Em jogo de tirar o fôlego, Capão Raso vence Quitéria e ultrapassa o adversário na tabela

Diego agradece aos céus pela ótima partida, já que marcou três dos quatro gols tricolores (Foto: Dudu Nobre)
Neste sábado (7) Capão Raso e Santa Quitéria se enfrentaram no estádio José Carlos de Oliveira Sobrinho pela nona rodada da Série A da Suburbana. Um jogo que teve de tudo: alternâncias no placar, artilheiro em tarde inspirada, polêmica, expulsão e um gol no final que deu a vitória ao Tricolor de Aço por 4 a 3.


#SUBURBANA2017
Por Dudu Nobre e Rafaela Ferreira


PRÉ-JOGO - O Capão Raso vinha de duas derrotas seguidas e precisava buscar os três pontos em casa para voltar ao pelotão de cima da tabela. Já no Quitéria, o empate frente ao Vila Sandra fez com que a diretoria demitisse o treinador Roberto Costa e contratasse o experiente Ary Marques. A distância entre as equipes era de um ponto, o Tricolor estava na 7ª posição e o Auriverde na 5ª.

PRIMEIRO TEMPO – O Time da casa começou com mais posse de bola, mas tinha dificuldades na hora de finalizar. A partir dos 5’ o Quitéria passou a chegar com mais perigo, explorando a velocidade pelas pontas e tendo em Massai o grande articulador da equipe. Com isso as chances apareceram. Aos 8’ o Auriverde acertou o travessão e aos 11’ Juliano bateu de fora pela linha de fundo. Na terceira oportunidade os visitantes foram certeiros: Juliano lançou Massai, que entrou na área e serviu Peter; o centroavante chutou de primeira, e a bola ainda beijou o travessão antes de entrar.

Mesmo com o 1 a 0 os comandados de Ary Marques seguiam melhores. Aos 17’ o camisa 10 foi novamente garçom, mas Jean tirou demais do goleiro Ge e errou a meta. Só aos 20 minutos o Capão criou a primeira chance, Diego recebeu na área e bateu por cima. Só a vitória interessava ao time da casa, e aos 25’ aconteceu o primeiro ponto de virada do jogo. A zaga visitante afastou um cruzamento nos pés de Marcelinho, que bateu de fora; o chute virou assistência, já que Diego desviou no meio do caminho para empatar a partida.

A igualdade fez com que o Tricolor de Aço tomasse as rédeas do jogo e pressionasse o Auriverde de forma avassaladora, muito pelo entrosamento de uma dupla que joga junto desde os tempos de Fanático na Taça Paraná: Roney e Diego. Aos 34’ o meia cobrou falta da direita e o atacante cabeceou no primeiro pau para virar o marcador. Os dois não diminuíram o ritmo e aos 38’ Roney recebeu lançamento pela esquerda e achou Diego nas costas da marcação; o centroavante voou no ar, ao melhor estilo “Rei Dadá”, para cabecear no cantinho, 3 a 1 Capão. Em 15 minutos a segurança do Quitéria desmoronou, e Ary teria o intervalo para reanimar seu elenco.

O gol de empate, marcado por Jonas, foi resultado da mudança de postura do Quitéria com as alterações (Foto: Dudu Nobre)
SEGUNDO TEMPO – Aparentemente a conversa de vestiário deu certo, pois o Auriverde melhorou na partida – se não amassava o Tricolor, pelo menos fazia um jogo parelho. No entanto, o segundo ponto de virada da peleja aconteceu apenas aos 15’, quando o treinador colocou Pequi e Jacaré no lugar de Djonatan e Peter.

As mudanças deram mais mobilidade ao setor de criação e, por consequência, mais chances foram criadas. Aos 16’ Amaral cruzou e Juliano chegou chutando, Ge se atrapalhou mas defendeu; Na segunda oportunidade, aos 24’, o gol saiu em uma jogada que contou com a participação dos suplentes: Jacaré tocou para Luan, que cruzou rasteiro da direita  e Achou Pequi no meio da área; o atacante bateu forte no meio e fez o segundo.

O camisa 20 colocou na rede novamente aos 38’, mas o assistente assinalou impedimento – lance que gerou reclamação por parte do elenco visitante. Porém, aos 40’, a chance do empate apareceu: após escanteio da direita, Piter deu uma cotovelada em Russo dentro da área. O árbitro José Mendonça da Silva Junior, que estava de frente para o lance, não hesitou em marcar pênalti e expulsar o volante do Capão. Jonas bateu e igualou o placar.

Faltando cinco minutos para o término do tempo regulamentar, parecia que o 3 a 3 era um resultado certo. Mas um jogo tão eletrizante como esse ainda teria um capítulo final. Aos 43’ Alan faz falta em Marcelinho. No minuto seguinte, Marcinho cobrou com maestria no ângulo direito, a bola passou por cima da cabeça de Massai e encontrou a rede.

Aí o registro do último segundo antes do estádio vir abaixo com o gol de Marcinho (Foto: Dudu Nobre)
O José Carlos de Oliveira Sobrinho pulsava. Após deixar o rival empatar um jogo que parecia ganho, o Tricolor teve forças para não deixar a vitória escapar. Final de um dos melhores embates da temporada, Capão Raso 4, Santa Quitéria 3.

O resultado fez com que o Capão ultrapassasse o Quitéria na tabela, chegando a sexta posição com 14 pontos. O Auriverde caiu para a sétima colocação com 12, ainda tem quatro pontos de “gordura” no G8 mas terá uma sequência difícil nas duas últimas rodadas (Trieste em casa e Novo Mundo fora), o que liga o sinal de alerta nos lados do Maurício Fruet.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 

CAPÃO RASO: 1 Ge; 2 Felipe, 3 Couto, 4 Jean e 6 Go; 5 Piter, 8 Juarez, 7 Feijão (14 Marcinho) e 10 Roney (15 Italo); 11 Marcelinho (17 Lincoln) e 9 Diego. Técnico: Junior Saurin.

SANTA QUITÉRIA: 1 Jonas; 2 Luan, 3 Gustavo (16 Amaral), 4 Carlinhos e 6 Badé (14 Lima); 5 Russo, 7 Jean (17 Alan), 8 Juliano (19 Matheus) e 10 Massai; 11 Djonatan (18 Jacaré) e 9 Peter (20 Pequi). Técnico: Ary Marques.

FICHA TÉCNICA: CAPÃO RASO 4 X 3 SANTA QUITÉRIA XXXXXXXXXXXXX
ARBITRAGEM: José Mendonça da Silva Junior.
ASSISTENTES: Alexsandro Eusebio da Silva (1) e Jonathan Evers Dias (2).
GOLS: Diego aos 25’, 34’ e 38’ do 1°T; Marcinho aos 43’ do 2°T (Capão Raso); Peter aos 12’ do 1°T; Pequi aos 24’ e Jonas aos 41’ do 2°T (Santa Quitéria).
AMARELOS: Juarez e Piter (Capão Raso); Jonas e Luan (Santa Quitéria).
VERMELHO: Piter (Capão Raso).


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO