[JUVENIL] Olímpico vence Nacional por 1 a 0 na ida das semifinais da Série B


Equipe do Olímpico comemora o único gol da partida, que dá uma importante vantagem para o jogo da volta (Foto: Yuri Casari)
Na tarde deste sábado (21), o Olímpico enfrentou o Nacional no Parque Linear, no jogo de ida das semifinais da Série B - categoria juvenil. Apesar da forte chuva e do campo encharcado, as duas equipes fizeram um bom jogo, e o detalhe fez a diferença para que o Olímpico saísse com a vitória pelo placar mínimo.

#Juvenil
Por Adson Lima

Pré-Jogo: Atacar ou esperar? Essa dúvida sempre está em pauta quando o jogo é uma decisão em dois jogos. A expectativa era de um Nacional aguerrido, saindo para o ataque, e um Olímpico mais calculista, conservador, tendo em vista o que as duas equipes fizeram na fase classificatória. O Nacional veio com a terceira melhor campanha, enquanto o Olímpico foi apenas o sétimo, mas embalado das quartas-de-final, em que eliminou o favorito Renovicente.

Primeiro tempo: A primeira dividida mostrou qual seria a tônica do jogo, uma disputa forte por cada centímetro do território adversário. O Olímpico começou um pouco melhor, tendo mais a bola e mais tranquilidade para trabalha-la, sempre rondando a área do Nacional. Em um lance de falta pela direita, bem próximo a bandeira de escanteio, o Olímpico teve sua primeira chance de gol. Aos 8 minutos, bola erguida na área e João Felipe manda de cabeça para fora. O Nacional respondeu dois minutos depois, também em um lance de bola parada. A bola vem para a área e Guilherme dá uma casquinha na bola, ela vem para o centroavante Tiago, que domina girando e bate, mas seu pé de apoio escorrega e a bola vai tranquila para defesa do goleiro Marcos Paulo.

A partida seguiu disputada lance a lance, mas pela condição precária do gramado, já que a chuva resolveu aparecer com força, as bolas parada eram uma boa maneira de chegar ao gol adversário. Aos 15 minutos, em um lance para o Olímpico originado de uma falta, a bola é cruzada na área, o goleiro Wagner sai na marca do pênalti, mas manda nos pés do meia Lucas, que pega de primeira da intermediária com a perna canhota e faz um belo gol, encobrindo o goleiro e inaugurando o marcador no Parque Linear.

Mesmo com o gol, o Olímpico se manteve atacando, e explorando a bola parada. Aos 20, na cobrança de falta a bola foi alçada na área, João Felipe manda para o gol de cabeça, e o arqueiro do Nacional faz a defesa. Com 27 minutos de jogo, o Olímpico conseguiu outra falta de frente, ideal para bater direto, e foi o que fez Lucas Malmann, que bateu forte por cima da barreira e a bola passou raspando o travessão. Na reta final do primeiro tempo, o Nacional foi equilibrando a partida, mas no contra ataque o Olímpico levou perigo, aos 31, com João Felipe. O camisa 10 fez boa jogada individual pela esquerda, cortou para dentro e bateu forte rasteiro e a bola passou rente a trave. Logo após, a melhora do Nacional surtiu efeito e a equipe do Boqueirão criou duas boas chances de gol, uma aos 34, em um chute forte de fora da área de Leonardo, em que Marcos Paulo fez boa defesa. A oura chance veio um minuto depois com Lucas Lima, que cobrou uma falta no canto esquerdo inferior do goleiro, que espalmou e Leonardo pegou o rebote, mas bateu em cima do arqueiro esmeraldino.

O primeiro tempo teve bastante equilíbrio, apesar do gol marcado pelo Olímpico, que obrigou o Nacional a tentar correr atrás do empate (Foto: Yuri Casari).
Segundo tempo: O Nacional manteve o ímpeto do final da primeira etapa, pois precisava do empate, e logo aos 6 minutos chegou com perigo. Caio cruzou uma bola rasteira pelo lado direito, a bola passou por baixo do goleiro e rolou vagarosamente em frente ao gol, mas ninguém de azul empurou ela para o barbante. 

Aos 13, o Olímpico perdeu seu zagueiro Wesley, expulso pelo segundo cartão amarelo, fator que motivou o Nacional, obrigando o esmeraldino a recuar um pouco para preencher o espaço deixado pelo jogador ausente. Na cobrança de falta, oriunda ao lance da expulsão, Lucas Lima bateu forte e o goleiro fez uma firme defesa. Aos 19, um cruzamento perigoso na área e Tiago subiu para cabecear, mas pega errado na bola e ela vai para trás. Gulherme chegou batendo forte, assustando o goleiro adversário.

Na sequência do jogo, o Olímpico se segurava, mas tentava explorar os espaços deixados pelo adversário mesmo com um a menos. Entretanto, o Nacional criava as melhores chances. Com 33 minutos jogados, Tiago pega uma sobra de bola na pequena área. O camisa 9 pega de primeira e bate forte, a bola explode no travessão e bate no chão. O Nacional reclamou que a bola bateu dentro, mas a arbitragem não viu assim e seguiu o jogo. No último ato ofensivo do jogo, já nos acréscimos, o Nacional finalizou com Eli, que chutou de fora da área, com a bola passando à direita do gol. A decisão fica para o jogo de volta, com vantagem de um gol do Olímpico, que joga pelo empate. O Nacional tem que vencer para postular uma vaga na final do campeonato, levando para os pênaltis, em caso de vitória por um gol de diferença, ou passando de maneira direta, se vencer por dois ou mais gols.

Tiago (9) pegou muito bem na bola, mas a redondinha foi caprichosa, batendo no travessão e voltando para o chão em lance duvidoso (foto: Yuri Casari).

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

OLÍMPICO: 1 Marcos Paulo; 2 José, 3 Wesley, 4 Glaubert, 6 Pedro; 5 Andrey, 7 Lucas, 8 Jackson (14 Leonardo), 10 João Felipe; 9 Lucas Malmann (23 João Victor) e 11 Felipe (18 Élio). Téc: Mário Sergio.

NACIONAL: 1 Wagner; 2 Eli, 3 Victor, 4 Lucas Lima, 7 Piauí; 5 Leonardo, 8 Mateus, 6 Lucas (18 Diego)(14 Caio)(16 Amarildo)Ruan, 10 Guilherme Matogrosso; 9 Tiago e 11 Pfiffer (15 Felipe). Téc: Alemão.

FICHA TÉCNICA – OLÍMPICO 1x0 NACIONAL

ARBITRAGEM: Luciano de Pinho Tavares Filho
ASSISTENTES: André Luiz Severo e Danilo Padilha Porse.
GOL: Lucas, aos 15' do 1º tempo.
AMARELOS: Leonardo e Wesley (OLI); Diego (NAC).
VERMELHOS: Wesley (OLI).


__________________________________________

DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO