PROPAGANDA

[SUB 19] Em partida emocionante, Coritiba vence Operário nos pênaltis e está na final do Paranaense


A missão era difícil. O Coritiba recebeu o Operário na tarde deste sábado (24) no Couto Pereira, vindo de derrota no jogo da ida por 2 a 0. A situação alviverde ficou ainda mais complicada quando Bruno Bertinato falhou e o Fantasma abriu o placar com três minutos de jogo. Só que o Verdão reagiu, com Igor Paixão inspirado, e fez 3 a 1 no placar em menos de cinco minutos. Na segunda etapa chegou ao quarto gol com Lalau e parecia que estava tudo decidido. Porém, aos 47', Fernando Dias fez e levou a decisão para os pênaltis. Na marca da cal, brilhou a estrela de Bruno, que pegou uma cobrança, se redimiu da falha e levou o escrete do Alto da Glória para a final do Paranaense

#SUB-19
Por Gabriel Sawaf

PRÉ-JOGO: Coritiba e Operário voltaram a se encontrar pela sexta vez no Campeonato Paranaense. Apesar de levar vantagem nos duelos, com três vitórias, o Verdão precisava reverter a situação para chegar a decisão. Com o revés de 2 a 0 na ida das semifinais, o escrete do Alto da Glória precisava vencer por pelo menos dois gols para levar a decisão para os pênaltis, ou mais para se classificar direto. O time veio cheio de alterações em relação ao jogo em Ponta Grossa, sendo a mais importante a saída de Pablo Thomaz, que atuou pelo profissional na noite anterior. Já o Fantasma veio a capital por um empate para fazer história e chegar pela primeira vez na final do torneio. A única alteração foi a entrada de Thiago Magatão no lugar de Gabriel na lateral esquerda. 

O EMBATE: A partida começou eletrizante. Antes que as equipes se posicionassem em campo como queriam, Léo Andrade recuou bola para Bruno Bertinato, que deixou a bola passar e viu ela morrer nas redes, aos 3'. O Coxa teve que sair ainda mais. Aos seis, Guilherme Biro arriscou de longe e acertou o travessão. Aos nove, Thiago Magatão derrubou Tallyson Lalau na área. Pênalti, que Luizinho bateu e converteu. 

O escrete da casa manteve a pressão e foi com tudo para virar o jogo. Aos 13', Igor Paixão cobrou falta com perfeição da entrada da área e colocou o escrete da casa na frente. No minuto seguinte, Luizinho puxou contra ataque e lançou Paixão na esquerda, que cortou para o meio e chutou bonito, marcando o terceiro gol do Verdão e tirando a vantagem alvinegra.

O Operário se mostrou muito abalado e tentava voltar para o jogo. Aos 19' Adriel recebeu na esquerda, trouxe para o meio e chutou a direita do gol de Bruno. O Coxa voltou a assustar aos 25', quando Paixão fez grande jogada pela esquerda, cruzou para o meio e Luizinho só não fez o quarto porque Thalles se jogou na bola Quem deu um "calor" no final da primeira etapa foi o Fantasma. Aos 37' Fernando Dias subiu mais alto em cobrança de escanteio, testou para o chão e obrigou Bruno a se esticar para colocar para fora.  A última chance da primeira etapa foi alviverde, aos 44', com Luizinho arriscando de fora da área e mandando a direita do gol. 


A segunda etapa também começou com um lance que poderia mudar o jogo. Aos dois minutos Luizinho fez falta forte, recebeu segundo amarelo e foi expulso. O camisa 8 era o motor alviverde em campo. Só que mesmo com um a menos, o Coxa não diminuiu o ritmo. Aos 12' Igor Paixão, de novo ele, fez grande jogada pela esquerda, cruzou, Fabrício não alcançou e Tallyson Lalau completou para as redes, colocando o Verdão em vantagem no duelo. 

Atrás no placar, o Operário teve que partir para cima, para tentar fazer com que a decisão voltasse para os pênaltis. Porém faltava perna e o Coxa soube se postar bem atrás. A esperança alvinegra era a bola parada, e aos 47' veio. Fernando Dias subiu alto após cobrança de escanteio e fez o gol que levou a decisão para a marca da cal. 

PÊNATIS: Na temida marca do pênalti, que começou batendo foi Matheus Castanha, que converteu. Léo Andrade também fez o seu. Thalles cobrou na trave e Igor Jesus colocou o Coxa em vantagem. João Vitor, Tallyson Lalau, Jefferson e Ângelo fizeram os seus. Na quinta cobrança, Adriel parou em Bruno Bertinato, que se redimiu da falha do primeiro gol e colocou o Verdão na final. 

PRÓXIMA PARTIDA: O Coritiba vai encarar o rival Atlético na final. O Furacão empatou com o Londrina em 2 a 2 no tempo normal e passou nos pênaltis, vencendo por 4 a 3. 


CORITIBA: O Coxa entrou em campo desfalcado de Pablo Thomaz, um dos seus principais jogadores de ataque. O técnico Mozart colocou quatro jogadores originais do ataque, com Igor Jesus, Igor Paixão, Biro e Lalau. O time não se abateu com o gol sofrido, por falha da defesa e soube se recuperar na bola parada. A tarde inspirada de Igor Paixão ajudou, já que o escrete alviverde soube trabalhar bem as jogadas nas pontas, onde chegou aos outros dois gols que mantiveram o Alviverde vivo no tempo normal. 


FIQUE DE OLHO - Igor Paixão: Tem dias que o jogador parece estar iluminado. Foi o caso do camisa 11 do Coxa nesta tarde. O amapaense, que atuou pela ponta esquerda, foi essencial para a grande vitória alviverde. Paixão "só" participou da jogada do pênalti, ganhando no alto na primeira dividida, fez um gol de falta, fez um belo gol da entrada da área e deu assistência para o último. Com muita velocidade e um oportunismo fantástico, Igor Paixão foi o nome dos 90 minutos. 


OPERÁRIO - O Fantasma foi surpreendido pelo seu gol, que saiu de forma inesperada. Só que assim como balançou as redes de surpresa, também sofreu o seu gol de surpresa, em um pênalti bobo. O gol deixou o nervosismo alvinegro escancarado, que tomou dois gols em dois minutos. O Operário tentava jogar pelo meio, mas encontrava o caminho fechado. Mesmo com um a mais, o time de Ponta Grossa não soube aproveitar da vantagem e acabou ficando para trás, tanto que a diferença de preparo físico ficou visível quando o time da Vila Oficinas precisava do resultado e o Coxa só segurava. A bola parada foi quem manteve o OFEC vivo na competição.


FIQUE DE OLHO - Adriel:  O camisa 7 alvinegro foi quem mostrou mais habilidade com a bola com ela rolando. Aberto na ponta esquerda, Adriel era o jogador mais acionado, principalmente durante a primeira etapa e, além de mostrar mostrar bom controle de bola, tinha habilidade e chamou a atenção de quem estava no Couto Pereira. Por infelicidade do destino, o camisa 7 cobrou o pênalti que encerrou a disputa, o que não tira o brilho do atleta ao longo da competição. 
OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

CORITIBA: 1. Bruno Bertinato; 2. Yan Rodrigues, 3. Mateus Moura (18. Willian Nascimento), 4. Léo Andrade e 6. Ângelo; 5. Thomaz Carvalho (17. Marcos Ulisses), 8. Luizinho e 10. Igor Jesus; 7- Tallyson Lallau, 9- Guilherme Biro (15. Matheus Marcelo) e 11. Igor Paixão. Téc. Mozart.

OPERÁRIO: 1. Fabrício; 2. Fernando Bocaiúva (18. João Vitor), 3. Fernando Dias, 4- Guilherme (13. Anderson) e 6- Thiago Magatão (20. Jean); 5- Tibagi, 8- Matheus Castanha e 10- Thalles; 7- Adriel, 9- Petric (19. Jefferson) e 11- Juninho (16. Robinho). Téc. Joel Preisner. .

FICHA TÉCNICA - CORITIBA 4 (4) X (3) 2 OPERÁRIO XXXXXXXXXXXXXX

GOLS: Luizinho aos 10' do 1ºT; Igor Paixão aos 13' e 14' do 1ºT e Tallyson Lalau aos 12' do 2ºT (Coritiba); Léo Andrade (GC) aos 3' do 1ºT e Fernando Dias aos 47' do 2ºT (Operário).
CA: Luizinho e Léo Andrade (Coritiba); Thiago Magatão, Thalles, Matheus Castanha Petric, Fernando Dias e Guilherme (Operário).
CV: Luizinho (Coritiba). 
ÁRBITRO: Diego Bonfim.
ASSISTENTES: João Cleber Cecatto Wagner (1) e Danilo Padilha Porse (2).
PÚBLICO/RENDA: 255 pessoas/R$ 2240,00
LOCAL: Estádio Major Antônio Couto Pereira, em Curitiba.

ENTREVISTAS XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

drap
Tecnologia do Blogger.