PROPAGANDA

O ano da consolidação tricolor


Recomeçar é a palavra da vez dentro da Vila Capanema. Após dez anos no segundo escalão do futebol brasileiro, o ano de 2017 trouxe não apenas o tão sonhado acesso à série A mas também o orgulho e mobilização paranista recuperados e em grande fase. Apesar da euforia tricolor, a base do time quarto colocado da série B foi desmanchada, permanecendo apenas quatro jogadores titulares. Para o comando da nova equipe em formação, um velho conhecido da torcida: o técnico Wagner Lopes, que comandou o clube durante os primeiros meses do ano passado.

#PARANAENSE 2018
Por @LuizKozak

Apesar de não conquistar um título paranaense desde 2006, o Paraná Clube tem voltado a mostrar sua força no campeonato estadual. Em 2016, após a melhor campanha na fase classificatória, o clube terminou na terceira colocação, eliminado nas semifinais para o Atlético Paranaense. No ano passado, o tricolor novamente conquistou o maior número de pontos na primeira fase, com nove vitórias em onze partidas, mas após virada de mesa que rebaixou o J Malucelli e classificou o Atlético na oitava colocação, o Paraná foi eliminado novamente pelo rubro-negro do técnico Paulo Autuori, desta vez nas oitavas da competição.

Lembrando pouco o time que conseguiu o acesso para a série A deste ano, o tricolor viu seus principais nomes daquela campanha irem embora para clubes como o Internacional (no caso do volante Gabriel Dias), Botafogo (o meia Renatinho) e Atlético Mineiro, que assinou contrato de cinco anos com o zagueiro "xerife" paranista Iago Maidana.

Em contrapartida, o gerente de futebol Rodrigo Pastana foi às compras e trouxe onze jogadores para o elenco, entre eles o repatriado goleiro Luís Carlos, os zagueiros Néris, Charles, Márcio e Rafael Nascimento; o lateral Alemão e os meias Alex Santana, Torito González (do Cerro Porteño), João Paulo, além dos atacantes Diego Gonçalves e Zé Carlos.

TIME-BASE: Luís Carlos (Hugo); Junior (Alemão), Rayan, Neris e Igor; Leandro Vilela, Alex Santana e João Paulo, Vitor Feijão, Minho (Diego) e Alemão.

CRAQUE: Com a saída do meia Renatinho, artilheiro paranista na última temporada, o principal nome do tricolor para este ano é o goleiro Richard, outro destaque de 2017. O jogador de 26 anos conquistou a vaga de titular após lesão de Léo (atualmente no Atlético-PR) durante a Copa do Brasil do ano passado e não saiu mais da meta paranista. Apesar da lesão sofrida na reta final da série B, que o deixará de fora das primeiras rodadas do Paranaense, a diretoria do clube assinou contrato de três anos e meio com o goleiro, após aquisição dos direitos federativos do jogador, que pertencia ao Água Santa-SP.

TREINADOR: O "novo velho" técnico paranista, Wagner Lopes volta ao clube oito meses após rescindir contrato com o Paraná em abril do ano passado, ao receber proposta do futebol japonês. À época, foi ventilado que Lopes receberia um salário vinte vezes maior que o valor pago pelo tricolor. De volta ao futebol brasileiro, o treinador terá o mesmo desafio recebido há um ano: montar um elenco coeso praticamente do zero, trabalhando e garimpando nomes em parceria com o diretor Rodrigo Pastana. Em seu currículo, Wagner Lopes tem passagens pelo Paulista-SP, São Bernardo-SP, Botafogo-SP e Sampaio Corrêa-MA, além do próprio Paraná Clube.


Tecnologia do Blogger.