Grêmio Palmeirinha vence Imperial por 2 a 1 e chega na última rodada da Copinha com chances de título


No segundo duelo na tarde deste sábado (24), no estádio Elba de Pádua Lima, Palmeirinha e Imperial se enfrentaram buscando o mesmo objetivo. Chegar na rodada derradeira da Copa de Futebol Amador de Curitiba com chances matemáticas de conquistar o título. Com mais calma que o adversário, o Palmeirinha conseguiu sair na frente no fim da primeira etapa, e mesmo sofrendo o empate no início do segundo tempo, teve forças para conquistar os três pontos

#COPINHA2017
Por @YuriCasari

Bastou o apito do árbitro soar pela primeira vez para ficar claro que Palmeirinha e Imperial iriam fazer um duelo bastante disputado. Na bola, mas também com muita força física, característica notável de ambas as equipes. Nos primeiros minutos, apesar das tentativas de construir jogadas pelo chão, os dois times não conseguiam trocar mais que três passes. Além do estado ruim do gramado, a boa disposição dos defensores impedia que a bola rolasse como deveria. Por isso, a primeira oportunidade clara do jogo aconteceu apenas aos 20 minutos, com Marquinhos, do Palmeirinha, que disparou pela esquerda mas chutou em cima do goleiro Jardan. 

Aos poucos, o Palmeirinha foi ganhando mais terreno de jogo, afinal, conseguia se infiltrar no campo adversário trocando passes rápidos e mantendo sempre a tranquilidade. Bem diferente do Imperial, onde as discussões entre jogadores e comissão técnica se desenrolaram ainda com o placar zerado. Mesmo não conseguindo desenvolver seu jogo, o Imperial conseguiu chegar em dois lances em que a defesa do Palmeirinha estava desatenta. No primeiro, Leonardo fez um lançamento espetacular para Pelézinho, que dominou errado e perdeu boa chance. No segundo, Fernandinho recebeu de frente para o goleiro Anderson, mas demorou para bater e o goleiro conseguiu fazer boa defesa. 


Quando o primeiro tempo se encaminhava para o final, aos 41 minutos, Mucilon deu o balão pra frente, Erick deu uma casquinha de cabeça, e a bola sobrou na velocidade para Nico, que sem marcação entrou na área e bateu rasteiro na saída do goleiro do Imperial, abrindo o placar em favor do Palmeirinha. No intervalo, mais uma vez ficou destacado a postura de ambos os times. Enquanto no banco de reservas do Palmeirinha o técnico Vagner Primo conversava em tom baixo com seus jogadores, no banco do Imperial, Pastor Serafim dava bronca generalizada.

A discussão parece ter surtido efeito a curto prazo, já que no segundo tempo o Imperial voltou muito mais ligado, especialmente com o camisa 8 Caíque, que chamava o jogo pra si, dando passes e tentando jogadas individuais, além de ser uma voz do técnico Pastor em campo, distribuindo broncas. E logo com 8 minutos o Imperial conseguiu chegar ao gol em cobrança de pênalti convertida por Caíque, que de pé direito bateu firme e cruzado, deslocando o goleiro Anderson.


O gol deu um ânimo a mais para o Tricolor do Mossunguê, que foi criando as melhores chances, primeiro em cobrança de falta de Caíque, que passou muito perto do gol, e depois com Fernandinho que chutou forte de fora da área e Anderson fez ótima defesa. Mas o crescimento do Imperial na partida foi freado aos 20 minutos, quando o ataque do Palmeirinha trocou passes de cabeça e a bola sobrou para o defensor Mucilon cabecear a bola para o fundo da rede.

A partir do segundo gol, a tranquilidade de um lado e o nervosismo de outro ficou ainda mais evidente. As discussões entre os jogadores do Imperial eram ásperas e o time acabava errando muitos passes. Inclusive, na casa dos 30 minutos, o técnico Pastor foi expulso por reclamar com a arbitragem. Já o time do Palmeirinha ia administrando o resultado. Próximo do fim o Imperial se lançou todo ao ataque e quase conquistou o empate em um chutaço do zagueiro Leonardo, mas o goleiro Anderson fez uma defesa espetacular. Com o Tricolor no ataque sobrou espaços para o contra-ataque. Nico quase marcou em duas oportunidades, mas o resultado de 2 a 1 permaneceu até o final.

A vitória do Palmeirinha, que iniciou a rodada na sexta posição, colocou a equipe na quarta posição com 17 pontos. Para ficar com a taça, o clube precisa vencer o Nacional fora de casa por uma boa margem de gols e ainda torcer por pelo menos um empate do Uberlândia e um empate entre Nova Orleans e Bangu ou vitória do Orleans, mas nesta partida. Importante ressaltar que neste segundo jogo, o Palmeirinha teria que tirar uma diferença de 5 gols de saldo para o Bangu, no caso de um empate, e tirar uma diferença de um gol de saldo do UNO, em caso de vitória pelo placar mínimo do clube alviverde. Já o Imperial ,que chegou a liderar a Copinha, resta terminar a participação na competição com uma vitória sobre o Capão Raso, que matematicamente também tem chances do título, mas segue com sua pontuação sob júdice, pela escalação de atletas irregulares. 

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

GRÊMIO PALMEIRINHA: Anderson, Valdecir, Mucilon, Marinho e Polaco (Célio); Celo, Alex 21, Cezinha (Erick, depois Guilherme) e Nico; Dolinha e Marquinhos. T: Vagner Primo.

IMPERIAL: Jardan, Galo, Leonardo, Edson e Lelê;Zetti, Murilo (Kiki), Caíque e Douglinhas (Pelézinho); Fernandinho (Evandro) e Japa. T: Pastor Serafim.

FICHA TÉCNICA – G.PALMEIRINHA 2x1 IMPERIAL XXXXXXXXXXXXXX

Gols: Nico, aos 41' do 1º tempo (PAL), Caíque, aos 8' (IMP) e Mucilon, aos 20' do 2º tempo (PAL).

Cartões Amarelos: Celo e Guilherme pelo Palmeirinha. Pelézinho pelo Imperial. 


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO