PROPAGANDA

Após ter melhor ano da carreira em 2018, Geovane busca construir uma história no futebol amador


Drible afiado, boa finalização e velocidade. Características essenciais a um meia brasileiro, artigo cada vez mais raro no nosso futebol. No ambiente da Suburbana, Geovane ainda preserva essas características, e a carreira acompanha o ritmo de suas jogadas. Dois acessos, dois títulos, três presenças em seleções do site Do Rico ao Pobre e experiência no futebol profissional. Tudo isso com 21 anos de idade. A Equipe DRAP conversou com o craque da Série B do ano passado, que pretende ampliar as conquistas em 2019. O mais rápido possível!

#ENTREVISTA

As expectativas de mais um ano vitorioso na vida de Geovane são válidas ao observar o 2018 do atleta. Após o título da Copinha com o Bangú no primeiro semestre, o jogador chegou ao Vila Sandra com o objetivo de voltar à Divisão Especial da Suburbana, mas fez mais do que isso.

Os sete gols marcados e outras tantas assistências do meia ajudaram o Alvinegro a conquistar o título da Divisão de Acesso com apenas uma derrota em 15 jogos, tendo um setor ofensivo que balançou as redes em 54 oportunidades. “Todos do elenco colocaram um objetivo comum na cabeça, que era ser campeão. Cada um contribuiu um pouco e conseguimos esse troféu importante. Foi meu melhor ano até agora”, comenta Geovane.

Essa união foi um fator decisivo para que o camisa 8 trocasse o “Rolo Compressor” pelo “Vilão da Massa” no meio da temporada. “Depois do título da Copinha, não entrei em um acordo com a diretoria do Bangú, e eu tinha amigos que jogavam no Vila Sandra. Isso ajudou com que eu viesse disputar a Série B pelo Alvinegro”, relembra o atleta.

Nessa carreira meteórica de Geovane, um fato chama atenção. O jogador teve passagem por quatro equipes da zona oeste da capital e, antes da chegada ao Vila Sandra, defendeu Imperial e Fortaleza, rivais históricos de seu atual clube. “Não vou dizer que não houve resistência, mas foram de poucas pessoas. Lidei numa boa com isso e foquei em mostrar meu futebol”, afirma o meia.

Para construir uma trajetória sólida no futebol amador curitibano, Geovane tem uma inspiração dentro de casa. Ele é irmão do volante Edmar, que teve passagens por Bangú, Fortaleza, Quitéria, Trieste, entre outros times. O jogador do Vila não esconde a admiração pelo irmão mais velho. “Ele me ajuda sempre, desde pequeno aprendi muito vendo o Edmar em campo. Meu irmão é minha referência dentro do amador, assim como o belga Hazard é no futebol profissional”, declara Geovane.


Com toda essa bagagem, o craque deseja continuar nessa crescente em 2019, independente da camisa que estiver defendendo. “Espero ajudar muito meus companheiros no time que estiver atuando e quero fazer de tudo para construir uma história na Suburbana”, planeja o meia. Sobre futebol profissional, o atleta ainda sonha, embora não tenha coisas boas para recordar. “Eu passei pelas categorias de base do Prudentópolis, mas não achei boa a experiência. O profissional não deixa de ser um sonho, mas vou seguir lutando aqui no amador e entrego nas mãos de Deus”, arremata o jogador.

Embora seja difícil, não se pode duvidar do potencial de Geovane. Se até agora a carreira evoluiu em um ritmo alucinante, o próximo passo pode ser ainda mais surpreendente.

LANCES DA TEMPORADA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX





O site Do Rico ao Pobre está querendo expandir e conhecer mais a fundo o perfil do seguidor do conteúdo DRAP. Por isso, criamos um questionário. Se você consome o nosso produto, peço a gentileza para responder este questionário: encurtador.com.br/hoEN9A equipe DRAP agradece 😀

drap

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.