Seleção "Do Rico ao Pobre" da Taça Paraná 2017


A quinquagésima quarta edição da Taça Paraná de Futebol Amador teve seu capítulo final no último domingo (2) no estádio Ângelo Antônio Cavalli, com o escrete do Fanático levantando o caneco após vencer o Iguaçu nos pênaltis por 3 a 2. O certame deste ano teve mais de 30 jogos dentre as oito equipes participantes, com centenas de jogadores. Dentre eles, os integrantes do site Do Rico ao Pobre pegaram suas pranchetas e montaram o esquadrão de ouro com os principais atletas da competição.


#SELEÇÃO DRAP
Por @DoRicoaoPobre

A Taça Paraná de 2017 iniciou lá atrás, no longínquo 9 de abril, e percorreu um caminho emocionante até o segundo dia do mês de julho. Ao todo foram quase três meses com exatos 34 jogos e 85 dias corridos para o certame de 2017, que neste ano teve um regulamento um pouco diferente em relação ao ano anterior pelo fato de ter o dobro de equipes – o que, convenhamos, é uma benção. As mudanças foram o turno único na primeira fase ao invés de ida e volta e a inserção de uma etapa semifinal antes da decisão.

A Seleção DRAP é formada por atletas dos quatro semifinalistas do torneio e vem numa formação mais ousada, com um "trivote" de armação que faz parte de um 4-1-3-2. Com uma campanha constante ao longo do campeonato, o Tricolor da Baixada foi quem mais emplacou atletas na nossa equipe, com um total de cinco jogadores: O goleiro Jonas, o zagueiro Baloy, o lateral Marabá, o meio campista Massai e o atacante e artilheiro da Taça, Clênio. Na sequência vem o vice campeão Iguaçu, time de melhor defesa, com três representantes: o  lateral Luisinho Netto, o zagueiro Emerson e o volante Helton.

Com dois jogadores vem a surpresa do campeonato, o Atalanta de São José dos Pinhais. Da terra do avião escolhemos o meia Jader e o atacante Romarinho. Para completar a seleção, o meia Bitoca representa o Bonato de Campo Largo. Para comandar esse baita elenco, escolhemos o técnico Leandro Chibior, que comandou o Fanático ao título.

A equipe DRAP também escolheu o meia do Atalanta Jader como revelação do campeonato, não pela idade, mas porque passou a ser conhecido após o desempenho na competição. O craque do campeonato também é meia: Massai, o “dez e faixa” do Leão da Baixada.


Concorda? Discorda? Trocaria alguém? Mudaria a tática? Solte a sua voz nos comentários...

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO