Atlético pressiona, mas é derrotado pelo Atlético Mineiro na Baixada



Foto: Gabriela Jahn/Do Rico ao Pobre

Na noite do último domingo (01), o Atlético recebeu o seu xará mineiro, buscando se reaproximar da zona de classificação da Libertadores. O Furacão começou melhor, com mais posse de bola e criando a expectativa de mais um bom jogo atleticano. Mas um gol de Robinho na primeira etapa deixou o escrete paranaense nervoso, que se recuperou na segunda etapa, pressionou, mas não marcou. Coube a Robinho fazer outro e definir o resultado final na Baixada. 


#BRASILEIRÃO
Por @gabrielsawaf

PRÉ-JOGO: O Furacão entrou em campo querendo voltar a pensar em Libertadores. Após a derrota diante do Santos, o Atlético se afastou um pouco do G6, mas, com o título do Cruzeiro na Copa do Brasil, a zona de classificação virou G7, apenas uma posição e três pontos separavam o Rubro Negro do Flamengo, sétimo colocado até então. O Galo vivia uma situação oposta. O escrete mineiro estreava Oswaldo de Oliveira no comando e buscava se afastar da zona de rebaixamento, a qual começou a rodada com apenas um ponto de distância. 

PRIMEIRO TEMPO: O escrete atleticano começou a partida tomando as ações, como já virou costume em seus jogos no comando de Fabiano Soares. As primeiras chegadas ofensivas foram bem travadas pela defesa mineira ou foram concluídas precipitadas. A primeira defesa do goleiro Victor foi apenas aos 14 minutos, após boa jogada individual de Jonathan. O Galo tentava fazer suas jogadas com a velocidade de Elias, Valdívia e Cazares. Mas foi com um contra ataque puxado por Fabio Santos que os mineiros assustaram. O lateral arrancou pelo meio e tocou para Fred, que chutou para segura defea 

O time visitante começou a gostar do jogo e começou a trocar mais passes no campo de ataque. Como resultado dessa pequena evolução mineira, a rede balançou. Valdívia cobrou escanteio, Thiago Heleno cortou e a bola sobrou para Robinho, que finalizou forte e balançou as redes, aos 21 minutos. Um clima de tensão se fez presente na Baixada e o Atlético tentou responder no campo. Dois minutos depois Jonathan fez boa jogada pela direita e cruzou para cabeçada de Ribamar, que foi por cima do gol. Aos 29 Lucas Fernandes também fez boa jogada pela direita e cruzou para Pablo, que testou para defesa tranquila de Victor. 

Os minutos finais da primeira etapa foram de muita tensão. A torcida protestava muito na arquibancada, principalmente contra a arbitragem. O Atlético se mostrava muito nervoso e também contava com a falta de inspiração de algumas peças importantes do elenco, como Pavez, Fabrício e Guilherme. A única finalização rubro negra foi com Pablo, aos 43 minutos, que cabeceou após cobrança de escanteio para fora. Sob muitas vaias, o Furacão saiu de campo para o intervalo. 
Robinho balançou as redes após 126 dias. (Foto: Gabriela Jahn/Do Rico ao Pobre).

SEGUNDO TEMPO: Fabiano Soares mexeu no Furacão no intervalo, colocando Felipe Gedoz, que teve seu nome cantado a partir dos 30 minutos da etapa inicial pela torcida, sacando Pablo. Apesar da alteração, quem voltou melhor foi o Galo. Logo no primeiro minuto Cazares fez boa jogada pela direita, entrou na área e chutou para fora. Os mineiros dominavam a posse de bola e não deixavam o Furacão jogar. A primeira chegada perigosa do Atlético foi aos sete minutos, após cobrança de escanteio fechada de Gedoz, que foi cortada por Victor. Vendo a inferioridade do seu escrete, Fabiano Soares mexeu novamente, colocando Sidcley no lugar de Lucas Fernandes. O escrete rubro negro voltou a ficar mais com a bola e tentava levar perigo ao gol mineiro. A pressão estava instalada, porém sem chances efetivas de gol. 

A falta de oportunidades obrigou Fabiano Soares queimar sua terceira alteração com apenas 17 minutos, colocando Matheus Anjos no lugar de Guilherme. Apesar da modificação na parte ofensiva da cancha, o Furacão assustou novamente só na bola parada. Aos 20 minutos Gedoz bateu falta da entrada área e a bola balançou a rede pelo lado de fora. O Atlético ficava mais com a bola e circulava com área, que estava fechada pela defesa alvinegra. Com a dificuldade de penatrar na grande área, o jeito foi arriscar de fora. Aos 24 minutos Matheus Anjos arriscou de longe e a bola passou por cima do gol de Victor. Aos 28 foi a vez de Gedoz pegar sobra de cruzamento pela direita, cortar pro meio e finalizar para grande defesa do arqueiro atleticano. 

A pressão crescia a medida que o jogo se aproximava do fim. E as chances aconteciam. Aos 30 minutos Matheus Anjos arriscou de fora da área e mandou pelo lado do gol. Aos 32 minutos Ribamar cruzou e Rosseto finalizou, a bola iria entrar se não fosse a cabeça salvadora de Alex Silva. Logo na sequência Thiago Heleno subiu mais alto na cobrança de escanteio e parou em um milagre de Victor. Na sequência, Wanderson subiu mais alto e testou para fora. O dilema de quem não faz leva valeu na Baixada. Thiago Heleno saiu jogando errado, a bola ficou para Cazares que tocou para Robinho, que só concluiu para matar o jogo e acabar com o jejum de 126 dias sem fazer gol. Após o segundo gol, os gritos de apoios viraram de protesto e a pressão virou nervosismo. A única chance atleticana foi com Gedoz, de falta, aos 44 minutos. E, sob muitas vaias, o Atlético voltou a ser derrotado na Baixada, após cinco jogos.

Agora o Atlético também fica de olho na zona de rebaixamento, a qual está quatro pontos a frente. O próximo compromisso do Furacão é só dia 11, diante do Atlético Goianiense, na Baixada. Já o Galo volta a atuar na próxima quarta (04) contra o Londrina, pela final da Copa da Primeira Liga.
Furacão pressionou na segunda etapa, mas não conseguiu marcar (Foto: Gabriela Jahn/Do Rico ao Pobre).
OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXX


ATLÉTICO: 12- Weverton; 02- Jonathan, 25- Wanderson, 44- Thiago Heleno e 87- Fabrício; 21- Pavez, 20- Rosseto, 92- Pablo (10- Felipe Gedoz), 23- Lucas Fernandes (8- Sidcley) e 17- Guilherme (55- Matheus Anjos); 09- Ribamar. Técnico: Fabiano Soares.

ATLÉTICO MINEIRO: 1- Victor; 29 Alex Silva, 3- Leonardo Silva, 30- Gabriel e 6- Fabio Santos; 21- Adilson, 8- Elias, 20- Valdívia (11- Otero) e 10 Cazares; 7- Robinho (99- Clayton) e 9- Fred (13- Rafael Moura) Técnico: Oswaldo de Oliveira.

FICHA TÉCNICA ATLÉTICO 0 x 2 ATLÉTICO/MG XXXXXXXXXXX

GOLS: Robinho aos 21’ do 1°T e aos 37' do 2ºT (Atlético/MG).

CA: Ribamar (Atlético); Robinho, Elias, Victor e Alex Silva (Atlético/MG)