Trieste vence Iguaçu e está a um empate do título da Suburbana de 2017


Iguaçu e Trieste jogaram na tarde deste sábado (25) no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, em confronto válido pelo primeiro jogo da final do futebol amador de Curitiba de 2017. Com bola rolando, o clássico italiano foi bastante disputado, mas o gol contra a favor do Trieste nos minutos iniciais foi o diferencial. Com o triunfo, o tricolor quebrou a série de nove jogos sem vencer o Iguaçu e está a um empate de conquistar o título do certame.

#SUBURBANA 2017
Por @rafaelbuiar

PRÉ-JOGO: Depois de 40 anos, o clássico dos italianos voltou a ser uma decisão no futebol amador de Curitiba. No lado da equipe do Trieste, a única equipe invicta no certame e também com o ataque mais positivo. Diferente do escrete do Iguaçu, que tem a zaga menos vazada e mantém um tabu de mais de cinco anos, o que resulta em nove embates. Ingredientes que alimentam a disputa do clássico e ainda em uma decisão.

PRIMEIRO TEMPO: Nos primeiros minutos, a equipe do Trieste já passou a ter mais volume de jogo e já procurou atacar, principalmente pelos flancos. Mas o primeiro chute a meta foi do escrete da casa, mas sem susto ao goleiro Rodrigão. Mesmo assim, o time visitante não se acanhou. Não deu outra, com seis minutos de jogo a equipe do Trieste fez ótima trama no setor de ataque do lado esquerdo, com Aroldo, Bruno Batata e Eduardo Salles, e ao afastar o perigo, o voltante Herick colocou contra o patrimônio, abrindo o placar no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli. 

Mesmo após o gol, o tricolor de Santa Felicidade continuou pressionando. Minutos depois, Bruno Batata recebeu dentro da área, ajeitou com classe e Eduardo Salles arrematou forte. Mas Luisinho Neto salvou, aliviando perigo do segundo gol. Mas o time alvinegro não se abateu e por meio de bola parada quase chegou ao gol de empate. Lusinho Neto cobrou a falta e Emerson e Douglão não chegaram ao tempo de concluir a meta do arqueiro Rodrigão. Lance que motivou a equipe do Iguaçu, já que foram pelo menos três ataques com perigo, Hideo foi protagonista dos dois lances. Na primeira tentativa, um arremate de fora da área, que obrigou Rodrigão a efetuar uma ótima defesa. Na sequência, o camisa 10 do Iguaçu roubou no meio de campo e desceu até a área do Trieste, mas demorou muito para passar para o seu companheiro e com isso, o sistema defensivo do Trieste acabou recuperando a bola. 

Com o passar do tempo, a equipe do Iguaçu ficou com mais posse de bola e o meio de campo do Iguaçu ficou mais participativo. Destaque para Hideo, que alimentou os atacantes Leonardo e Alex Pinhais. Dentre as jogadas de ataque de perigo de gol, o camisa 10 alvinegro deixou o lateral experiente Luisinho Neto livre para cruzar. A bola passou por Alex Pinhais que não conseguiu dominar e sobrou para o novato Leonardo que perdeu sozinho a oportunidade de empatar. A pressão continuou. Aos 31’ Hideo cobrou falta e quase surpreendeu o goleiro Rodrigão. Dois minutos depois, Alex Pinhais cabeceou, ao antecipar do zagueiro Igor, e acertou a trave.

Nos minutos finais, o confronto passou a ter outra história. Grilo, que estava amarelado, levou o segundo e foi expulso consequentemente. Não deu outra, o clima esquentou entre as duas equipes. Empurrões e muitas faltas duras aconteceram neste período do embate. Ou seja, o embate não desenvolveu muito até o fim do primeiro tempo.



SEGUNDO TEMPO: No retorno a segunda etapa, o escrete do Iguaçu teve alterações. O treinador Juninho colocou Igor e Feijão, no lugar de Bruninho e Leonardo. Enquanto que o Ivo Petry colocou Romero no lugar de Eduardo Salles. Com bola rolando, a equipe do Iguaçu aproveitou um homem a mais em campo e teve mais posse de bola. Mas do outro lado, a equipe do Trieste, que recuou com a alteração, passou a jogar em contra-ataque. Destaque para a jogada de Neto, que desceu até a linha de fundo e cruzou, mas Bruno Batata não chegou a tempo de concluir.

Com o desenrolar da etapa complementar, o jogo ficou mais preso no meio de campo. Mas com o Iguaçu tendo mais posse de bola. Devido a isso, Juninho promoveu a entrada de Tamandaré na equipe da casa no lugar de Alex Pinhais. A resposta foi imediata, pois a equipe do Iguaçu teve duas oportunidades. A primeira foi com Elton e a segunda com Igor, em ambos os lances Rodrigão levou a melhor. Mas a pressão não durou por muito tempo.

Passados dos 20’, o  confronto ficou aberto e o escrete do Trieste também chegou a meta do arqueiro Rodrigo. Mas sem sucesso na conclusão. Bruno Batata e Marquinhos Lima perderam as oportunidades de aumentar o placar. Mesmo assim, quem teve a chance clara de marcar foi o Iguaçu, com Igor.  Aos 33’, a equipe do Iguaçu empatou em cobrança de escanteio. Mas o bandeirinha assinalou que a bola saiu  pela linha de fundo antes de chegar ao zagueiro Aderaldo, que de peixinho concluiu em gol.

Nos minutos finais, aconteceu o que teve em quase todo o segundo tempo. Iguaçu atacando e Trieste defendendo. Destaque para Rodrigão, que fez ótimas defesas. Dentre os arremates, destaque para o chute de Hideo de fora da área e no rebote o atacante Igor não chegou a tempo de concluir. Os últimos minutos a equipe do Iguaçu teve presença constante no setor de ataque. Dentre os lances, alguns geraram reclamação por parte da equipe da casa. Mas não deu outra, o placar persistiu em 1 a 0 para o time do Trieste.


Obs. Um minuto de silêncio (Amendoim)

ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

IGUAÇU: Rodrigo; Luisinho Neto, Douglas, Emerson e Aderaldo; Herick (Jhon), Elton, Hideo e Bruninho (Feijão); Leonardo (Igor) e Alex Pinhais (Marcelo Tamandaré). Tec. Juninho.

TRIESTE: Rodrigão; Neto, Igor, Jair e Marabá (William); Grillo, Aroldo (Joãozinho), Orlei (Danilo) e Marquinhos Lima; Bruno Batata e Eduardo Salles (Romero). Tec. Ivo Petry

FICHA TÉCNICA – IGUAÇU X TRIESTE XXXXXXXXXXXXXXXXX

GOL: Aderaldo contra aos 6’ do 1º tempo (Trieste)
CA: Hideo, Douglas, Emerson (Iguaçu) e Grilo, Ricardo (Trieste)
CV: Grilo (Trieste)
ÁRBITRO: Murilo Ugolini Klein
AUXILIARES: Weber Felipe Silva e Wesley Waldir Marmitt


MELHORES MOMENTOS (VÍDEO) XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO