PROPAGANDA

[JUVENIL] Nas penalidades, Caxias supera o Nacional e é campeão da Serie B da categoria

Campeão em 2015, o Caxias voltou a vencer o título logo em seu retorno ao futebol amador
(Foto: Yuri Casari).
Foi inesperado! De eliminado nas semifinais a campeão. O Caxias enfrentou o Nacional de igual para igual no Estádio XV de Agosto, mas acabou derrotado no tempo normal por 2 a 1, resultado que levou a partida para os pênaltis. Na disputa de penalidades, mesmo com o zagueiro João Victor no gol, devido a expulsão do goleiro Gabriel, o rubro-negro levou a melhor e saiu com o título da Série B Juvenil. 

#JUVENIL
Por Yuri Casari

Pré-jogo: Na partida de ida da final, o Caxias, que herdou a vaga do Urano, excluído da final pela escalação irregular de um atleta, superou os mais de 30 dias sem treinamento e venceu o Nacional pelo placar mínimo, gol do zagueiro João Victor. Na partida decisiva, um empate daria o título ao rubro-negro, enquanto o Nacional precisava da vitória por dois gols de diferença para ficar com a taça de forma direta.

Primeiro tempo: No bom gramado do XV de Agosto, o início do jogo fez parecer que quem estava em casa era o Caxias. Com o regulamento embaixo do braço, o time visitante evitava se expor e agia com mais tranquilidade, enquanto o nervosismo do Nacional era claro, com muitos erros individuais, que levavam o técnico Alemão à loucura na beira do campo. Com isso, os primeiros lances de perigo do jogo foram do Caxias, que não demorou a encontrar o gol. Aos 21 minutos, Tales levanta a bola na área e Léo derruba João Victor na área. Na cobrança de pênalti, o zagueiro João Victor bateu bem e ampliou a vantagem do rubro-negro.

O Nacional só foi responder aos 26 minutos, em chute de Guilherme Mato Grosso, mas Gabriel fez a primeira boa defesa no jogo, fato que ainda se repetiria outras vezes durante os 90 minutos. O time alvianil foi criando as chances mas desperdiçava de maneira precipitada. Até que aos 36 minutos, Eli faz cobrança de falta e a bola bate na mão de Tales. Pênalti para o Nacional. Léo bateu cruzado e recolocou sua equipe na briga pelo título.


Léo foi um dos protagonistas da partida, cometendo o pênalti a favor do Caxias, e marcando dois gols (também de pênalti) para o Nacional (Foto: Yuri Casari).
Segundo tempo: Para o Nacional, bastava um gol para levar a decisão para os pênaltis. Com isso, a equipe se jogou para o ataque no segundo tempo, enquanto o Caxias tentava administrar o tempo e buscava os contra-ataques, novamente se aproveitando dos muitos erros individuais do adversário. O Nacional tinha a bola, mas não sabia o que fazer com ela. Os jogadores erravam muitos passes ou carregavam a bola em demasia, até o desarme dos aguerridos jogadores do Caxias. E quando o Nacional conseguia atacar, lá estava o bom goleiro Gabriel. 

O título já estava encaminhado, mas nos minutos finais do tempo regulamentar, Diego faz jogada individual pela direita e é derrubado por Wilian dentro da área. Antes da cobrança, Gabriel reclama com excesso, recebe um amarelo e logo em seguida o vermelho das mãos do árbitro Rafael Vinicius Moura de Oliveira. O camisa 3 João Victor, apesar da baixa estatura, assume a camisa 1, já que o Caxias não possuía goleiro reserva. Na batida, Léo balançou de novo as redes. Após o gol, o técnico Nil, do Caxias, invadiu o gramado, mas foi contido por sua comissão técnica, sendo posteriormente expulso de campo. O Nacional ainda tentou ir atrás de um terceiro gol, mas os pênaltis é que selariam o destino da grande final.


João Victor foi o nome da final. Marcou gol nas duas partidas e ainda assumiu a camisa 1 após a expulsão do goleiro Gabriel (Foto: Yuri Casari).
Penalidades: Foram 22 cobranças, doze para cada lado. O Caxias tinha a desvantagem de não ter um goleiro de ofício na função. Os visitantes começaram as cobranças com o próprio João Victor batendo e abrindo a contagem. Samuel empatou em seguida. Na terceira cobrança do Nacional, Japa bateu pra fora. Mas logo na sequência, na quarta cobrança do Caxias, Mateus carimbou o travessão. 

A disputa seguiu com os jogadores convertendo as cobranças até que todos os jogadores se repetissem. Na décima primeira cobrança, João Victor voltou a balançar a rede, deixando mais uma vez a pressão para o Nacional. Samuel foi para a bola e acertou o travessão, fechando a série em favor do Caxias, que logo em seu retorno ao futebol amador após um ano de licenciamento, voltou a levantar o troféu da Série B da categoria juvenil. 


Contraste de sentimentos: enquanto Samuel lamenta a cobrança desperdiçada, o Caxias comemora o título da competição (Foto: Yuri Casari).
OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

NACIONAL: 1. Carlos, 2. Samuel, 4. Japa, 6. Lucas Lima e 11. Ortiz (18. Diego); 3. Vitor, 5. Léo, 10. Guilherme Mato Grosso; 8. Gabriel, 9. Eli e 7. Tiago (17. Pfiffer).  Técnico: Alexandre Alemão.

CAXIAS: 1. Gabriel, 2. Lincoln, 3. João Victor, 4. Emanuel e 6. Wilian; 5. Binho, 7. Fernando (15. Mineiro), 8. Wellinton Monstro (17. Lucas) e 10. Dedé; 9. Mateus e 11 Tales. Técnico: Nil

FICHA TÉCNICA CAXIAS 1 x 0 NACIONAL XXXXXXXXXXXXX

GOLS: João Victor aos 22 do 1º tempo (CAX); Léo, aos 37' do 1º e aos 40' do 2º tempo (NAC).
CA: Lucas Lima e Mato Grosso (NAC); Gabriel, João Victor, Fernando, Dedé e Tales (CAX).
CV: Gabriel (CAX).
Árbitro: Rafael Vinicius Moura de Oliveira
Assistentes: Deniel Carvalho e Fabricio da Silva Martins. 

MATÉRIA DO JOGO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX




__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO

Tecnologia do Blogger.