OFEC vence a Lusinha e conquista primeira vitória pela Taça FPF em casa


Ontem (23) o time do Operário enfrentou a Portuguesa Londrinense no Estádio Germano Kruguer, em jogo válido pela 1ª rodada (adiado) da Taça FPF e conquistou o triunfo por 1 a 0. Com o feito, o Operário consegue a primeira vitória no campeonato e, mesmo com 2 jogos a menos, passa a Portuguesa e o Andraus na tábua de classificação. O próximo jogo do Operário acontece no sábado (26) contra o Foz do Iguaçu, fora de casa. Já a Lusa enfrenta o Maringá domingo, no Estádio do Café, em Londrina.

#TAÇA FPF

PRÉ-JOGO: O Operário sub-23 iniciou há uma semana seus jogos pela Taça FPF e por isso, pelo pouco tempo em campo o escrete alvinegro ainda demonstra certa dificuldade de entrosamento. Já o time da Portuguesa vem de três derrotas e saldo de gols negativo na competição. A equipe de Londrina chegou ao Estádio Germano Kruger minutos antes do início da partida por conta de problemas com o ônibus que levava os jogadores. Com o atraso da equipe da Lusa, os atletas não conseguiram aquecer e apresentaram dificuldades físicas no decorrer da partida.

PRIMEIRO TEMPO: Nos primeiros minutos de jogo o time da Portuguesa Londrinense demonstrou grande dificuldade de conquistar espaço e passar o meio de campo. Por outro lado, o fantasma optou por trabalhos de passes e jogadas individualizadas. Thalles, que normalmente atua como volante, assumiu a posição de lateral esquerda devido às ausências no escrete e cometeu duas reversões ainda no primeiro tempo.

Aos 13’, Paulo Henrique cruzou para Glenisson que cabeceou e acabou dividindo com o zagueiro da portuguesa pressionando a equipe adversária. Com dificuldade no ataque, a Portuguesa só conseguiu chegar à área do time da casa com quase 15 minutos de jogo. Yuri fez a cobrança de falta, mas a bola passeou pelo gramado e saiu pela linha de fundo. Minutos depois, Thalles bateu de pé direito e quase marcou o primeiro gol da partida.

Na metade da primeira etapa, o embate teve o primeiro cartão, que  foi para Éder depois da falta cometida em cima do camisa 11 do Operário Ferroviário, Cristian. Em poucos instantes, o mesmo jogador da Portuguesa Londrinense recebeu mais um cartão no contra ataque de Glenisson e foi expulso da partida. Com um jogador a menos, o Fantasma conseguiu criar muitas chances, mas a marcação intensa e as dificuldades de finalização fazem com que o time sub 23 fique apenas na vontade. Alexandre dominou, lançou para Diego que tentou ajeitar para uma jogada talentosa, mas desequilibrou e perdeu a bola.

Mesmo assim, nos minutos finais da primeira etapa, o time do Operário chegou em cobrança de escanteio e aos 48’, Glenisson cobrou falta fazendo o ultimo ataque do operário ferroviário, mas sem sucesso o time encerra o primeiro tempo sem garantir a marcação do primeiro gol.


SEGUNDO TEMPO: Voltando para o segundo tempo sem vantagem, a equipe da Portuguesa Londrinense conseguiu melhorar o trabalho em campo, mas ainda voltada muito mais à marcação. Logo no início, bola frontal de Murilo, que definiu a primeira grande defesa do goleiro da Lusa na volta. O voleio no rebote de Diego marcou mais uma grande chegada do time alvinegro que a defesa do adversário não deixa passar e comemora.

Isso se repete no contra ataque de Fred Saraiva, que consagrou a terceira oportunidade perdida do escrete operariano nessa etapa. Com a pressão do time da casa, o gol foi questão de tempo. Ou seja, bola na área aos 21’ e o árbitro marcou penalidade máxima para o Operário Ferroviário. Diego bateu o pênalti e converteu em gol.

Desequilibrado, o árbitro teve que tirar mais um cartão vermelho do bolso. A segunda expulsão aconteceu após reclamação exagerada e atitudes agressivas. Cartão vermelho para o camisa 9 da Portuguesa, Moura. A partir disso, com dois jogadores a mais o Operário ditou o ritmo da partida. Na marca de 35’, Diego se precipitou e chutou com força para fora do campo. Com as oportunidades perdidas, os times encaminharam aos momentos finais. Mesmo assim, a equipe do fantasma teve dificuldades na marcação mesmo com mais jogadores em campo. Em meio a isso, Cristian conseguiu fazer jogada ousada e acertar o travessão.

Faltando menos de um minuto para encerrar o tempo regular da partida, o técnico da Lusa ainda arriscou uma alteração no time. A medida se repetiu durante os acréscimos quando mais uma substituição é feita na equipe da Portuguesa, mas as mudanças não foram suficientes para reverter o resultado. O último lance da partida é comandado novamente por Glenisson, que cobrou falta, mas não conseguiu ampliar o placar. Fim da partida com 1 a 0 para o Operário Ferroviário.


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

OPERÁRIO: Matheus, Paulo Henrique, Alexandre, Wembley, Erick, Thalles, Fred Saraiva, Murilo (Juninho), Diego (João Vitor), Glenisson, Cristian. Tec. Joel Preinser

PORTUGUESA LONDRINENSE: Everton; Éder, Henrique, Anderson, Germano, Moretto, Wendell, Lincon (Patrique), Moura, Yuri (Guibinha) e Iago (Gabriel). Tec. Renan Felipe

FICHA TÉCNICA – OFEC 1 X 0 PORTUGUESA XXXXXXXXXXXXX

Gol: Diego aos 21’ do segundo tempo.
CA: Gabriel, Moretto, Éder e Moura (Portuguesa) Cristian, Alexandre e
Paulo Henrique (Operário)
CV: Éder e Moura. (Portuguesa)
Arbitro: Luis Alexandre Fernandes
Público e Renda: Pagante: 200 | Total: 238 e R$ 2100, 00.

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO