Sem muita inspiração, Atlético e Chapecoense não saem do zero na Arena

Foto: Assessoria de Imprensa do Atlético-PR
Ontem (28), Atlético e Chapecoense duelaram na Arena da Baixada, em jogo válido pela 31° rodada do Campeonato Brasileiro. Com o desejo da vitória para seguir firme com seus objetivos, as propostas de jogo de ambas as equipes não funcionaram. O escrete Rubro Negro tentou propor o jogo, mas do outro lado a Chape se segurou e quis surpreender nos contra-ataques. Devido a isso, as redes não balançaram e o placar persistiu em 0 a 0.


#SÉRIE A
Por Adson Lima

PRÉ-JOGO: As duas equipes chegaram neste confronto com vitórias e por isso, o objetivo de ambas as equipes foi manter a sequência para continuar firme na briga de seus objetivos. O Atlético em conseguir uma vaga no G-6 da competição, para garantir uma vaga na próxima Libertadores. Já a luta da Chape é outra, aumentar a distância da zona de rebaixamento. Por isso, somar pontos é fundamental para conseguirem ter uma tranquilidade no campeonato e ainda sonhar com uma vaga na Sul-americana.

PRIMEIRO TEMPO: A partida começou com o time da casa tendo mais a bola, o que acabou sendo a tônica de toda a primeira etapa. Mas essa posse de bola não significou perigo a meta adversária, pois o Atético ficou trocando bola na zaga e não conseguiu penetrar na zaga da Chape, que esperava bem fechada atrás.

Nos 15 primeiros minutos, o Atlético chegou duas vezes. A primeira foi com uma bola enfiada pelo Sidcley para o Ribamar na esquerda, em que o camisa 9 rubro negro invadiu a área e chutou torto para fora. A outra tentativa aconteceu com Guilherme lançou bola para Nikão, ele ajeitou de cabeça para Lucho, que chegou chutando e sem perigo a bola passou a direita do gol de Jandrei. Aos 16’, aconteceu a chance mais clara do jogo, mas desta vez foi para a Chape e nos pés de Wellington Paulista. Depois da batida do escanteio, o atacante da chape cabeceou na pequena área e obrigou Weverton a fazer uma boa defesa. Na sequência, a bola ainda sobrou para o atacante da chape novamente, que chutou de primeira, mas Thiago Heleno esteve em cima da linha e tirou a bola salvando o Atlético.

O jogo seguiu em um ritmo sonolento e a torcida Rubro Negra começou a mostrar insatisfação com a inoperância do time em campo. Com isso, a Chape tentou ganhar tempo em qualquer bola parada, mostrando que o placar não era de todo ruim. Perto do fim da primeira etapa, o atlético atacou pela direita, a zaga cortou a bola na área e Guilherme esteve de costa e tentou uma bicicleta, que a zaga cortou. Pouco depois, o árbitro encerra a primeira etapa.

Foto: Assessoria de Imprensa do Atlético-PR

SEGUNDO TEMPO: No segundo tempo existia uma expectativa de que o jogo mudasse. Sim, mudou um pouco, mas não muito. Nos primeiros 15 minutos, o Rubro Negro teve duas chances de gol, igual na primeira etapa. A diferença foi que as chances criadas no segundo tempo, exigiram que o goleiro Jandrei fizesse duas boas defesas. Uma foi em um voleio do Nikão, da entrada da área, o camisa 11 do Furacão pegou firme de primeira e o goleiro da Chape foi buscar. Na sequência, o arqueiro da Chape buscou a cabeçada do Ribamar também, o camisa 9 do Atlético cabeceou de dentro da pequena área, Jandrei espalmou para o lado e ainda Thiago Heleno chegou na bola, mas não conseguiu finalizar, pois ela bateu nele e foi para fora.

A partir dos 25 minutos os técnicos começaram a mexer nas equipes e a Chape começou a gostar mais do jogo, pois tentou ter a bola e com isso rodou até chegar perto da área adversária. Mas só conseguiu finalizar uma vez e com Arthur Caike, que chutou forte de fora da área e levou perigo a meta de Weverton. O jogo se encaminhou para o seu fim, com a torcida da casa cobrando bastante o time para que atacasse, mas o Atlético não conseguiu. Após o fim do embate, a torcida demonstrou insatisfação, vaiou e protestaram bastante contra a atual diretoria e o técnico Fabiano Soares, que na tábua de classificação o Atlético se manteve na 9° colocação e a Chapecoense ganhou uma posição, agora ocupa o 12° lugar.

ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Atlético: Weverton; Jonathan, Weverton, Thiago Heleno e Fabrício; Esteban Pavez, Lucho González (Matheus Rossetto) e Guilherme; Nikão, Sidcley (Felipe Gedoz) e Ribamar (Douglas Coutinho). Técnico: Fabiano Soares.

Chapecoense: Jandrei; Apodi, Douglas, Fabrício Bruno e Reinaldo; Moisés Ribeiro, Amaral (Elicarlos), Luiz Antônio (Nadson) e Canteros; Arthur Caike (João Pedro) e Wellington Paulista. Técnico: Gilson Kleina.

FICHA TÉCNICA – ATLÉTICO-PR 0 X 0 CHAPECOENSE XXXXXXXX
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA).
Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA).
Público e renda: 10.579 total | R$ 237.767,50
Cartão amarelo: Lucho González (CAP); Jandrei, Fabrício Bruno, Canteros e Apodi (CHA).

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO