“No embalo de sábado à tarde”, Coritiba vence o clássico Atletiba com placar magro


Coritiba e Atlético-PR jogaram ontem (3) no Estádio Major Antonio Couto Pereira, em confronto válido pela 4ª rodada do Campeonato Brasileiro – Série A de 2017. Quem esteve presente pode acompanhar mais um jogo com pouca emoção, já que dentro de campo as equipes se respeitaram demais e quase repetiram o placar da final do Paranaense no jogo de volta. Mas o zagueiro Márcio do Coritiba mudou a trama e marcou o único gol do Atletiba. O resultado coloca a equipe alviverde entre os primeiros colocados na tábua de classificação.

#BR SÉRIE A 2017

PRÉ-JOGO: Clássico é clássico, certo? Certo! O maior otimista diria que este jogo seria épico pelo que ambas as equipes vem mostrando nos últimos jogos. Fora de Campo um torcedor apaixonado, incansável e alegre, quem viu o torcedor animado por conta dos últimos resultados, pensou que teríamos um jogão de bola. De um lado o Atlético; libertadores e copa do Brasil e a cabeça um pouco distante do brasileirão no momento. Do outro lado o badalado Coritiba, com a cabeça somente no brasileiro. A equipe do técnico Pachequinho vem mostrando um ótimo futebol, sendo até elogiada em programas de televisão e por técnicos experientes e com muita propriedade na fala.

No início do confronto, o clima ajudou. O sol mostrou as caras e até fez um calorzinho gostoso, mas depois o frio chegou e não quis ir embora. Com um horário que não agradou o torcedor de ambas as equipes. Também pudera, no mesmo momento em que a bola rolava no AtleTiba, Real Madrid e Juventus jogavam em Cardiff na final da Champions League. Paciência! Quase 17 mil torcedores compareceram e estragaram os planos da dita “Dona do futebol brasileiro”.


PRIMEIRO TEMPO - Vamos ao jogo! Com a bola rolando, o que vimos nos primeiros minutos foram as duas equipes se estudando e tentando achar uma brecha para abrir o marcador. Aos 3’, o jogo começou a ficar truncado e as faltas começaram a surgir. Aos 7’, o Atlético em ótima cobrança de falta, assustou o goleiro Wilson, que viu a bola passar a área toda sem encostar em ninguém e ir a linha de fundo. Com 10’, Neto Berola levantou a torcida alviverde, em disparada com a bola após lançamento recebido na lateral deixando o marcador no chão, já na área ele corta o zagueiro e no chute a bola explode na perna do defensor.

Animado, logo depois, aos 12’, novamente Berola fez um lançamento na área e no choque com o atacante o goleiro Weverton levou a melhor afastando o perigo da área rubro negra. Com mais volume de jogo, o escree do Coritiba continuou a incomodar o Atlético-PR. Em cobrança de falta aos 14’, Tomás Bastos arrancou o “Uuuhh” da torcida, emendando um belo chute do meio da rua e a bola raspou a rede pelo lado de fora.

Após o sufoco, o time do Atlético-PR conseguiu respirar. Pois saiu em direção ao ataque e obrigou o arqueiro Wilson a fazer grande defesa aos 23’. Logo após, aos 30’, o xerife atleticano Thiago Heleno fez um cruzamento com endereço certo e Wilson assistiu a bola ir em direção à rede e fez uma bela ponte, espalmando com a mão trocada novamente, salvando o verdão. Empolgado, novamente o Atlético subiu o ataque, fez triangulação e no chute a bola tirou tinta do travessão assustando o torcedor do coxa. Até então, o atacante Grafite, totalmente desaparecido no jogo, apareceu aos 36’ devolvendo uma bola recebida dentro da área, na finalização o companheiro é travado e não finalizou.

Com 39’ de bola rolando, o jogo seguiu equilibrado com poucas chances claras de gol. O Coritiba com dificuldades de domínio e muitos passes errados, dificultando a subida ao ataque, enlouquecendo o torcedor e o técnico Pachequinho. Já o Atlético, esbarrou na forte marcação da linha de defesa alviverde que sempre deixou o ataque em impedimento fazendo também o técnico Eduardo Batista perder a paciência. Assim, com 45’ cravados, o árbitro encerrou o primeiro tempo com alguns torcedores emburrados Por conta do péssimo desempenho em campo de ambas as equipes.


SEGUNDO TEMPO - Na volta do intervalo os técnicos resolveram mexer no time, do lado Coxa Branca saiU Neto Berola aparentando um leve desconforto na coxa para a entrada de Rildo, o autor do gol de letra do último jogo do Coritiba. Pelo lado Atleticano saiU o cansado e sem ritmo nenhum o atacante Graffite, para a entrada de Ederson, numa tentativa de aumentar o volume de jogo e tapar o buraco deixado pelo atacante que não correu e nem dividia nas jogadas.

Logo no início do jogo Nikão arrancou pela lateral, ganhou do zagueiro alviverde e fez cruzamento para Ederson, que chegou chutando de frente para o gol e perdeu chance incrível de abrir o placar.  Mas do outro lado, o time do Coritiba iniciou o jogo pressionado e errando muitos passes. Mesmo assim, o time alviverde chegou à meta rubro-negra. Aos 4’, Kleber arriscou de fora da área rasteiro, mas sem muita dificuldade o goleiro Weverton defendeu. No minuto seguinte Weverton se esforça para não tomar gol após Boa jogada do coxa dentro da área. Aos poucos, a torcida do Coritiba foi percebendo e passou a empurrar nas arquibancadas do Couto Pereira.  Mas ainda sem muita emoção.

Com jogo morno, os técnicos decidiram mexer novamente. No Atlético-PR saiu Nikão para a entrada de Douglas Coutinho e do lado do Coritiba saiu Douglas para a entrada de Thiago Real. Em ambas as alterações, os treianadres colocaram jogadores para proporcionar mais volume de jogo e também na velocidade.  O troca-troca deu resultado, pois aos 16’, pelo lado alviverde, em uma cobrança de falta pelo lado direito campo de ataque, Tiago Real colocou a bola na cabeça de Márcio. O zagueiro subiu sozinho e desviou a bola que foi morrer no fundo das redes deixando Weverton sem reação. Não deu outra, com 20’ de jogo a torcida incendiou o Couto Pereira.  

Após o gol sofrido, o time do Atlético promoveu a entrada de Gedoz no ataque. A alteração colocou o time do rubro-negro mais ofensivo. Mas o atacante perdeu várias vezes a bola no ataque, matando as jogadas. Enquanto que os donos da casa, liderado por Kleber gladiador, estiveram tranquilos e mostrou superior, avançando e desmantelando a zaga rubra negra. Com o passar do tempo, nos minutos finais da partida, o Coritiba pouco criou e passou só a administrar o placar, mesmo com o torcedor querendo mais. O escrete alviverde e o time rubro-negro ainda tiveram mais 4’ de acréscimos, mas nada que alterasse o placar final no Alto da Glória. Fim de papo, 1 a 0 para o Coritiba.


ANÁLISE - No placar, Coritiba 1 a 0 Atlético-PR. Com 75% de aproveitando em quatro rodadas, o Coxa é o vice-líder do Brasileirão até o momento, com três vitórias em quatro jogos. Resultado que dá ao torcedor uma confiança, já pensando no próximo jogo em casa diante do atual campeão brasileiro, Palmeiras. Já o Atlético-PR está passando por mudanças e com a cabeça na Libertadores e Copa do Brasil.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

CORITIBA: Wilson; Dodô, Márcio, Werley e William Matheus; Alan Santos, M.Galdezani e Tomas Bastos (Thiago Real); Neto Berola (Rildo), Henrique Almeida (Jonas) e Kleber. Tec. Pachequinho

ATLÉTICO-PR: Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Matheus Rosseto (Felipe Gedoz) e Lucho González; Pablo, Nikão (Douglas Coutinho) e Grafite (Ederson). Tec. Eduardo Baptista.

FICHA TÉCNICA – CORITIBA 1 – 0 ATLÉTICO-PR XXXXXXXXXX

Gol: Márcio (Coritiba)

CA: Dodô, William Matheus e Matheus Galdezani (Coritiba) | Otávio e Pablo (Atlético-PR)

EM BREVE O ÁLBUM DE FOTOS DA PARTIDA XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO