[JUVENIL] Trieste x Vila Sandra: Uma Prévia Da Grande Decisão Da Divisão Especial de 2017

Nos dois primeiros confrontos, ninguém conseguiu vencer. Agora, a vantagem do empate é do Trieste pela campanha (Foto: Dudu Nobre) 
No próximo sábado (9) Trieste e Vila Sandra se enfrentam pelo terceiro jogo da final da Série A da Suburbana – Categoria Juvenil. Para fazer o aquecimento desta partida decisiva, a equipe DRAP conversou com um representante de cada lado: o atacante Morais pelo escrete tricolor e o técnico Marquinhos Vieira pelo alvinegro.

#PRÉ-JOGO

Os dois times encaram a decisão com seriedade, mas de perspectivas diferentes. Enquanto que o Trieste é reconhecido por ter uma categoria de base sólida há anos, finalista das últimas três edições do certame, o Vila Sandra teve muito êxito para um trabalho iniciado por Marquinhos em 2016 – com a possibilidade de conquistar um título inédito em sua história.

Nos dois jogos anteriores o equilíbrio prevaleceu, igualdade em 0 a 0 e 1 a 1. Nessa terceira partida o clube de Santa Felicidade traz a vantagem do empate por conta da melhor campanha. “O único time que fez frente ao Trieste e tirou ponto deles foi o nosso. Para esse jogo eu estou montando uma estratégia diferente, já que o Vila precisa ganhar. Mas se chegamos até aqui, porque não buscar esse título inédito?”, projeta Marquinhos.

Em relação aos dois últimos confrontos, Morais buscou algumas explicações para os empates. “No primeiro jogo tivemos várias chances e a bola não entrou, já no segundo tomamos um gol cedo que abalou a nossa equipe. Mas somos fortes e esses dois jogos não vão apagar o brilho da nossa campanha”, enfatiza o atacante.

O atacante Morais tem cinco gols na competição (Foto: Dudu Nobre)
De fato os números do Tricolor são muito positivos até aqui. O time segue invicto, com o melhor ataque (63 gols feitos) e a defesa menos vazada (13 sofridos). “É uma camisa de peso, que ao longo de sua história montou várias equipes qualificadas. A estrutura que o Trieste proporciona não tem igual na suburbana, é uma honra fazer parte deste time”, se orgulha Morais.

Já o Vila teve uma trajetória irregular, se classificando em sétimo lugar na última rodada da primeira fase e a partir das quartas eliminando os adversários até chegar à decisão. “Após a derrota para o Novo Mundo tive que afastar três atletas por indisciplina, isso fez com que a equipe oscilasse. Quando reintegrei Luquinhas, Leandro e Alexsandro, titulares absolutos atualmente, o time cresceu”, relembra o treinador.

Para esse terceiro e decisivo duelo, o “friozinho na barriga” existe, mas a vontade de ser campeão também. “O coração bate mais acelerado, vem o nervosismo e a ansiedade, mas aprendi que isso é inevitável. O jeito é ter personalidade pra não deixar isso nos afetar dentro de campo e vencer”, comenta Morais.

Antes do Vila, Marquinhos dirigiu o Ypiranga do Fazendinha por 20 anos (Foto: Dudu Nobre)
No caso de Marquinhos, o sentimento é o mesmo de três décadas atrás, quando iniciou no ofício de treinador – à época com 17 anos. “Eu já tenho uma carreira longa no amador, mas a adrenalina é a mesma. Os piás vão lutar muito para conquistar esse título inédito, ser campeão em cima do favorito é algo muito valioso”, arremata o técnico.

A bola rola neste sábado (9), a partir das 14h no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, e você pode conferir em nossas redes sociais toda a cobertura de mais uma final da categoria juvenil da Suburbana.
__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO