Iguaçu e Trieste decidem mais uma vez a elite do amador de Curitiba


No próximo sábado (25), os escretes de Iguaçu e Trieste irão desafiar-se pelo primeiro duelo da final da Divisão Especial do futebol amador de Curitiba de 2017, no Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli. Depois de altos e baixos das duas equipes nas últimas décadas, o clássico italiano volta a ser uma decisão de certame. Fato que não acontecia desde 1977 - 40 anos.

#PRÉ-JOGO
Por @rafaelbuiar

As duas equipes que mais conquistaram títulos na elite do amador de Curitiba estão em mais uma disputa de caneco. A equipe do Trieste levou 12, enquanto o escrete do Iguaçu tem nove. A equipe do Trieste não levanta um caneco desde 2013 e o time alvinegro é o atual campeão do certame e quer em busca do bi.

ANTES DA FINAL: A equipe do Iguaçu, que tinha perdido o primeiro duelo da fase semifinal para o Santa Quitéria por 1 a 0 no Estádio Mauricio Fruet, conseguiu reverter a vantagem em seus domínios ao vencer por 2 a 0 no tempo normal e consequentemente nas penalidades por 3 a 1, com destaque para a participação direta do arqueiro Rodrigo que defendeu duas cobranças. Com este triunfo, a equipe alvinegra do bairro de Santa Felicidade conseguiu chegar à sua terceira final consecutiva no futebol amador de Curitiba. Não muito diferente do rival, o escrete do Trieste também teve suar para seguir na competição. No embate de volta da semifinal saiu atrás no placar, mas conseguiu forças para reverter e ir em mais uma decisão. Fato que não acontecia desde 2013.

O CAMINHO: O caminho da equipe do Iguaçu até a final foi cheio de incerteza, principalmente na primeira fase, em que teve sete empate dos 11 confrontos disputados. Por outro lado, a equipe comandada por Juninho, não soube o que era derrota, junto ao seu rival que também passou ileso na primeira fase da competição. A partir da segunda fase, a equipe do Iguaçu passou a ganhar mais corpo e confiança no certame. Nas quartas de final, o adversário foi o escrete do Capão Raso, que perdeu os dois embates. O primeiro no Estádio José Carlos de Oliveira Sobrinha por 1 a 0 e o segundo em Santa Felicidade, com o placar de 5 a 4.

Com o avanço à fase semifinal, o próximo adversário foi mais cascudo e um conhecido, já que decidiram as duas últimas finais da elite do amador de Curitiba. Neste duelo foi quando a equipe do Iguaçu conheceu a sua primeira derrota na competição, no jogo de ida. Mas jogando em casa e com o apoio da torcida, o escrete de Santa Felicidade reverteu e avançou a final da competição. Em números, a campanha do Iguaçu é representar por sete vitórias, sete empates e apenas uma derrota, com 20 gols e apenas 10 gols sofridos. Sendo o Iguaçu com a zaga menos vazada até o momento.

Diferente do rival alvinegro, a equipe do Trieste teve uma primeira fase mais tranquila, sem oscilação. Foram cinco vitórias e seis empates. Destaque para a equipe comandada por Ivo Petry o setor ofensivo, que em onze embates disputados foi o ataque mais positivo, somando 27 gols. Números que continuaram na fase seguinte, em que enfrentou o escrete do Uberlândia e no agregado foi 10 a 2 a favor do time da colonia italiana. No confronto da fase semifinal, o duelo mais dificil de todo campeonato, mesmo com dois triunfos diante o Operário Pilarzinho e que no agregado somou em 6 a 3 para o time do Trieste. Em números, a campanha do Trieste é representada por mais de 70% de aproveitamento, com nove vitórias e seis empates, com 43 gols marcados e 19 sofridos.


HISTÓRIA: O clássico italiano foi seis vezes como a decisão do certame principal do futebol amador de Curitiba.

Dos seis embates, a equipe do Iguaçu levou a melhor em quatro e o Trieste apenas duas vezes. A primeira decisão entre as duas equipes aconteceu em 1959, com três confrontos - 2 empates e 1 vitória a favor do Iguaçu, que deu o título a equipe alvinegra. No segundo embate, novamente decidida em três confrontos, duas vitórias do Iguaçu e um do Trieste. Quatro anos depois, a terceira decisão, com uma vitória do Trieste e duas vitórias do Iguaçu.

O tricolor do bairro de Santa Felicidade só levou a melhor na quarta decisão entre as duas equipes, em 1969, e a primeira decisão sem ser nos estádios das equipes profissionais da capital. Nesta decisão, que foi em jogo único, a equipe do Trieste venceu. O mesmpo se repetiu na quinta decisão, em 1972, com duas vitórias da equipe do Trieste. Cinco anos depois, também em jogo único, mas sem um vencedor no confronto. Porém, a equipe alvinegra tinha a vantagem do empate.

Em tempos atuais, a equipe do Iguaçu leva a melhor na disputa, já que dos últimos nove confrontos venceu cinco e a equipe do Trieste nenhum. Foram 15 gols a favor da equipe do Iguaçu e seis do tricolor de Santa Felicidade. 


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO