Guerreiros do Amador são o grande destaque da rodada atrasada da Copinha


Na última quarta-feira (31), o Elba Pádua de Lima recebeu dois jogos atrasados da 5ª rodada, que foram adiados pela água que caiu no dia anterior a rodada, marcada para o dia 20 de maio. Por ironia do destino, uma forte chuva caiu na capital quarta-feira e o campo do Grêmio Ipiranga virou um lamaçal. Mesmo assim os guerreiros entraram em campo, merecendo nossos aplausos e garantindo uma figurinha especial no álbum de destaque do DRAP da temporada 2017.

#FIGURINHA DO JOGO


Imagine a situação: você joga por um time amador e atua por um campeonato que tem as rodadas somente no fim de semana. Até ai tudo bem, porque você consegue conciliar com as coisas da sua vida com sua paixão por jogar bola. Faltando um dia para o jogo da semana você recebe a informação que a partida foi suspensa pelas chuvas que caiam na cidade naquele dia e a peleja vai ser remarcada para um dia de semana, no qual você trabalha ou pode fazer outras coisas. Para deixar a situação ainda pior, você acorda no dia em que o jogo estava marcado e o dia está ensolarado, com totais condições de jogo. Passada uma semana e meia chega a hora de entrar em campo, tendo que sair do trabalho e pegar o carro para atuar, ou se virar para chegar a tempo no estádio. Um dilúvio cai na cidade e o gramado do estádio está completamente danificado por isto, além do que, as luzes não foram acessas para partida que começa em poucos minutos. O que fazer?

Foram essas as situações que passaram atletas do Nacional, Shabureya, Grêmio Ipiranga e Palmeirinha, na quarta-feira singular do futebol amador de Curitiba, com rodada dupla válida pela Copinha. Ao chegar ao Estádio Elba Pádua de Lima, os atletas das equipes do Boqueirão e do Ganchinho encontraram os refletores desligados e a dúvida se haveria o jogo ou não. Quem cuida do campo garantia que não teria jogo, pois o gramado não iria aguentar e, por isto, as luzes não estavam acessas. O boato que poderia não haver a partida revoltou os atletas, principalmente os do Shabu, que falavam na porta do vestiário que vieram para jogar, já que gastaram dinheiro e tempo para estar lá. Pelo lado Alviceleste, em meio a incerteza da realização do confronto, a comissão técnica ligava para confirmar a chegada dos atletas, que vinham um por um e eram comemorados pelo treinador quando adentravam o vestiário.

Faltando pouco mais de 20 minutos o árbitro foi até o campo, deu uma volta e confirmou: vai ter jogo. Os atletas do Shabu foram para o aquecimento com a luz apagada ainda. Quando os refletores se acenderam deu para ver o tamanho do estrago. O gramado estava totalmente coberto por lama e poças da água. Não havia condição de jogo, mas os times não tinham muita escolha. As equipes aqueceram rapidinho e foram pro jogo. Toda hora o técnico Alemão olhava para nossa equipe e falava “não da para ter jogo aqui”. A partida aconteceu na base do bumba meu boi e teve o fim com o placar de 1 a 0 para o escrete azulino.

Se já foi ruim para os times do Boqueirão e do Ganchinho, imagina para quem viria depois. A partida principal era entre Palmeirinha e Grêmio Ipiranga que, além do campo castigado pela chuva, teriam que enfrentar o gramado já pisoteado e enlamado pelo embate anterior. No confronto, a bola alta reinou e os chutes de longe também, vitória para o escrete da casa por 3 a 2.

Ao todo foram 57 guerreiros que entraram em campo nessa fatídica noite. Além dos atletas queremos também destacar a atuação da equipe de arbitragem, que também foram heróis em praticar o trabalho nessas situações. Os riscos eram enormes, além da falta de tática e de jogadas, como o de lesões. Queríamos aqui prestar solidariedade aos atletas Cleber, do Shabureya, e Carlinhos, do Grêmio Ipiranga, que saíram lesionados por conta do estado do gramado. Não queremos aqui enaltecer o futebol amador pela bizarrice que se viu, mas aplaudir a coragem dos atletas e cobrar a Federação. Sim, pois a Federação tem que cuidar mais dos seus atletas e saber quais estádios tem condição de receber partidas assim. Pois, sabemos que há gramados em Curitiba melhores do que o Elba e não condenamos o Ipiranguinha por isto, pois sabemos como é difícil manter um estádio e um clube amador.

Já tivemos as figurinhas dos jogos, que foram Alemão e Mateus. Porém, como todo álbum tem seus cromos especiais, ela é uma daquelas figurinhas brilhantes no álbum DRAP de 2017, em homenagem a todos os heróis que buscam um futuro melhor dentro do futebol amador.

__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO