PROPAGANDA

Julio Rusch decide Atletiba na bola parada e coloca o Coritiba em vantagem na final do Paranaense 2018


Nada melhor do que vencer um Atletiba para espantar a crise que pairava no Couto Pereira. Não foi a atuação dos sonhos, mas o Coritiba soube se posicionar defensivamente, neutralizou os ataques atleticanos e viu Julio Rusch ser decisivo na bola parada. Agora, na decisão na Arena da Baixada, o Coritiba tem a vantagem de um empate para faturar o título paranaense.

#PARANAENSE 2018
Por @YuriCasari

PRÉ-JOGO: Pelo terceiro ano consecutivo, Coritiba e Atlético decidem o Campeonato Paranaense. Nas duas últimas edições, uma vitória para cada lado, e curiosamente venceu aquele que chegou à final mais desacreditado. No tira-teima de 2018, quem chegou em pior fase foi o Coritiba, que viveu momentos ruins durante o ano, principalmente no segundo turno da competição. Já o Atlético chegou ao Couto Pereira para defender a invencibilidade, motivado pela goleada 

PRIMEIRO TEMOPO: Bem diferente do Atletiba do primeiro turno, dessa vez, na primeira partida da decisão estadual, foi o Atlético quem assumiu rapidamente o controle do ritmo do jogo, enquanto o Coritiba optou por reagir. A boa ocupação de espaços do time atleticano na saída de bola ia colocando o Furacão em ligeira vantagem de desempenho. Mas o primeiro ataque efetivo demorou a acontecer. Aos 12, Pierre arriscou da intermediária e Wilson praticou boa defesa, espalmando para escanteio. Mostrando em mais uma oportunidade extrema maturidade tática, a equipe atleticana voltou a levar perigo aos 21, com Éderson, que de dentro da grande área pelo lado esquerdo, finalizou no meio do gol e Wilson fez outra boa defesa.

Dois minutos depois foi a vez do Coritiba responder de forma convincente. Marcos Moser soltou a bola pela direita para Pablo cruzar rasteiro para Evandro finalizar de primeira, mas Caio estava lá para conferir e mandou para escanteio de maneira espetacular. Aos 28, porém, o Coxa teve a chance que estava pacientemente esperando. Cobrança de falta frontal, e a joia Julio Rusch bateu com maestria de canhota, sem chances para Caio, colocando o Coritiba na dianteira da finalíssima. 


Além do gol sofrido, para complicar ainda mais as coisas, o Atlético terminou o primeiro tempo com quatro jogadores amarelados: os zagueiro Zé Ivaldo e Léo Pereira e os meio-campistas Pierre e Bruno Guimarães.

SEGUNDO TEMPO: Na virada de campo o Coritiba voltou com mais atitude do que no início do primeiro tempo e logo aos 5 minutos ficou perto de ampliar o marcador. Thiago Lopes recebeu lançamento pela esquerda e centrou a bola para Pablo, que veio de trás e bateu forte próximo à trave esquerda do goleiro Caio. Aos 10, contra-ataque rápido que terminou em finalização frontal com o pé direito de Evandro, Caio mandou para escanteio a bola rasteira.

O Atlético estava irreconhecível. O Coritiba conseguiu congestionar a meia cancha, forçando o rubro-negro a jogar pelas laterais e tentar os cruzamentos na área, mas ali dentro, Wilson está em grande fase e saía bem em todos os lances.

Estava tudo sob controle para o Alviverde, mas aos 20 minutos, foi possível entender como estão os ânimos da relação entre equipe e torcedor. Sandro Forner decidiu fazer sua primeira substituição, promovendo a entrada de Guilherme Parede no lugar de Evandro. Em uníssono, a torcida coxa-branca ecoou o tão popular grito de “burro”. Daí em diante o Coritiba buscou ganhar o jogo no físico e na paciência. A equipe se fechou em duas linhas e deixou o Atlético rodando a bola em busca de um espaço no bloqueio defensivo. No último lance o Atlético encontrou esse espaço com Demethryus, em cobrança de falta ensaiada, mas Wilson se agigantou e manteve o placar inalterado.


A vitória sobre o rival, que tirou a invencibilidade atleticana no ano, coloca o Coritiba com a vantagem de um empate na grande final na Arena da Baixada.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Coritiba: 84. Wilson, 22. Marcos Moser, 4. Romércio, 4. Thalisson Kelven e 6. Léo Andrade; 31. João Paulo, 8. Julio Rusch (30. Simião), 20. Matheus Galdezani (5. Vitor Carvalho) e 37. Thiago Lopes; 92. Pablo e 17. Evandro (77. Guilherme Parede). T: Sandro Forner.

Atlético: 1. Caio, 2. Diego, 3. Zé Ivaldo, 4. Léo Pereira e 6. Renan Lodi; 5. Pierre, 8. Bruno Guimarães, 7. Matheus Anjos (21. Demetrhyus), 10. João Pedro (20. Alex Sandro) e 11. Marcinho (19. Yago); 9. Ederson. T: Tiago Nunes.

FICHA TÉCNICA XXXXXXX CORITIBA 1 X 0 ATLÉTICO 

Gols: Julio Rusch, aos 28 do 1º tempo.
Cartões amarelos:
Galdezani (CFC); Zé Ivaldo, Pierre, Bruno Guimarães, Léo Pereira (CAP).
Arbitragem:
Rafael Traci.
Assistentes:
Pedro Martinelli Christino e Weber Felipe Silva.
Público/ RENDA:
10171 pessoas e R$ 390.610,00.



Powered by Blogger.