Operário vence Maranhão e retorna à Série C do Brasileirão

(Foto: Danilo Schleder)

Operário e Maranhão se enfrentaram na noite desta segunda-feira (14), em confronto válido pelo segundo jogo das quartas de final do Campeonato Brasileiro da Série D, no Estádio Germano Kruger. Com casa cheia, a equipe da casa não fez diferente e continuou invicta ao derrotar por 2 a 1 o escrete do Maranhão e depois de 24 retorna a Série C do Campeonato Brasileiro.

#SÉRIE D
Por @rafaelbuiar

PRÉ-JOGO:  O primeiro embate entre as duas equipes terminou com o placar a favor do escrete do Ponta Grossa, que venceu por 3 a 1 em Maranhão. Ou seja, placar favorável para ter um público cheio no Estádio Germano Kruger e com uma vantagem de podendo perder até por dois a zero. Do outro lado, o time do Maranhão que terá que ir para o ataque desde o princípio do jogo para diminuir a diferença e pelo menos levar às penalidades, mesmo com dois desfalques.

PRIMEIRO TEMPO: Com casa cheia, o embate iniciou com uma linda festa da torcida, que abusou da fumaça branca e no antes do primeiro minuto o árbitro paralisou o embate devido a visão estar encoberta. Minutos depois, a bola rolou novamente. Mesmo assim, a equipe da casa marcou em pressão e já dificultou a vida dos jogadores defensivos do Maranhão. Mas aos 11’, a equipe do visitante chegou a concluir em gol duas vezes, com arremates de longa distância.

Aos 13’, em ótima trama da equipe do Operário, a bola chegou nos pés de Lucas Batatinha depois do passe de Washington, que dominou e tirou do zagueiro. Mas na hora da conclusão se enroscou com a bola e perdeu ótima oportunidade de abrir o placar. Minutos depois, com o ataque pressionando, o escrete do Fantasma conseguiu uma falta próximo a meta de Rodrigo. Na cobrança, o camisa 11 cobrou e Peixoto antecipou do zagueiro e quase marcou aos 16’.

Próximo dos 30’ da etapa inicial, a equipe do Maranhão pouco chegou a meta do goleiro Simão. Enquanto que o time da casa, passou a jogar mais pelas laterais com Quirino e Athos. Mas sem sucesso. Mesmo assim, o lance de mais perigo aconteceu com Quirino pela direita, que cruzou para área, a zaga cortou e Washington chutou firme e por pouco não inaugurou o placar. Minutos depois, o time do Operário teve outra oportunidade. Desta vez com Athos, que chutou firme.

Nos minutos finais do primeiro tempo, o embate persistiu com um domínio da equipe da casa e com isso, mais posse de bola. Ou seja, o time do Operário frequentou mais o campo de ataque e sempre pelos flancos, com Danilo Baia e Quirino. Mas o sistema defensivo do Maranhão conseguiu suportar a pressão até os 49’, quando o árbitro encerrou o primeiro tempo.

(Foto: Danilo Schleder)
SEGUNDO TEMPO: No retorno para a etapa complementar, ambas as equipes entraram em campo com os mesmos jogadores que terminaram o primeiro tempo. Com bola rolando, a equipe da casa continuou com mais posse de bola, mesmo que a equipe do Maranhão tenha se arriscado em jogadas de contra-ataque. Enquanto que Lucas Batatinha foi o avante mais acionado nos primeiros minutos do segundo tempo.

A equipe do Operário continuou pressionando e aos 9’, o camisa 11 do Operário, Washigton, colocou Quirino de frente para o gol, que arrematou em diagonal e Rodrigo defendeu em dois tempos, aliviando para o escrete do Maranhão. Com 14’, a ansiedade da equipe de Ponta Grossa foi visível, pois chutou várias vezes a meta do Maranhão e sem paciência. Em todos os chutes, a zaga travou.

Próximo da metade da etapa complementar, o treinador Gérson Gusmão promoveu a primeira mudança na equipe da casa. Saiu Athos e no seu lugar entrou Robinho. Não deu outra, aos 24’ Lucas Batatinha recebeu em bola rápida do camisa 20 (Robinho) e o atacante, próximo da meia lua, chutou na saída do arqueiro Rodrigo e abriu o placar no Germano Kruger. Com 36’, em ótima trama de Jean Carlo e Peixoto, que cruzou e o atacante Schumacher deu uma letra certeira. Mas o camisa 1 do Maranhão fez ótima defesa. Aos 37’, em contra-ataque rápido do escrete visitante, Marcelo, que entrou a pouco, aproveitou o erro do sistema defensivo e empatou a partida.

Nos minutos finais, o embate ficou movimentado e aberto. Após os troca-trocas das duas equipes, as laterais passaram a ser mais frequentadas por ambos os times. Sorte do Operário, que após boa troca de passes, Schumacher fez o pivô dentro da área e Jean Carlo arrematou sem chance para Rodrigo segurar, desempatando a partida aos 40’ da etapa complementar. Depois do segundo gol, a equipe do Fantasma só esperou o apito final para comemorar o acesso à Série C do Campeonato Brasileiro.

(Foto: Danilo Schleder)

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

OPERÁRIO: 1. Simão;2. Danilo Baia, 3. Alisson, 4. Sosa e 6. Peixoto; 5. Chicão, 8. índio, 7. Quirino (19. Schumacher)e 11.Washigton; 10. Athos (20. Robinho) e 9. L.Batatinha (21. Jean Carlo). Téc. Gerson Gusmão

MARANHÃO: 1. Rodrigo; 2. Michel, 3. Ramon, 4. Yuri e 6. Lucas; 5. Sandro, 7. Rômulo (Marcelo), 8. Eloir e 10. Adauto (16. Igor); 18. Gileard (15. Emerson) e 9. Naoh. Téc. Ruy Santos

FICHA TÉCNICA – OPERÁRIO 2 X 1 MARANHÃO XXXXXXXXXXXXXXX

Gol: Lucas Batatinha e Jean Carlo (Operário) e Marcelo (Maranhão)
CA: Quirino (Operário) e Eloir (Maranhão)
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes: Miguel Ribeiro da Costa (SP) e Daniel Paulo Ziolli (SP)


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO