[SUB 20] Coritiba é derrotado nos pênaltis e é vice-campeão Brasileiro

Foto: João Heim/Do Rico ao Pobre

Na tarde desta sexta-feira (20), o Coritiba recebeu o Cruzeiro na partida de volta da final do Brasileirão Sub 20. Após o empate em 1 a 1 na capital mineira, o Coxa jogava por uma vitória simples para ser campeão. A torcida alviverde comemorou primeiro, com Indio, ainda na primeira etapa. No segundo tempo o Verdão ficou muito nervoso e o Cruzeiro empatou como Jonata, que levou a decisão aos pênaltis. Na marca da cal, Mosquito, Romércio e Marcos Mosfer pararam em Vitor Eudes e os mineiros ficaram com a taça.

#BRSUB20
Por Gabriel Sawaf

PRÉ-JOGO: Estacionamento lotado, faixas de campeão vendidas, imprensa nacional e local marcando presença, torcedores preenchendo as arquibancas, inclusive a visitante, e o alambrado sendo ocupado por faixas e a presença da bateria e até de bandeirão. O clima antes do jogo fazia jus a final que aconteceria no gramado do Couto Pereira, que valia o título brasileiro na categoria Sub 20. Na ida, em Belo Horizonte, a Raposa saiu na frente, mas o Verdão foi buscar o empate. Agora em casa, o Coxa tinha a oportunidade de levantar o caneco diante a sua torcida e amenizar o clima tenso que rodeia o Alto da Glória na reta final do Campeonato Brasileiro.

PRIMEIRO TEMPO:   A partida começou com mais domínio celeste, a equipe mineira ficava mais com a bola e trabalhava muito nas jogadas pela lateral, principalmente pela direita com Lucas Soares. O Coxa tentava sair, mas se precipitava muito. Apesar disto o primeiro arremate a gol foi alviverde, com Indio aos oito minutos, que chutou de fora da área para defesa tranquila de Vitor Eudes. A Raposa controlava bem a bola e rondava a área alviverde, tendo sua primeira oportunidade aos 15 minutos, com chute de fora da área de Márcio, que passou por cima do gol de Arthur.  

Com o passar do tempo o jogo foi ficando morno, com as equipes trabalhando a bola na meia cancha, sem assustar os arqueiros. O Coxa tratou de botar fogo no jogo aos 24 minutos, depois da arrancada de Indio pela direita, que finalizou para defesa de Vitor Eudes. Na sobra do lance Vitor Carvalho finalizou para fora. Os mineiros trataram de responder no minuto seguinte, quando Vander recebeu na direita, foi cruzar na área, e quase surpreendeu Arthur. Após as oportunidades de ambos os escretes, o Coritiba cresceu no jogo, ficando mais com a bola e levando vantagem nos desarmes, que ajudavam na construção das jogadas.

Não demorou muito para que a Raposa conseguisse equilibrar o jogo e levasse perigo novamente ao gol de Arthur. Aos 33 minutos Thony Anderson tocou para Jonata, que ajeitou para Marcelo, que finalizou para fora. Três minutos depois a rede balançou para o lado alviverde. Bola cruzada da direita, Vitor Eudes não conseguiu afastar e a bola sobrou para Mosquito, que pegou errado na bola e sem querer deu uma assistência para Indio, finalizar fraco, mas balançar a rede e explodir de alegria a torcida coxa branca. Em desvantagem no marcador, o escrete celeste foi para cima tentar o empate. Quase conseguiu aos 44 minutos, quando Matheus Bueno foi sair jogando e tocou em cima de Jonata, o desvio no centro avante encobriu o Arthur e balançou a rede pelo lado de fora. Sem sustos, a primeira etapa se encerrou com vantagem mínima alviverde.


Coritiba abriu o marcador na primeira etapa (Foto: João Heim/Do Rico ao Pobre)
SEGUNDO TEMPO: A etapa complementar começou com os mineiros indo mais para frente, buscando o empate. O Coxa se aproveitava do nervosismo e precipitação de jogadas do adversário para construir suas jogadas, mas também se mostrava nervoso. A primeira oportunidade da segunda etapa foi da equipe celeste, aos sete minutos, após cobrança de falta de Marcelo, que passou por cima do gol de Arthur. O Cruzeiro pressionava e fazer a equipe alviverde ficar acuada em seu campo de defesa, porém não conseguia passar da forte marcação Coxa Branca. As oportunidades da Raposa vinham na bola. Aos 13 minutos Marcelo cobrou falta na cabeça de Gustavo Rissi, que testou para fora.

O Coxa conseguiu abafar um pouco a pressão e sair um pouco de trás, mas se mostrava nervoso no ataque e precipitou duas vezes seguidas, em que houve demora para a finalização e a defesa conseguiu cortar. As chances perdidas foram castigadas. Aos 18 minutos Marcelo fez um cruzamento perfeito na cabeça de Jonata, que testou firme para empatar o marcador. Com o empate o Coritiba se lançou mais ao ataque, mas o nervosismo ainda imperava. A Raposa aproveitou os espaços e quase chegou a virada. Lucas Soares fez boa jogada pela direita e cruzou para Jonata, que cabeceou firme no chão, mas a bola pingou e passou sobre o gol. Passado o susto, o técnico Mozart fez a primeira alteração do jogo, sacando Matheus Bueno e colocando Romeu. Logo depois fez a segunda, tirando Indio e colocando Fernandinho. 

O camisa 17 entrou bem e logo aos 33 minutos fez sua primeira participação no jogo, cruzando bola para a área, que foi afastada por Vitor Eudes e sobrou nos pés de Julio Rusch, que chutou para fora. A equipe alviverde se lançava ao ataque buscando o desempate, mas não conseguia assustar o gol mineiro e ainda se mostrava nervosa. Já o Cruzeiro tocava a bola e prendia o jogo, sem ter muito a pretensão de atacar. Com o cenário do jogo e a falta de chances de ambos os lados, a partida tinha cara de que iria ser decidida nos pênaltis. E isto foi garantido por Arthur, aos 46 minutos, que fez grande defesa após chute de Victor Luiz. Fim de jogo e a decisão foi para a marca da cal. 

Cruzeiro chegou ao empate na segunda etapa (Foto: João Heim/Do Rico ao Pobre)
Quem começou foi o Cruzeiro, com Nickson batendo firme no meio do gol. Mosquito foi o encarregado do de bater a primeira para o lado alviverde, mas parou em Vitor Eudes, que fez grande defesa. Vander bateu e marcou, ampliando a vantagem mineira. Na segunda cobrança Romeu bateu firme e marcou o primeiro gol coxa branca. Na terceira cobrança celeste, Cesinha deslocou bem Arthur e fez o terceiro. Thalisson Kelvin cobrou bonito no ângulo e não deixou o Coxa morrer. O Cruzeiro marcou seu quarto gol com Marcelo, fazendo Fernandinho ficar com um caminhão nas costas, mas marcou e ainda deu ar para os donos da casa. Thony Anderson teve a chance do título celeste nos pés, mas isolou e incendiou o Couto Pereira. Julio Rusch não bobeou e empatou a disputa, levando a decisão para as alternadas. 

Arthur acertou o canto, mas não defendeu a cobrança de Márcio, deixando a Raposa em vantagem. Fernando Dinis bateu com muita categoria e empatou novamente. Na repetição do duelo da última chance, Victor Luiz chutou errado e bateu para fora. Coube a Romércio bater o pênalti derradeiro, a festa estava pronta, mas o zagueiro parou em Vitor Eudes. Gustavo Rissi bateu firme e colocou os mineiros novamente em vantagem. Vitor Carvalho cobrou bem e empatou. Na nona cobrança de cada equipe foram os laterais direitos, Lucas Soares fez, mas Marcos Mosfer desperdiçou, dando o título aos mineiros.

Vitor Eudes defendeu três cobranças e deu a taça ao Cruzeiro. (Foto: João Heim/Do Rico ao Pobre).
OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

CORITIBA: 1. Arthur; 2. Marcos Mosfer, 3. Fernando Dinis, 4. Romércio, 5. Thalisson Kelvin e 6. Léo Andrade; 7. Vitor Carvalho, 8. Julio Rusch e 10. Matheus Bueno (15. Romeu); 9. Indio (17. Fernandinho) e 11. Mosquito. Tec. Mozart.

CRUZEIRO: 1. Vitor Eudes; 2. Lucas Soares, 3. Cacá, 4. Gustavo Rissi e 6. Victor Luiz; 5. Márcio, 8. Vander e 10. Thony Anderson; 7. Nickson, 9. Jonata (22. Cesinha) e 11. Marcelo. Tec. Emerson Ávila.

FICHA TÉCNICA – CORITIBA 1 (6) X 1 (7) CRUZEIRO XXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ÁRBITRO: Adriano Milczvski.
ASSISTENTES: Daniel Cotrim de Carvalho (1) e Sandra Maria Dawies (2).
GOLS: Indio, aos 36’ do 1°T (Coritiba). Jonata, aos 18’ do 2°T (Cruzeiro).

AMARELOS: Matheus Bueno (Coritiba); Márcio (Cruzeiro).