Nova Orleans leva susto na segunda etapa, mas se recupera e goleia o Palmeirinha


Quem foi ao José Drulla Sobrinho na tarde do feriado de Tiradentes não deve ter se arrependido. Em meio a chuva fraca que caia sobre a capital paranaense, uma chuva de gols se fez presente no bairro do Orleans. O UNO chegou a marcar 2 a 0, mas o Palmeirinha foi atrás e empatou. Porém, após um pênalti e uma expulsão do adversário, os donos da casa desempatar e ampliaram o marcador para 5 a 2.

#COPINHA 2017
Por Gabriel Sawaf

O clima de estreia se fez presente na casa do UNO. Em pleno feriadão de Tiradentes, Nova Orleans e Palmeirinha faziam a estreia oficial na temporada do amador 2017, em partida válida pela Copinha. As duas equipes pretendem usar a competição como um grande treino para a Suburbana, mesmo havendo uma grande expectativa para ambas, por serem escretes que disputaram a principal divisão do amador curitibano. O time da casa vinha empolgado após uma série de mais de 20 treinos e amistoso até o feriado. Já o Palmeirinha vinha com desfalques, como o defensor Carlão que se recupera de lesão e sete jogadores que não estão regularizados pelo time do Tatuquara. Com isto, apenas 15 atletas foram relacionados pelo o time visitante para o embate.

O EMBATE - Com a bola rolando, os visitantes ficaram mais com a bola no início do jogo. Porém, não demorou muito para que os donos da casa começar a controlar o jogo. Com isto, as chances foram aparecendo. Aos nove minutos, Cezinha arriscou de fora da área e Anderson segurou com confiança. Aos 14, Igor fez boa joga e chutou para fora. Aos 24, Victor cobrou falta e a bola foi por cima do gol. Nos 30 primeiros minutos de jogo o Palmerinha não conseguia assustar Yuri.

No último terço da primeira etapa o Alviverde do Tatuquara tentou assustar. Dolinha recebeu cruzamento, mas a cabeçada foi prensada com o zagueiro João. Na cobrança de escanteio, Cesar colocou na cabeça de Thiago Cabeção, que testou por cima do gol. Mas, na saída de bola, aos 32 minutos, Victor aproveitou o contra ataque e chutou de fora da área, a bola era tranquila para Anderson, porém ele não segurou com força e Igor aproveitou o rebote para marcar. O Palmeirinha chegou com perigo dois minutos depois, quando Dolinha chutou cruzado e Gui quase concluiu na pequena área.


Daí para frente o Nova Orleans abusou de perder chances para ampliar o marcador. Aos 36 minutos, Nathan aproveitou a sobra de bola na área e Anderson fez grande defesa, se redimindo do gol sofrido. Aos 40, Éder fez boa jogada e chutou para fora. Aos 43, Erick foi bem pela esquerda e cruzou rasteiro, Éder deu um corta luz e deixou a bola passar para Victor, que saiu na cara de Anderson, e o arqueiro novamente foi bem e defendeu. Logo depois, Cesinha chutou de fora da área e o arqueiro alviverde quase se complicou novamente, mas nada de grave aconteceu.

SEGUNDO TEMPO - A chuva leve que começou a cair na zona oeste de Curitiba chegou ao Orleans e forma de gol na segunda etapa. Logo aos dois minutos, Igor fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Leomar, o meia dominou e concluiu com categoria no canto esquerdo de Anderson. No minuto seguinte, Marquinho, que havia entrado no intervalo, também fez boa jogada pela esquerda e foi a linha de fundo, onde tocou para Dolinha chegar de frente para o gol e diminuir o marcador. Aos cinco minutos, o UNO não aproveitou uma cobrança de escanteio e sofreu contra ataque puxado por Marquinho. O atacante foi fominha, não tocou para Cesar, e observou Yuri mal posicionado. Fatal. O camisa 9 chutou de longe e empatou o marcador.

O empate relâmpago mexeu com a equipe do Nova Orleans. Algumas brigas internas rolaram dentro de campo e o time quase se abalou. Com bola rolando, as chances não paravam. Aos oito, Leomar arriscou de fora da área e a bola foi para fora. Aos dez, quase rolou a virada. Dolinha recebeu bom passe e chutou para defesa de Yuri. No minuto seguinte, veio tudo o que os donos da casa queriam. Igor invadiu a área e foi derrubado por Linco, o juiz não pensou duas vezes e assinalou pênalti. Na cobrança, Éder marcou e pediu para sair, indo direto para o vestiário.


Mesmo em desvantagem, o Palmeirinha seguia na correria para tentar empatar o jogo. Em uma aposta ousada, o treinador Wagner Primo colocou a equipe numa linha de 3-4-3, usando Mazinho como intermediador para a bola chegar em Dolinha, Marquinho e Cesar. Porém, aos 30 minutos veio um grande baque. Linco fez falta dura em Fábio, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. No minuto seguinte a desvantagem o time do Tatuquara quase empatou o jogo, quando Nico lançou para Dolinha e o atacante conseguiu raspar na bola, não causando muito perigo ao goleiro Yuri. 

Após isto, a diferença numérica pesou e o Nova Orleans comandou de vez o jogo e as chances de gol. Aos 32, Fabio perdeu uma grande chance de ampliar. Mas, aos 37 minutos, Leomar cobrou falta com perfeição, e a bola foi no ângulo do goleiro Anderson. Aos 40 minutos, Eduardo foi cortar lançamento e acabou ajudando Victor, que ficou com a bola, driblou o goleiro e marcou o quinto. No último lance do jogo, Anderson cometeu pênalti em Fabio. Na cobrança, Victor bateu e o goleiro se redimiu, evitando o sexto gol e encerrando o marcador.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Nova Orleans: 1 Yuri; 2 Cezinha (13 Leonardo), 3 João, 4 Nathan e 6 Dieguinho; 5 Erick, 7 Molão, 8 Leomar (18 Jorge) e 10 Victor; 9 Igor (16 Fabio) e 11 Éder (17 Ricardinho). Técnico: Alexandre Oliveia

Palmeirinha: 12 Anderson; 2 Rafael, 3 Linco , 4 Thiago Cabeção e 6 Espingarda (14 Eduardo); 5 Mocilon, 8 Mazinho e 10 Nico;  11 Cesar, 20 Gui (9 Marquinho),  e 7 Dolinha. Técnico: Wagner Primo.

FICHA TÉCNICA NOVA ORLEANS 5X2 PALMEIRINHA XXXXXXXXXXXX

Gols: Igor, aos 32’ do 1º tempo, Leomar, aos 2’ e aos 37’ do 2º tempo, Eder, aos 14’ do 2º tempo e Victor, aos 40’ do 2º tempo, para o Nova Orleans; Dolinha, aos 3’ do 2º tempo, e Marquinho, aos 5’ do 2° tempo, para o Palmeirinha.

Cartões Amarelos: Cezinha e Dieguinho (UNO); Anderson, Thiago Cabeção, Dolinha e Gui (Palmerinha).

Cartão Vermelho: Linco (Palmeirinha) 


__________________________________________

DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO