PROPAGANDA

[SUB 19] Operário bate o Atlético e emplaca duas vitórias seguidas no Paranaense


Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
O Operário Ferroviário e o Atlético-PR se enfrentaram na tarde deste sábado (9), no Estádio Miró de Freitas, em Ponta Grossa (PR). O embate foi válido pela 6ª Rodada da primeira fase do Campeonato Paranaense Sub-19. O Fantasma dominou o jogo e venceu pelo placar de 1 a 0 a equipe de Curitiba. Com este resultado, a confiança à equipe ponta-grossense voltou, após vencer jogando  bem em casa.

#SUB-19
Por Cícero Goytacaz

PRÉ-JOGO: O Fantasma procurou reencontrar o caminho das vitórias jogando em seus domínios, já que na última rodada, ganhou fora de casa em cima do Independente São Joseense, em São José dos Pinhais (PR). Já o time da capital foi à Ponta Grossa motivado, após golear o Andraus na rodada passada, pelo placar de 6 a 1, e com isso, o escrete visou emplacar mais um triunfo na competição.

Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
O EMBATE: O A bola rolou no Estádio Miró de Freitas e o jogo começoua muito equilibrado. No primeiro minuto, o Atlético-PR chegou com Matheus Rampon, que chutou rasteiro e a bola passou pela esquerda do goleiro Fabrício. Após dividida entre Gabriel e Rampon, a bola sobrou para escanteio. A cobrança saiu sem efeito e na sequência o Operário respondeu com Petric, que encontrou espaço e finalizou em direção ao gol, mas o goleiro defendeu. Aos 11’, Petric lançou para Jean, que chutou firme. Mas o goleiro defendeu. Na sequência, Thalles tentou um chute de fora e a bola explodiu na zaga rubro-negra. Os primeiros 15 minutos do embate foram agitados nos dois lados, onde ambas as equipes buscaram tirar o primeiro zero do placar.

Aos 20’ veio o lance polêmico, quando o Fantasma chegou pela esquerda com Juninho, que chutou cruzado com força, a bola passou pelo goleiro e balançou as redes. Porém, a bola furou a rede pelo lado de fora e o árbitro marcou tiro de meta para Gabriel Mesquita cobrar. Após falta de Fernando em cima de Renan Soares aos 25’, Victor Emanuel na bola realizou a cobrança, mas isola a bola, nas poucas chances do Furacão chegar ao gol. Aos 32’, a bola sobra livre para Thalles, mas o capitão da equipe alvinegra perdeu o ângulo e acionou Petric, que bateu firme, fazendo Gabriel Mesquita trabalhar e defender com os pés. Operário deu mais trabalho ofensivo no primeiro tempo e manteve a defesa compacta, com o Atlético chegando poucas vezes.

Aos 35’ mais uma chance desperdiçada pelo Atlético, quando Fernando afastou mal e Matheus Rampon tentou de voleio, mas o chute saiu sem precisão e o goleiro defendeu. Na sequência, o Operário respondeu em cobrança de escanteio. A bola passou por todos e Lugano pegoua no segundo pau, mas finalizou para fora. Na reta final do primeiro tempo, o Atlético se defendeu e apostou em jogada de contra ataque, com Renan Soares e Julian Bicudo puxando as jogadas. Mas sem sucesso na finalização, o placar terminou empatado em 0 a 0 na primeira etapa.

Os times voltaram sem mudanças para o segundo tempo. A primeira jogada ofensiva da etapa complementar foi do lado alvinegro, com um minuto e meio de bola rolando, quando Thalles lançou para Petric, que bateu por cima do gol. Lance polêmico aos 8’, quando Petric cometeu uma falta dura em cima de Christian. Os jogadores do Atlético protestam e pediram a expulsão do atacante operariano, que já tinha um cartão amarelo, mas o árbitro não o advertiu. Matheus Rampon voltou bem no segundo tempo do lado Rubro-negro, sendo acionado nas investidas ofensivas e marcando firme na defesa. O Atlético seguiu retraído, em busca de uma jogada no contra-ataque, enquanto o Operário seguiu procurando manter o jogo no ataque. Após saída errada de Vitor Emanuel, a bola sobrou nos pés de Thalles. O capitão do Fantasma acionou Petric, que finalizou com perigo mais uma vez, obrigando Gabriel mesquita trabalhar e botar para escanteio.

Aos 15’ o Atlético conseguiu chegar com perigo, quando Victor Emanuel chutou forte e Fabrício defendeu em dois tempos. Aos 20’, escanteio perigoso para o Atlético, obrigando o defensor Fernando intervir bem para afastar o perigo. Na sequência, Robinho tentou pegar a sobra, bateu bem e fez o goleiro trabalhar mais uma vez, segurando firme o chute. O gol alvinegro saiu aos 28’ do segundo tempo, quando Petric lançou em profundidade para João Vitor, que dividiu com o goleiro e ganhou a disputa de bola, chutando firme e balançando as redes. 1 a 0 para o Fantasma. Com o gol, o Operário cresceu na partida e seguiu dominando as ações no jogo. Aos 30’, Petric mais uma vez bem posicionado faz o pivô para a finalização de Thalles, que bateu bem, mas a bola passou à direita do goleiro Gabriel Mesquita. Aos 35’, o Atlético tentou reagir com Jaja, que entrou por baixo no lado direito da defesa operariana, mas foi desarmado firme por Guilherme.

Na reta final do jogo, o Operário com muito mais confiança administrou o resultado, enquanto o Atlético correu contra o relógio em busca do empate. Com a marcação recuada, o Atlético avança, mas não encontrou espaço, cedendo o contra ataque para o Operário. Petric exagera nas firulas e foi parado com falta por Victor Altair. Aos 42’, Christian sofre falta próximo da meia-lua da grande área. Na cobrança, bela jogada ensaiada entre Christian e Kennedy Zaneti, que acha espaço na marcação e ficou de frente para o gol, mas bateu por cima da meta, na chance mais clara de gol da equipe Rubro-negra. Próximo aos 45’, o goleiro Fabrício sentiu e desaba, dando uma esfriada no jogo. Nos acréscimos, confusão no campo de ataque do Fantasma acabou com Lucas Halter expulso. Com 51 minutos e 30, o árbitro Elcio de Jesus Fernandes apitou pela última vez e decreta o final do jogo no Estádio Miró de Freitas. Operário 1 a 0 Atlético-PR.

PRÓXIMA PARTIDA: Na sétima rodada da primeira fase do Paranaense sub-19, o Operário viaja à Colombo (PR) para enfrentar o Coritiba, no CT Bayard Osna. O embate acontece no sábado (16), às 15:30. No mesmo dia e horário, o Atlético-PR joga em casa contra o Independente São Joseense, no CT Alfredo Gottardi, em Curitiba (PR).

Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
OPERÁRIO: O time do Operário Ferroviário fez valer o fator casa e dominou o jogo do início ao fim. Com uma proposta ofensiva de jogo, sufocou o adversário e buscou o gol sempre que uma boa oportunidade aparecia. O Fantasma soube controlar o jogo e após o João Vitor balançar as redes aos 28’ do segundo tempo, administrou bem o resultado até o apito final.

Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
FIQUE DE OLHO (Operário): Petric, atacante, desde a primeira etapa foi referência nas jogadas ofensivas do Operário. Com uma boa movimentação no campo, finalizou com perigo e deu trabalho inúmeras vezes à defesa adversária. Apesar de não ter deixado o seu gol na tarde de hoje, articulou boas jogadas e foi de seus pés que saiu a assistência para o gol de João Vitor, que veio do banco para marcar o gol da vitória. Petric soube concluir bem as investidas ofensivas do Fantasma, fez bem a função de pivô e saiu de campo motivado e confiante em ajudar o Operário a se manter no rumo das vitórias no certame.

Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
ATLÉTICO-PR: O Atlético-PR sofreu jogando fora de casa e não conseguiu se impor diante do Operário. Apesar de bons momentos propondo o jogo no ataque, foi anulado pela defesa adversária e, nas poucas chances que teve de chegar ao gol, desperdiçou as oportunidades. Nos minutos finais até cresceu no jogo em busca do empate, tanto que aos 42’ do segundo tempo Christian realizou uma bela jogada ensaiada e deixou Kennedy Zaneti de cara para o gol, mas ele pegou mal na bola e chutou por cima da meta. Com o desempenho abaixo do esperado, o clima entre os jogadores esquentou e equipe Rubro-negra terminou com um a menos, quando Lucas Halter foi expulso já nos acréscimos da etapa final. A derrota frustrou muito os atletas, que agora visam a recuperação contra o Independente São Joseense, jogando em casa, na próxima rodada.

Foto: João Guilherme Castro - Agência DRAP
FIQUE DE OLHO (Atlético-PR): Matheus Rampon, atacante, foi um dos jogadores mais acionados na estratégia atleticana de investir no contra-ataque. Rampon voltou muito bem do intervalo e enquanto esteve em campo no segundo tempo, foi muito eficiente em articular as jogadas do Furacão e também voltando para ajudar a defesa na marcação. Ele saiu para a entrada de Kennedy Zanneti e, apesar do revés Rubro-negro, fez uma boa atuação na partida.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

OPERÁRIO: 12- Fabrício, 2- Robinho, 3- Fernando, 4- Guilherme, 5- Lugano, 6- Gabriel, 7- Juninho (17- Matheus Castanha), 8- Tibagi (13- Lucão), 9- Petric (18- Jeferson), 10- Thalles, 11- Jean (20- João Vitor). Téc.: Joel Preisner.

ATLÉTICO-PR: 1- Gabriel Mesquita, 2- Christian, 3- Lucas Halter, 4- Victor Emanuel, 5- Nicolas Prado, 6- Marcelo (18- Denilson), 7- Renan Soares, 8- Brener (15- Victor Altair), 9- Bruno Leite, 10- Julian Bicudo (16- Jaja), 11- Matheus Rampon (17- Kennedy Zaneti). Tec.: Marcos Alberto Skavinski.
  
FICHA TÉCNICA – OPERÁRIO 1 X 0 ATLÉTICO-PR XXXXXXXXXX

GOLS: João Vitor (OFEC).
CA: Petric, Thales(OFEC).
CV: Lucas Halter (CAP).
ÁRBITRO: Elcio de Jesus Fernandes.  
ASSISTENTES: Marco Antonio dos Santos Pepe (1) e Wesley Raphael Mance Malinoscky (2).
LOCAL: Estádio Miró de Freitas, Ponta Grossa (PR).

ENTREVISTA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX





Tecnologia do Blogger.