinho e bateu na trave direita antes de entrar no gol. A partida ficou mais quente após o lance, enquanto o Athletico pressionou na marcação buscando o erro do Toledo, o porco foi na linha contrária aproveitando as sobras e escanteios, para chegar ao empate na bola parada.

Aos 26’, Bergson e Matheus Duarte se estranharam em uma dividida e iniciaram uma briga dentro de campo. O árbitro chamou atenção de ambos e advertiu com o cartão amarelo. Com a partida controlada, a equipe rubro-negra voltou a cadenciar o jogo e com muito toque de bola se lançou novamente ao ataque. O Toledo bem fechado, tentou abrir o mínimo de espaços para o rival. A equipe também se beneficiou das boas defesas do goleiro André Luiz, que evitou grandes chances de gol. Uma das mais importantes aconteceu aos 41’, em cruzamento na área, Marquinho apareceu de surpresa para cabecear. O goleiro quase que à queima-roupa fez uma enorme defesa evitando o que seria o segundo do furacão. Na sequência o goleiro recebeu uma ajudinha da trave, que segurou a cabeçada forte de Erick. O time da casa até fez grande pressão no finalzinho, mas foi com o placar parcial de 1 a 0 que a partida foi para intervalo.   

Na volta dos vestiários, a regra foi pressionar. Rafael Guanaes já fez a sua primeira substituição no início do segundo tempo. O técnico colocou Poveda para dar mais intensidade nos ataques rubro-negro. O porco se aproveitou dos espaços do rival e pela direita Revson cruzou na área com perigo, Eduardinho chegou chutando com força, mas a bola parou na defesa. O Athletico martelou, rondando a área do Toledo e com isso, a equipe criou boas chances, mas em sua grande maioria finalizou sem precisão. Isso quando não parou nos milagres em forma de defesa do goleiro André Luiz. Em mais uma dessas, Halter mandou bela assistência na cabeça de Poveda, na sequência o arqueiro pulou para tirar a bola com uma mão.

Os estilos de jogos se contrastavam na segunda etapa, os ataques do Athletico de forma intensa, contra a firme defesa do Toledo. Uma partida movimentada, onde paciência foi uma peça chave para chegar ao objetivo principal que era a taça. É impossível descrever o jogo, sem os lances de gols perdidos no furacão. Aos 30’, Halter teria mais uma oportunidade, sozinho cabeceou no travessão e perdeu uma das melhores chances da equipe. A partida passou a ganhar tons de tensão, pois as equipes faziam um jogo eletrizante e tentaram evitar a disputa de pênaltis. O que não aconteceu, já que sem mais gols, o resultado só tinha um desfecho: ser decidido na sorte. Final do tempo normal, Athletico 1 a 0 Toledo.

PENALIDADES - Com uma disputa de pênaltis tranquila, e de grande amostra de qualidade, as equipes foram precisas na pontaria e na série de cinco batidas converteram todas. Pelo Athletico: Bergson, Poveda, Halter, Matheus Anjos e Marquinho marcaram. Já pelo Toledo: Revson, Jhonatan, Léo Teles, Guilherme Rend, Júlio Pacatto. Nas alternadas, Adriano bateu fraco no meio, e viu Leo defender. Khellven converteu e deu o título para o furacão.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Athletico Paranaense: 1 Léo, 2 Khellven, 3 Lucas Halter, 4 José Ivaldo e 6 Eder (21 Jaderson); 5 Matheus Rossetto (20 Matheus Anjos), 8 Erick, 10 Marquinho e 11 João Pedro (19 Poveda); 7 Vitinho e 9 Bergson. Tec.  Rafael Guanaes

Toledo: 1 André Luiz; 2 Everton, 3 Eduardo, 4 Fandinho  e 5 Matheus Duarte; 8 Kleven (6 Adriano), 7 Jhonatan, 77 Revson e 11 Eduardinho (17 Léo Teles); 21 Marcelinho (20 Guilherme) e 10 Pacato. Tec. Agenor Piccinin

FICHA TÉCNICA – ATHLETICO PARANAENSE 1 (6) X (5) 0 TOLEDO

GOLS:  Rosetto aos 6' do 1º tempo (ATHLETICO)
CA: Bergson, Marquinho, Matheus Anjos (ATHLETICO) e Matheus Duarte, Khevin, Revson, Eduardinho, Everton (TOLEDO)
ÁRBITRO: Rodolpho Toski Marques
ASSISTENTES: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn
LOCAL: Estádio Arena da Baixada, em Curitiba
PÚBLICO/RENDA: 29.130 pessoas, com a renda de R$ 640.070,00

APOIE O PROJETO DRAP - Com o seu apoio, a equipe DRAP terá chancela de produzir conteúdos extras e de exclusividade, além de ajudar nos custos os integrantes da equipe, com transporte e entre outros. Conheça a nossa campanha de apoio colaborativo na @catarse - http://catarse.me/drap 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.