Bangú volta a vencer no certame e sai na frente no primeiro duelo com Tanguá


Bangú e Tanguá jogaram na tarde de ontem (7), no Estádio Octávio Silvio Nicco, em confronto válido pela primeira partida da fase de quartas de final da Divisão de Acesso do futebol amador de Curitiba. Em um confronto bastante equilibrado na primeira etapa, em que a bola parada colocou o escrete do Bangú na frente, e por isso, o segundo tempo foi de mais tranquilidade para os donos da casa e de um banho de água fria para o Tanguá, que levou gol nos minutos iniciais do segundo tempo e se complicou no restante do jogo.


#SUBURBANA
Por @rafaelbuiar

PRÉ-JOGO: A equipe do Bangú chegou ao embate de ida da fase de quartas de final um pouco menos badalada do que no início do certame, já que nas duas últimas partidas perdeu e o time campeão da Copinha de 2017 ficou em cheque. Mas pelos resultados, com a derrota do Urano diante o Fortaleza, garantiu a classificação. Diferente do escrete do Tanguá, que na reta final da primeira fase conseguiu triunfos importantes e conseguiu terminar como líder do seu grupo. Ou seja, as duas equipes foram ao Estádio Octávio Silvio Nicco em momentos diferentes.

PRIMEIRO TEMPO: Os primeiros minutos do duelo foram de um Tanguá mais ofensivo e envolvente. Mas aos poucos, o time do Bangú foi respondendo e que seria diferente. Em pouco menos de 6’, Luizinho, artilheiro do certame, deu o primeiro arremate a meta do goleiro Jansen. Na primeira tentativa, o camisa 1 do Tanguá venceu.

Minutos depois, com o gramado pesado, o zagueiro Samuca saiu lesionado e Merci entrou no seu lugar. Mesmo com a saída do zagueiro, a equipe do Bangú manteve o ritmo e pressionou o Tanguá. Aos 18’, em jogada rápida, Ronan recebeu após troca de passes entre Valdir e Luizinho e no momento da conclusão, o lateral direito foi travado pelo sistema defensivo do Tanguá. O caminho da direita foi muito acessível para o time do Bangú, já que Ronan estava livre e abusado. Foram pelo menos duas tentativas com perigo a meta do arqueiro Jansen, com 20’ de jogo.

Atento no sistema defensivo, o time do Tanguá ficou esperto e passou a atacar também. Dentre os lances, destaque para cobrança de falta, que foi originada em jogada de contra-ataque. Na cobrança, Daymon cruzou na área e Santana cabeceou firme. Mas Ricardo salvou a pátria aos 23’ com ótimo reflexo. A partir deste lance, o time da casa passou a ficar nervoso e o sistema defensivo bateu cabeça. Momento em que alguns cartões amarelos foram aplicados e com isso, o embate ficou travado e bastante faltoso, já que a o gramado não deixou a bola rolar.

Devido a isso, a alternativa para o time do Bangú foi investir em jogadas alçadas à área para o camisa 9 do Bangú. Porém, Luizinho ficou algumas vezes adiantado e por isso não resultou em perigo de gol, já que o sistema defensivo do Tanguá jogou em linha.

Nos minutos finais, com o embate bastante truncado, a bola parada foi a alternativa para ambas as equipes. Não deu outra, depois de toque na mão na lateral direita, Joãozinho aproveitou a chance e aos 34’ arrematou de longa distância e a bola foi direto no fundo da rede do arqueiro Jansen, que teve a sua visão encoberta pelos seus companheiros. O gol deu ânimo para o time da casa, que minutos depois ficou mais presente no sistema defensivo do Tanguá. Destaque para Chuchu que quase ampliou aos 37’. Mas sem sucesso, já que o jogo persistiu até os 46’ e com o placar de 1 a 0 para os donos da casa.



SEGUNDO TEMPO: No retorno para a etapa complementar, a equipe do Bangú fez alteração na sua equipe.  Foca saiu e no seu lugar entrou Leonardo. O troca-troca deu resultado, pois nos primeiros minutos a equipe do Bangú chegou com lance de bola parada. Mas o camisa 1 do Tanguá segurou firme desta vez. Minutos depois, o time do Tanguá quase conseguiu o gol do empate, mas o volante Edmar salvou na hora da conclusão de Fernando.

Na sequência, em ótima trama pelo lado esquerdo, o time do Bangú deu um banho de água fria na equipe do Tanguá. Joãozinho cruzou e Luizinho antecipou-se do zagueiro do Tanguá e de chapa marcou o segundo do escrete do Bangú e colocou mais uma na artilharia do certame, aos 5’ da etapa complementar. Com dois no placar, o time do Bangú ainda continuou a assustar o goleiro Jansen. Aos 7’, Joazinho cobrou falta na meia lua e o camisa 1 do Tanguá fez ótima defesa e evitou o terceiro gol da equipe da casa.

Aos 19’, após cruzamento de Chuchu, a bola bateu na canela do zagueiro do Tanguá e sobrou de frente para o estreante da tarde, o atacante Julianinho, que não conseguiu pegar em cheio e desperdiçou ótima oportunidade para ampliar o placar no Octávio Silvio Nicco. Percebendo o maior volume de jogo da equipe do Bangú, o treinador Antonio Marco orientou a sua equipe a arriscar de longe. Não deu outra, Taubaté ouviu e quase surpreendeu o arqueiro Ricardo, que conseguiu desviar para escanteio.

Desde então, foi uma pressão da equipe do Tanguá. Mas por outro lado, o time do Bangú com um defesa bem postadas não cedeu espaços e ficou firme só esperando o contra-ataque ideal. Mas não durou por muito tempo, já que minutos depois o time do Bangú passou a segurar a bola no campo de ataque até o apito final do etapa complementar e consequentemente segurar o 2 a 0 no placar.


Com a vitória diante o escrete do Tanguá, a equipe comandada por Jefferson Silveira tem a vantagem do empate no jogo de volta. Enquanto que o time do Tanguá terá que vencer para levar a decisão para às penalidades.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

BANGÚ: Ricardo; Ronan, Paulo Sérgio, Samuca (Merci) e Xuxu; Edmar, Foca (Leonardo), Valdir e Joãozinho; Julianinho (Romarinho) e Luizinho (Neguinho). Tec. Jefferson Silveira.

TANGUÁ: Jansen; Joilson, Rodrigo, Santana e Pezão (Sérgio); Sauro, Daymon (Taubáte/Diego), Fabinho e Alisson (Leandro Silva); Fernando e Luzinho (Matheus). Tec. Antonio Marcos.

FICHA TÉCNICA – BANGÚ 2 X 0 TANGUÁ XXXXXXXXXXXXXXXX

Árbitro: Eduardo Elias Melek
Assistentes: Daniel Cotrim de Carvalho e Tom Gomes Rocha
GOLS:  Joãzinho aos 34’ do 1° tempo e Luzinho aos 5’ do 2° tempo (Bangú)

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO