Operário perde em casa na estreia da Taça FPF diante do ACP

(Foto: Danilo Schleder)

Operário e Paranavaí duelaram nesta quinta-feira (17), em confronto válido pela quarta rodada da Taça FPF, no Estádio Germano Kruger. Com um público inferior ao da última segunda-feira (14) e com um time diferente, o time do Operário não conseguiu o suficiente para conquistar uma vitória diante o Paranavaí, que faturou o primeiro triunfo na competição.

#TAÇA FPF
Por @rafaelbuiar

PRÉ-JOGO: Após a euforia da classificação para à Série C do Campeonato Brasileiro de 2018, a equipe do Operário irá utilizar a Taça FPF para testar jogadores. Por isso, a estreia do Fanstama na competição aconteceu somente na quarta rodada e com muitas caras novas. Enquanto que o Paranavaí chegou em Ponta Grossa querendo a primeira vitória na competição, pois de três jogos disputados ganhou apenas um ponto.

PRIMEIRO TEMPO: A equipe da casa começou timidamente com a troca de passes no sistema defensivo, estudando o adversário e aos poucos tomou a iniciativa no embate. O primeiro arremate aconteceu com 3’ após bela troca de passes entre o meio de campo e o ataque do Fantasma. Destaque para o arremate de Glenisson. Mas minutos depois, em jogada de contra-ataque o camisa nove do vermelhinho e após triangulação rápida no meio de campo, Jackson conseguiu deixar o zagueiro e concluir sem chances para o goleiro Ravel, aos 4’ da etapa inicial.

Mesmo após o gol, a equipe do Operário continuou com mais volume de jogo. Ou seja, procurando mais a meta do arqueiro Romero. Mas a força diminuiu próximo dos 15’, em que o escrete do Paranavaí forçou a marcação e dificultou a vida dos homens de criação do Fantasma. Porém, aos 18’, depois de um bate rebate dentro da área, o volante Erick arrematou de fora da área e acertou um forte chute e empatou o confronto. Sem chances para o goleiro Romero.

Próximo dos 30’, a equipe do Operário retomou com a posse de bola e passou a controlar as ações do confronto. Destaque para as jogadas no lado esquerdo, local onde iniciou vários ataques do Fantasma. Dentre eles, Murilo perdeu grande chance ao ficar de frente com Romero, pois perdeu o tempo da conclusão e a chance de desempatar o placar no Germano Kruger.

Nos minutos finais, a pressão continuou e o camisa 8 do Operário recebeu em jogada do meio de campo e ficou de cara com o goleiro Romero. Erick deu a ‘cavadinha’ e a bola passou próximo a trave do arqueiro do ACP. Com a chance desperdiçada pelo escrete do Operário, o embate caiu de produção, já que o Fantasma não conseguiu chegar a meta novamente de Romero. Enquanto que do outro lado, o Vermelhinho com muita dificuldade também não conseguiu furar o bloqueio alvinegro. Por isso, a primeira etapa terminou com o placar empatado.
                                        
(Foto: Danilo Schleder)

SEGUNDO TEMPO: No retorno para a segunda etapa, os dois escretes voltaram com os mesmos jogadores que terminaram a primeira etapa.  Não muito diferente com a bola rolando, o escrete do Operário com mais posse de bola, frequentou mais o campo de ataque. Porém, teve bastante dificuldades ao entrar na área. O mais próximo que o Operário chegou nos primeiros minutos da etapa complementar foi um chuveirinho com bola parada, mas sem sucesso.

Aos 9’, o time do ACP conseguiu chegar pelo lado esquerdo e a jogada só foi parada com falta dentro da área. Ou seja, pênalti. Jackson cobrou e converteu o segundo da noite e do vermelhinho, aos 10’ da etapa complementar. Após o segundo gol do Paranavaí, a equipe do noroeste do estado ficou mais solta e conseguiu chegar novamente com Jackson aos 17’.  Mas desta vez, Ravel esteve bem postado debaixo do poste e defendeu.

Passados da metade da segunda etapa, o jogou voltou a ter mais posse de bola do Fantasma e com isso, várias faltas aconteceram a favor do time da casa. Destaque para a jogada entre Murilo e a conclusão de Glenisson, que passou perto a meta de Romero, aos 22’. Mesmo assim, com a chance perdida, o time do Operário jogou em contra-ataque rápido. Por isso, os espaços ficaram abertos para os contragolpes do Vermelhinho.

Ao desenrolar do embate, as jogadas passaram acontecer somente no meio de campo. Com o escrete do Operário tentando furar a marcação e o time do vermelhinho marcando firme, sem deixar espaços. Ou seja, jogo travado e com muitas faltas. Devido a isso, vários cartões amarelos foram aplicados para ambas as equipes. Ou seja, não evoluiu muito e placar persistiu em 2 a 1 para o Paranavaí até o apito final do árbitro

(Foto: Danilo Schleder)


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

OPERÁRIO: Ravel; Paulo Henrique, Alexandre, Matheus do ó e Wembley (Fred Saraiva); Thalles (Juninho), Erick, Cristian e Murilo; Glenisson e Diego. Tec. Joel Preinser

ACP: Romero; Brenno, Mateus, Souza e Davi; Alessandro, Nicolas (Brayan), Luis Eduardo e Luis Felipe; Jackson e Edrean. Tec. Chicletão

FICHA TÉCNICA – OPERÁRIO 1 X 2 PARANAVAÍ XXXXXXXXXXXXXXX

Gol: Jackson aos 4’ do 1º tempo e aos 10’ do 2º tempo (ACP) | Erick aos 18’ do 1º tempo (Operário)

CA: Matheus, Davi, Nicolas, Souza (ACP) | Glenisson, Murilo (Operário)


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO