[SUB 20] Cirúrgico, Coritiba dá o troco no Atlético e assume a ponta do Grupo E

Mosquito, artilheiro do campeonato com 7 gols, foi o único que balançou a rede (Foto:  Gabriel Sawaf)
Atlético e Coritiba se enfrentaram hoje (6) pela quarta rodada da segunda fase do Campeonato Brasileiro Sub 20. O Alviverde precisava do triunfo para não desgarrar do rival na tabela e, mesmo tendo um volume de jogo menor, foi eficiente para vencer por 1 a 0 e ultrapassar o rival. A Equipe DRAP esteve no Eco Estádio e fez algumas observações quanto aos futuros jogadores da principal dupla da nossa capital.

#BRSUB20
PRÉ – JOGO – A vitória da semana passada colocou o Atlético na liderança do grupo E com 7 pontos, enquanto que o Coritiba estacionou nos 4, mas se manteve na zona de classificação às semifinais. O Botafogo também tinha 4 pontos e jogava com o Grêmio fora de casa, buscando embolar de vez a chave.

O EMBATE - O Alviverde iniciou o jogo com uma postura mais recuada, raramente passando da linha intermediária na hora de marcar o Atlético. Os visitantes eram mais verticais e apostavam na velocidade dos pontas Marcelo e Demethryus para chegar à frente.

Foi do Rubro Negro a primeira chance da partida, aos 11’, quando Alexsander recebeu dentro da área e obrigou Arthur a fazer ótima defesa. No entanto a resposta alviverde foi certeira: Um espaço encontrado e a bola chegou para Matheus Bueno, que tentou o chute; a bola carimbou a defesa e sobrou nos pés de Mosquito, que abriu o placar aos 16’.

Mesmo com a desvantagem os visitantes seguiram com posse de bola, girando o jogo em busca de um espaço e criando as principais chances. Foram três grandes oportunidades antes do intervalo: aos 22’ Demethryus arriscou da entrada da área e parou em Arthur; aos 35’ Marcelo cruzou da direita e Murillo cabeceou na rede pelo lado de fora e; aos 43’ o camisa 1 interviu novamente quando Romércio jogou contra o patrimônio. O Coxa precisaria ter um melhor rendimento ofensivo para manter a dianteira do marcador.

O Time da  Casa buscava gols em estocadas rápidas (Foto: Gabriel Sawaf)
Na volta do intervalo as estratégias se mantiveram, mas o Rubro Negro passou a pecar no passe final – facilitando o trabalho dos zagueiros alviverdes. Tanto que a primeira vez que os visitantes conseguiram furar o bloqueio foi só aos 13’ quando Demethryus enfiou um bolão para Murillo, que driblou o goleiro mas perdeu o ângulo para o chute. A vantagem da marcação coxa branca se refletiu nas chances de gol, já que foram 20 minutos sem nenhum lance perigoso. Apenas aos 34’ uma nova chegada, quando Yuri recebeu na área e bateu pra defesa tranquila de Caio.

O Atlético respondeu aos 37’ com uma ótima enfiada de Guilherme para Leonardo Simas, que cruzou em cima da zaga, mas na sobra Marcelo se enrolou e facilitou a vida do goleiro. Mesmo precisando do empate, o time visitante não teve capacidade de finalização para construir o resultado. Prevaleceu a eficiência do Alviverde, que com a vitória ultrapassa o rival no saldo de gols. Já o Atlético caiu para a terceira posição com o triunfo do Botafogo sobre o Grêmio.

O Alviverde tem saldo +3, enquanto que Atlético e Botafogo tem +1 (Foto: Gabriel Sawaf)
CORITIBA – O time do experiente Sandro Forner teve como principal destaque a compactação. Jogando em duas linhas de quatro bem próximas, a gurizada Coxa Branca ficou atrás da linha intermediária, congestionando o setor de criação atleticano para forçar o adversário ao erro e armar contra golpes em velocidade. O gol antes dos 20’ de partida deu tranquilidade para a equipe manter tal estratégia até o apito final, passando alguns apuros no primeiro tempo, mas neutralizando o rival com precisão na segunda etapa.

FIQUE DE OLHO (Julio) – Se o Coxa é um time que preza por uma defesa forte e um ataque veloz, é fundamental que o elenco tenha um volante que saiba marcar e tenha qualidade no passe. Esse cara tem nome e sobrenome: Julio Rusch. O camisa 8 Alviverde tem nos lançamentos seu ponto forte, ligando rapidamente a jogada para as pontas. Além disso, tem bom preparo físico, já que constantemente estava na área defensiva para auxiliar na contenção e conseguia chegar à meia lua oposta a tempo de participar dos lances ofensivos.

O Atlético perde para os cariocas no número de gols marcados: 5 do Fogão contra 2 do Furacão (Foto: Gabriel Sawaf)
ATLÉTICO – O escrete comandado por Tiago Nunes gosta de ter a bola e não teve pressa para colocar o adversário na roda. A questão principal para que o revés acontecesse foi à capacidade de chegada à área. No primeiro tempo o Rubro Negro conseguiu furar a defesa alviverde e chegava com condições de arrematar ao gol. Na segunda etapa os buracos diminuíram e as jogadas quase sempre paravam na meia lua. O Atlético precisa de um jogador mais ousado no ataque, e ele está no banco de reservas: pelo que jogou nos dois clássicos, Julian merece a titularidade.

FIQUE DE OLHO (Breno) – A lateral é um problema crônico do elenco profissional do Atlético. Jonathan resolveu a parada pela direita, mas quando precisa de uma reposição Fabiano Soares coça a cabeça para decidir o substituto. No jogo de hoje Breno mostrou velocidade no apoio ofensivo e boa recomposição na defesa, tanto que nenhuma das poucas jogadas adversárias foi desenvolvida no setor dele. O lateral direito acabou saindo por ter levado uma bolada nos “países baixos”, mas deixou uma boa impressão aos poucos espectadores presentes.


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ATLÉTICO: 1 Caio; 2 Breno (13 Leonardo Simas), 3 Jacy, 4 Weverton e 6 Renan Lodi; 8 Riuler (14 Guilherme) e 5 Renzo; 7 Marcelo, 10 Alexsander (19 Jaderson) e 11 Demethryus (20 Julian); 9 Murillo (17 Victor Naum). Técnico: Tiago Nunes.

CORITIBA: 1 Arthur; 2 Moser, 3 Fernando, 4 Romércio e 6 Vinicius Araujo; 5 Vitor Carvalho, 7 Talysson (18 Fernando), 8 Julio e 10 Matheus Bueno (16 Romeu); 9 Indio (19 Yuri) e 11 Mosquito. Técnico: Sandro Forner.

FICHA TÉCNICA - CORITIBA 1 X 0 ATLÉTICO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ÁRBITRO: Jose Mendonça da Silva Junior
ASSISTENTES: Andre Luiz Severo (1) e Diego Grubba (2)

GOL: Mosquito aos 16’ do 1°T (Coritiba).

AMARELOS: Matheus Bueno (Coritiba); Guilherme, Victor Naum e Riuler (Atlético).
__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO