Imperial vence o clássico dos Polacos e segue com 100% de aproveitamento


Neste sábado (20), Imperial e Nova Orleans proporcionaram o clássico dos polacos no Estádio Octávio Silvio Nicco, em confronto válido pela quinta rodada da Copa de Futebol Amador da Capital. Além da emoção dos times do mesmo bairro se enfrentarem pela primeira vez no ano, o embate valeu a liderança do certame e foi recheado de muita polêmica por parte da arbitragem. O Imperial saiu atrás do marcador, mas teve forças para virar e continuar com 100% de aproveitamento no certame.


#COPINHA 2017
Por Rafael Buiar

PRÉ-JOGO: A equipe do Imperial líder do certame mesmo com uma folga na última semana chegou na quinta rodada com 100 % de aproveitamento. Mas por outro lado, a equipe do Nova Orleans, que está em ascensão na competição, foi para o confronto no Estádio Octávio Silvio Nicco para quebrar a sequência do tricolor do Mossunguê. Com uma vitória do verdão da zona oeste sobre, o Imperial seria ultrapassado na tábua de classificação.

PRIMEIRO TEMPO: O clássico iniciou bastante movimentado, com ambas as equipes procurando o gol já nos primeiro minutos. O time do Mossunguê atacou mais pelos francos, enquanto que o Nova Orleans deu o primeiro chute ao gol, após falha defensiva do Imperial. Fruto de uma marcação em pressão. Persistindo com a marcação em pressão, mais uma vez a zaga do Imperial falhou. Igor antecipou-se do goleiro Julio e ganhou a bola. Na sequência, Leomar chutou e o arqueiro do Imperial defendeu parcialmente. Mas o camisa 8 aproveitou a sobra e chutou novamente para abrir o marcador aos 4’ da etapa inicial.


Mesmo após o gol sofrido no início do embate, a equipe do Imperial passou a ter mais volume na meia cancha e, com isso, o lateral Galo tentou surpreender o arqueiro Yuri, que estava adiantado. Foi só, pois a equipe visitante chegou com mais perigo várias vezes. Dentre as jogadas, Molão articulou e fez a sua graça com um drible diante o marcador, concluindo na sequência. Eder se esforçou e quase desviou para ampliar o marcador. Mas sem sucesso. 

A mudança de postura do time da casa deu início com 20’ decorridos, já que neste período o Imperial proporcionou o lance de ataque mais perigoso. Em ótima trama do meio de campo, a bola chegou aos pés do atacante Dennis, o camisa 9 do Imperial puxou para lado e chutou firme. A bola fez uma longa trajetória e encontrou o travessão, tirando o grito de “uhh” da torcida do Mossunguê. Com a bola na trave, o time do Imperial continuou a persistir no ataque. Minutos depois, em cobrança de falta, Douglinhas quase empatou. Mas Yuri entrou em cena e fez ótima defesa, evitando o primeiro gol do Imperial.

Passado a metade do primeiro tempo, o embate passou a ter muitas faltas. Em relação a isso, vários cartões amarelos foram distribuídos pelo árbitro Felipe Kirchner. Além disso, o clima ficou tenso entre os jogadores e o árbitro, com muita reclamação. Mas o escrete do Imperial, em troca de passes na intermediária chegou ao empate. Em jogada iniciada por Galo, a bola chegou aos pés de Mateus, que em um lance tirou dois da jogada e armou para o chute no canto direito do arqueiro Yuri, que pouco pode fazer para evitar o gol de empate no Estádio Octávio Silvio Nicco, aos 33’. Três minutos depois, em ótimo contra-ataque do Imperial pela esquerda, Dennis esteve de frente para o gol de Yuri e desperdiçou a chance da virada.


Nos minutos finais, o jogo ficou aberto, com as duas equipes tendo chances claras de gol. Dentre elas, Leomar lançou do sistema defensivo na medida para o atacante Eder, que viu o seu companheiro e de primeira cruzou para Igor. O camisa 9 do UNO dominou no peito e carimbou com força, no fundo do barbante, desempatado o marcador. Com 2’ de acréscimo, o confronto persistiu em jogadas no meio de campo e o placar na primeira etapa terminou em 2 a 1 para o alviverde da zona oeste.

SEGUNDO TEMPO: No retorno para a segunda etapa, as duas equipes entraram em campo com os mesmos jogadores que terminaram a primeira etapa. Com bola rolando, a equipe do Imperial passou susto logo no primeiro minuto. Vitor Tilly aproveitou o passe errado no sistema defensivo do Imperial e chutou de longa distância, passando perto a meta do arqueiro Julio. Mas com o passar do tempo, o escrete do Imperial posicionou melhor no campo de ataque. Com 8’ de jogo, o setor ofensivo do tricolor chegou com perigo. Dennis próximo da linha de fundo cruzou para a área, mas Fernandinho não conseguiu concluir e o zagueiro Márcio afastou o perigo.  Com 14’, o escrete do Imperial perdeu mais uma chance. Desta vez, Fernandinho foi fominha e perdeu a oportunidade do empate.

Após a oportunidade desperdiçada do camisa 11 do Imperial, no início da jogada anterior, Leomar foi expulso por agressão ao árbitro, segundo o assistente Heitor. O lance aconteceu devido a uma falta não dada no início da jogada de Fernandinho. Em meio a isso, o clima ficou tenso no clássico, por ambas as partes. Desde então, quem aproveitou foi o time do Imperial. Com um a menos, o time do Nova Orleans ficou acanhado no sistema defensivo. Fato que proporcionou um Imperial mais ofensivo e com volume de jogo bem grande. Devido a isso, o treinador Alexandre Oliveira fez algumas alterações para brecar o ataque do time da casa. Saíram Molão e Dega, para a entrada de Luan e Fininho.


O troca-troca não deu resultado esperado, pelo contrário, o time do Imperial continuou persistindo e conseguiu marcar duas vezes, para a festa da torcida do tricolor do Mossunge. No gol de empate, em ótima trama de Adson pela lateral esquerda, Arroz aproveitou o cruzamento e cabeceou com firmeza no fundo da rede. Minutos depois, Caíque, que não estava bem no jogo, virou o embate com um chute de bico de dentro da área, após bate rebate na área do goleiro do Yuri, com 36’.

Nos minutos finais, o jogo continuou quente com jogadas duras e com um Imperial presente no campo de ataque. Enquanto que o Nova Orleans sofreu no sistema defensivo e criou poucas chances de resposta para o escrete do Imperial. Eder e Igor foram os mais acionados. Porém, sem efetividade para marcar o gol de empate. Ainda no apagar das luzes, Eder foi expulso, por levar mais um cartão amarelo e na sequência o vermelho. Aos 49’, Caíque fez o seu segundo gol e o quarto do Imperial, fechando a conta no Estádio Octávio Silvio Nicco em 4 a 2 para o Imperial.

CONFUSÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Após o apito final do árbitro Felipe Kirchner, o meia Leomar, expulso no início do segundo tempo, entrou em campo em direção ao árbitro querendo tirar satisfação, junto a outros companheiros de sua equipe. Uns tentando evitar com que chegasse perto do árbitro e outros o acompanhando. Pronto, a confusão foi generalizada. Na sequência, a policia também entrou campo para conter o tumulto e minutos depois tudo foi apaziguado. (Em breve mais detalhes.)


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

IMPERIAL: 1 Julio; 2 Gallo (18 Caíque), 3  Edson, 4 Lelê e 6 Adson; 5 Zetti, 8  Giovani, 7 Mateus e 10 Douglinhas; 9 Dennis (16 Arroz) e 11 Fernandinho. Tec. Pastor

UNO: 1 Yuri; 2 GI (13 João), 3 Marcio, 4 Du e 6 Dega; 5 Erick, 8 Leomar e 7 Molão; 10 Vitor Tilly, 11 Ederson e 9 Igor. Tec. Alexandre Oliveira

FICHA TÉCNICA - IMPERIAL 4 X 2 NOVA ORLEANS XXXXXXXXXXXXXXX

GOL: Leomar aos 4’ do 1º tempo e Igor aos 40’ do 1º tempo (Nova Orleans) e Mateus aos 33’ do 1º tempo e Arroz aos 30’ do 2º tempo e Caíque aos 36’ do 2º tempo (Imperial)

CA: Erick, Molão, Gi e Leoamar (Nova Orleans) | Mateus, Adson, Fernandinho, Giovani, Zetti e Galo (Imperial)

CV: Leomar e Eder (Nova Orleans)

ENTREVISTAS (VÍDEO) XXXXXXXXXXXXXXX



__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO