PROPAGANDA

Com um a menos, Atlético fica no zero a zero com o Ceará

Foto: Gil Pereira/Agência DRAP
A noite de quarta-feira (28) marcou o primeiro duelo entre times da Série A na Copa do Brasil. O palco foi a Arena da Baixada, onde o Atlético recebeu o Ceará. A partida era muito esperada, pois as duas equipes possuem modelos de jogo parecidos. Com bola rolando o Furacão se mostrava melhor, até a metade do primeiro tempo, quando Thiago Heleno foi expulso após falta no meio campo. O Vozão apareceu mais no jogo e teve as melhores chances, só que o Rubro Negro não desanimou e seguiu em cima, só que nenhum dos escretes balançou as redes, deixando a decisão para o Castelão 


#COPA DO BRASIL
Por Gabriel Sawaf

PRÉ-JOGO – Uma semana após a classificação emocionante diante o Tubarão, o Atlético voltou ao campo da Baixada para mais um duelo da Copa do Brasil. O Furacão de Fernando Diniz tinha pela frente o seu primeiro duelo na temporada contra um time de Série A, o Ceará. Para encarar o Vozão, o Rubro Negro veio com algumas mudanças. Pavez começou a partida no lugar de Paulo André na zaga, e Bergson assumiu a titularidade no ataque. O Alvinegro veio embalado para Curitiba, com 100% de aproveitamento na Copa do Brasil e classificado para a segunda fase do campeonato cearense, no qual usou os reservas no último final de semana para vir descansado à capital paranaense.

PRIMEIRO TEMPO – O duelo era aguardo pelo modelo semelhante de jogo de ambas as equipes: querendo manter a posse de bola o maior tempo possível. O Furacão foi quem iniciou a partida passando mais tempo com a redonda, só que, em um erro de saída de bola de Raphael Veiga, o Ceará assustou por primeiro, com Felipe Azevedo chutando a esquerda do gol de Santos. A equipe rubro negra conseguia manter o modelo de jogo proposto por Fernando Diniz e ficando no campo de ataque, só que pecando na hora da finalização, na qual Nikão e Raphael Veiga não chegaram em cheio em duas oportunidades na bola parada.

O Atlético seguia melhor no jogo, atacando com seus dez homens e só faltando finalizar para marcar o domínio do confronto. Só que aos 22’ veio a consequência de jogar com tal esquema. Juninho roubou a bola no campo de defesa e ia arrancando e foi parado por um carrinho de Thiago Heleno. O árbitro interpretou que o defensor atleticano era o último homem e expulsou o camisa 44, gerando protestos na Baixada. Mesmo com um jogador a mais, o Ceará seguia dominado pelo Furacão, mas assustava mais. Aos 29’ Felipe Azevedo arriscou de longe e a bola passou muito próxima do travessão de Santos.

O Atlético seguia ditando o ritmo de jogo, permanecendo mais no campo de ataque. A primeira chance clara do Furacão no jogo foi só aos 36’, quando Carleto bateu falta fechada da direita, obrigado Everson a fazer grande defesa. A bola parada de Carleto assustou novamente o Vozão aos 43’. O lateral bateu falta de longe, com curva, e obrigou Everson a fazer uma grande defesa. Após o apito final da primeira etapa, Fernando Diniz entrou no campo junto com seu auxiliar Eduardo Barros, para protestar contra a expulsão de Thiago Heleno.


Furacão pressionou na primeira etapa, mesmo quando ficou com um a menos (Foto: Gil Pereira/Agência DRAP)

SEGUNDO TEMPO – O Furacão voltou melhor para a segunda etapa, desta vez criando chances. No primeiro minuto Nikão fez jogada pela direita e tocou para Raphael Veiga, que chutou colocado por cima do gol. Aos cinco foi a vez de Carleto desafiar pela terceira vez Everson em cobrança de falta, e o goleiro trabalhou bem novamente, espalmando o chute forte vindo de longe. O Vozão também criou suas oportunidades. Aos nove, Juninho, a principal arma do time, chutou de muito bem e obrigou Santos a fazer grande defesa. Na cobrança de escanteio, Rafael Carioca levantou na cabeça de Elton que, sozinho, testou para fora. No minuto seguinte, Felipe Azevedo foi lançado, driblou Santos, chutou fraco para o gol, permitindo que Carleto chegasse no carrinho e salvasse o Furacão. O Alvinegro se animou e aos 12’ foi a vez de Andrigo chutar rasteiro de fora da área para fora.

O Alvinegro seguia trabalhando muito no campo de ataque, tendo outra chegada perigosa aos 17’ com Felipe Azevedo, que parou em defesa de Santos. Notando o momento da partida, os treinadores mexeram nos seus escretes. Fernando Diniz colocou Zé Ivaldo no lugar de Raphael Veiga, fortalecendo a defesa. Já Marcelo Chamusca notou o momento ofensivo e colocou Luidy no lugar de Wescley. O Vozão seguiu assustando. Aos 20’ Rossetto saiu jogando errado, a bola foi lançada para Elton, que parou em grande defesa de Santos.

Após ouvir o segundo tempo inteiro gritos da torcida pedindo Gedoz, Fernando Diniz cedeu e colocou o meia no lugar de Bergson, recebendo protestos pela saída do atacante. Novamente Chamusca mexeu junto, colocando Arthur Cabral no lugar de Elton. O Atlético voltou a assustar aos 30’, com chute de fora da área do Nikão, que passou do lado esquerdo do gol de Everson. O Ceará respondeu no minuto seguinte, com chute de longe de Pio, que passou próximo ao travessão de Pio. No minuto segunte Felipe Azevedo chutou de fora da área, Santos bateu roupa, mas se recuperou antes que Arthur Cabral finalizasse. A última alteração das duas equipes foi novamente feita no mesmo momento. Pablo entrou no lugar de Guilherme pelo time da casa e Ricardinho na vaga de Andrigo pelos visitantes.
Aos 40’ parte da Baixada comemorou, só que de forma equivocada. Nikão cruzou para Pablo que, sozinho, cabeceou com convicção, na rede pelo lado de fora. Aos 46’ um susto para o torcedor atleticano. Após levantamento, a bola sobrou para Ricardinho que prensou a bola para o gol e balançou as redes. Só que o árbitro acusou toque de mão do jogador cearense, anulando o gol e deixando o placar zerado na Arena.

Os times voltam a se enfrentar no próximo dia 15. Agora o foco de ambos vai 
para os estaduais. O Atlético volta a campo no próximo sábado (03), contra o União, com o time de aspirantes. Já o Ceará volta a campo no domingo (04), diante o rival Fortaleza.


Pablo teve a melhor chance atleticana na segunda etapa (Foto: Gil Pereira/Agência DRAP)

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ATLÉTICO: 1. Santos; 25. Wanderson, 8. Pavez e 44.
Thiago Heleno e 2. Jonathan; 20. Rossetto, 7. Raphael Veiga (27. Zé Ivaldo), 26. Carleto, 17. Guilherme (92. Pablo) e 11. Nikão; 30. Bergson (10. Felipe Gedoz). Técnico: Fernando Diniz.

CEÁRA: 1. Everson; 30. Pio, 3. Valdo, 13. Luiz Otávio e 35. Rafael Carioca; 20. Juninho, 26. Richardson e 27. Wescley (18. Luidy); 7. Andrigo (8. Ricardinho), 11. Felipe Azevedo e 99. Elton (40. Arthur Cabral). Técnico: Marcelo Chamusca.

FICHA TÉCNICA – ATLÉTICO 0 X 0 CEARÁ XXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ARBITRAGEM: Flávio Rodrigues de Souza.
ASSISTENTES: Anderson José de Moraes Coelho (1) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (2).
CARTÕES AMARELOS: Pablo (Atlético); Rafael Carioca e Everson (Ceará).
CARTÃO VERMELHO: Thiago Heleno (Atlético).


Tecnologia do Blogger.