Em um jogo de poucas oportunidades, Iguaçu e Fanático empatam sem gols


Neste domingo (25) Iguaçu e Fanático se enfrentaram no Egydio Ricardo Pietrobelli na primeira parte da decisão de 180 minutos da Taça Paraná. Um jogo cercado de muita expectativa pela qualidade das duas equipes, mas que na prática foi uma peleja truncada em que as defesas se sobressaíram aos ataques.

#TAÇA PR 2017
Por Dudu Nobre

PRÉ - JOGO: Iguaçu e Fanático chegavam confiantes a esse primeiro jogo da decisão. O alvinegro teve um crescimento a partir da segunda metade da primeira fase e estava em franca evolução, eliminando o Bonato com tranquilidade nas semifinais. Já o tricolor ostentava ótimos números (7 vitórias, defesa menos vazada com 6 gols sofridos em 10 jogos), mas teve dificuldades para eliminar o Atalanta na fase anterior.

PRIMEIRO TEMPO – Quem viu os dez primeiros minutos achou que o jogo iria pegar fogo. Logo aos 6’ a primeira chance clara de gol. Luisinho Netto cobrou lateral dentro da área e Grilo afastou mal; a bola sobrou pra Dionata que  acertou a trave direita. Se o poste ajudou o tricolor da baixada de um lado, também foi importante para o alvinegro aos 7’. Pior para Massai, que recebeu cruzamento da esquerda mas parou no detalhe.

Depois desse início frenético o ritmo caiu um pouco, tanto que entre os 8’ e os 23’ apenas três oportunidades criadas, ambas de pouco perigo. Aos 24’ Caron chegou com mais qualidade, acertando um tirambaço de longe que obrigou Rodrigo a fazer grande defesa.

Enquanto o Fanático investia em lançamentos para o setor esquerdo de ataque, a equipe iguaçuana tocava a bola rapidamente para desarmar a linha defensiva rival. Numa dessas pontadas, aos 29’, Dionata ficou de frente para Jonas, mas isolou a chance de abrir o placar.

Melhor no jogo, o alvinegro seguia criando, mas a qualidade da conclusão não estava das melhores. Prova disso foi aos 36’, quando Pablo limpou a marcação mas parou em grande defesa de Jonas. Era preciso colocar o pé na forma para conquistar a vantagem.


SEGUNDO TEMPO – Se nos 45’ iniciais o jogo era movimentado, os ataques dos dois times não voltaram pra segunda etapa. A primeira chance de gol só aconteceu aos 17’, quando Jair recebeu cruzamento da esquerda e cabeceou em cima da marcação de Aderaldo. Aos 24’ Feijão tentou de fora mas errou o alvo por muito.

Apenas aos 29’ algum jogador conseguiu tirar o uh da galera. Hideo lançou Tamandaré que conseguiu tocar na bola, mas parou no desvio da defesa. Na sequência cabeceou cobrança de escanteio no primeiro pau, mas Jonas fez a defesa com tranquilidade.

Para tentar mudar o panorama da partida, Chibior fez duas alterações no setor ofensivo, colocando Henriques Dias e Ronei. Já o treinador iguaçuano Juninho confiava em seu onze inicial que tinha mais volume de jogo, mas não conseguia concluir. Prova disso é que só mexeu aos 40’ com a entrada de Pequi.

Na parte final do jogo, um fato causou preocupação: dividida na área defendida pelo Fanático e o zagueiro Baloi levou a pior, obrigando o técnico tricolor a colocar Everson. Quanto ao jogo, pouca coisa que empolgasse a torcida. Final no Butiatuvinha, Iguaçu 0, Fanático 0.


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

IGUAÇU: 1 Rodrigo; 2 Luisinho Netto, 3 Douglão, 4 Emerson e 6 Dionata (17 Juninho); 5 Aderaldo, 8 Helton, 7 Feijão (19 Herick) e 20 Hideo; 10 Tamandaré e 9 Pablo (16 Pequi). Técnico: Juninho.

FANÁTICO: 1 Jonas; 2 Felipe, 3 Baloi (14 Everson), 4 Jair e 6 Marabá; 5 Grilo, 8 Magu (16 Aroldo), 7  Jonathan (18 Henrique Dias), 10 Massai e 11 Caron (17 Ronei); 9 Clênio. Técnico: Leandro Chibior.

FICHA TÉCNICA - IGUAÇU 0 x 0 FANÁTICO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ÁRBITRO: Rodolpho Toski Marques.

ASSISTENTES: Bruno Boschilla (1) e Heitor Alex Eurich (2).


AMARELOS: Grilo (Fanático) Tamandaré (Iguaçu).
__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO