Juninho: O Bom Filho a casa torna


Aos 36 anos, o goleiro Juninho toma uma decisão ousada para os padrões atuais do futebol. Após disputar o Paranaense e o Brasileirão da Série D pelo Foz do Iguaçu, o jogador resolve voltar ao bairro onde nasceu para vestir a camisa do Operário Pilarzinho na Suburbana 2017. A motivação não é “tirar uma graninha” do clube, mas retornar às raízes que lhe ajudaram a construir uma carreira profissional, e isso é o que mais impressiona.

#ENTREVISTA

Juninho pode não ter tido uma carreira de superstar como outros atletas que já passaram pelo futebol amador de Curitiba (Gabiru, Renaldo, Alex Mineiro...), mas viveu bons momentos em campo. Criado na base do Coritiba, o arqueiro teve passagens por Botafogo de Ribeirão Preto, Central de Caruaru, Vila Nova, Caxias, entre outros clubes. Um dos momentos mais marcantes de sua trajetória foi em 2007, quando defendia o Gama e eliminou o Vasco da Copa do Brasil em pleno Maracanã. De quebra, evitou que um certo baixinho chegasse ao milésimo gol.


Dez anos depois e com uma estrada bem pavimentada no mundo do futebol, Juninho chega a um Pilarzinho que está construindo um novo caminho, como conta o Diretor Executivo Leandro Andrade. “A torcida pode esperar um clube transparente, com pessoas que arregaçam as mangas pra mostrar a importância do Operário Pilarzinho no cenário do futebol amador”.

O presidente Gingo ressalta a importância de ter um jogador como Juninho no plantel. “Ele veio junto com outros reforços que a gente trouxe pra fortalecer o elenco. O amador hoje é um semi profissional, se você não se preparar adequadamente só vai levar bucha”.

Confiante, o novo reforço do Pilarzinho enalteceu o elo que tem com o bairro.


Independente do resultado do Tricolor de Bortolo Gava na Suburbana 2017, Juninho já é um vencedor por nos relembrar que no futebol é possível seguir o coração. Afinal, amador é aquele que ama.


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO