Paraná faz grande segundo tempo, vence o clássico e Atlético se classifica graças ao Rio Branco


O Clima era quente antes do jogo na Vila Capanema nessa quarta feira (30). A tensão que envolvia a classificação do Furacão levou as duas torcidas em peso até o estádio do Rebouças. Na primeira etapa, o Atlético foi melhor, mas não conseguiu abrir o placar. Na segunda etapa, o Paraná se impôs e marcou o único gol da partida. Quando a eliminação já era evidente, a notícia de um gol do Leão salvou o escrete atleticano, que duelará novamente contra o Tricolor pelas quartas de finais do Campeonato Paranaense 2017. 

#PARANAENSE 2017
Por Gabriel Sawaf

O clima de clássico tomava conta das arquibancadas desde antes do início do jogo. As situações em que chegaram os times para o derby da Engenheiros Rebouças elevavam a temperatura na fria noite de quarta feira na Vila Capanema. O time da casa queria fechar com chave de ouro a primeira fase e vinha com tudo para o jogo. A prova disto é que Wagner Lopes escalou seu escrete com três atacantes, fazendo as estreias de Robson e de Pedro Bortoluzo no time. Já o Atlético jogava a vida na competição. Mesmo tendo o foco voltado a Libertadores, uma eliminação no certame estadual seria frustantes para o plano do Furacão. Para não ficar de fora da fase final, o técnico Paulo Autuori escalou Crysan no lugar de Rossetto, para dar mais velocidade ao meio, e promoveu a tão aguardada estreia do croata Eduardo da Silva.

PRIMEIRO TEMPO - A grande apreensão do confronto era saber quem iria dominar as ações nos primeiros momentos. Como já virou características em partidas do time principal rubro negro, o Atlético começou a partida controlando a bola e tentando criar as oportunidades. Já o Paraná esperava o escrete atleticano na defesa e apostava no contra ataque, contando com a velocidade e agilidade de Robson e Felipe Alves. A primeira chegada perigosa do jogo foi do Furacão, aos sete minutos. 

Thiago Heleno lançou o ataque, alcançando Eduardo da Silva, que ajeitou para Gedoz, que chutou forte por cima do gol. Aos nove minutos a rede balançou: Gedoz bateu escanteio na direção de Thiago Heleno. O zagueiro subiu e deu uma cortada na bola e fez o gol. O juiz validou, mas o bandeira viu a malandragem do defensor e anulou a abertura do placar na Vila. Além de manter o controle do jogo, o time da Baixada adiantava a marcação quando não estava com a bola e na hora de atacar ia com oito homens para o campo ofensivo, deixando apenas Paulo André e Thiago Heleno atrás da linha de campo. 


A pressão atleticana continuou. Aos 18 minutos Lucho Gonzalez recebeu cobrança rápida de  lateral  e enfiou para Eduardo da Silva,  que invadiu a área e chutou rente a trave direita do goleiro Léo. O Tricolor tentava chegar ao ataque, mas parava na marcação adiantada rubro negra e também aos muitos erros de passe dos seus jogadores no setor ofensivo. O time da casa só conseguiu assustar aos 26 minutos. Junior recebeu passe de Renatinho e cruzou para Robson, a bola não chegou no atacante paranista graças a uma interceptação de Weverton.

A partida que começou com tudo foi ficando morna. O Atlético perdeu o controle da bola e começou a apostar muito nos lançamentos longos vindos da defesa. Aos 32 minutos o Furacão voltou a assustar. Felipe Gedoz cobrou falta fechada pelo lado esquerdo e obrigou o goleiro Léo a fazer uma boa defesa.A melhor chance do Paraná na primeira etapa foi aos 40 minutos. Renatinho bateu falta pela direita, que encontrou Airton sozinho na frente do gol, o zagueiro subiu, cabeceou para o chão, a bola pingou e caprichosamente passou ao lado da balisa esquerda de Weverton. 

Com uma leve garoa caindo sobre o gramado do Capanema e um minuto de acréscimo, o primeiro tempo parecia que ia acabar calmo. Mas um lance apimentou o fim do jogo. Nicolas fez falta em Felipe Alves, o atacante caiu no gramado e Felipe Gedoz chegou chutando a bola em cima do atleta paranista. Os nervos se afloraram e o meia ganhou um cartão amarelo. Após o apito final, Thiago Heleno e Artur Jesus se estranharam na descida do túnel e tiveram que ser contidos por seus companheiros.


SEGUNDO TEMPO - A etapa complementar começou dando promessas que iria ser mais quente. O Paraná inverteu o posicionamento dos seus pontas, colocando Robson na direita e Felipe Alvez na esquerda. Logo no primeiro minuto o Tricolor chegou bem. Pedro Bortoluzo lançou bem Robson, o atacante tentou cortar a marcação, puxou para o meio e chutou, a bola desviou em Thiago Heleno e saiu pelo lado esquerdo da meta atleticana. Mas a esperança de um confronto melhor pareceu ficar na primeira chance. 

As equipes não conseguiam criar e pecavam muito nos passes e lançamentos. A torcida paranista se animou aos onze minutos, quando Wagner Lopes chamou Guilherme Biteco. Antes do atacante entrar em campo, o Paraná pressionou em cobranças de escanteios, mas o escrete tricolor parou por duas vezes em Thiago Heleno.
Ao contrário da primeira etapa, quem adiantou a marcação  e se mantinha mais com a bola era o Paraná. Aos 16 minutos Renatinho bateu falta na área e Airton pegou de primeira bonito na bola, a rede só não balançou porque Weverton fez grande defesa e mostrou porque estava até terça feira com a seleção brasileira. A pressão tricolor deu resultado aos 20 minutos.


As jogadas pela lateral que eram a grande arma do escrete do Capanema conduziram o ataque que terminou nas redes. Jhony deu um chutão-lançamento para Robson, que parou, olhou cruzou a bola para Renatinho, que só empurrou a bola para o gol, fazendo a Vila Capanema ferver de vez.

Momentaneamente sendo eliminado, o Atlético não tinha opção e alterou sua equipe. Coutinho entrou no lugar do apagado Crysan, para tentar dar mais velocidade ao ataque rubro negro. Porém o escrete atleticano não se mostrava muito inspirado e não chegou a assustar o goleiro Léo até os 30 minutos do segundo tempo. Para tentar aproximar mais o gringo Lucho Gonzalez do ataque, Autuori tirou Gedoz e colocou Rossetto, colocando este na volância com Otávio e adiantando o argentino.

Com a vantagem no marcador, o Paraná não recuou e continuou criando oportunidades. Aos 32 minutos, Biteco fez boa jogada pela direita e cruzou para Robson, o atacante dominou, cortou Jonathan e chutou pela rede do lado de fora. Mesmo sendo colocado mais ofensivamente, o argentino Lucho Gonzalez não conseguiu cumprir a expectativa programada e saiu para a entrada de João Pedro. Mesmo pressionado, o escrete do Água Verde não se mostrava perigoso e, por volta dos 40 minutos saiu o gol que interessava o Furacão, não, não era de um jogador atleticano. 


O Rio Branco marcou contra o Foz e colocava o time nas quartas de finais. Após a notícia, veio a única chance rubro negra na segunda etapa. João Pedro bateu bola fechada para a área e Léo defendeu, na sobra o bate rebote quase terminou dentro das redes. No fim, o Atlético ainda forçou e Weverton foi para área tentar empatar o jogo, cabeceou e jogou para fora. Depois o juiz pegou a bola e encerrou o jogo, consagrando a vitória paranista no clássico. 

Agora as equipes voltam a se enfrentar nas quartas de final do torneio, que começa no próximo final de semana.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Paraná Clube: 1 Léo; 2 Junior, 3 Artur Jesus, 4 Airton e 6 Rayan; 5 Jhony, 8 Zezinho e 10 Renatinho (13 Leandro Vilela); 7 Robson (19 Nathan), 11 Felipe Alves e 9 Pedro Bortoluzo (18 Guilherme Biteco). Técnico: Wagner Lopes.

Atlético-PR: 12 Weverton; 2 Jonathan, 44 Thiago Heleno, 13 Paulo André e 97 Nicolas; 7 Otávio, 3 Lucho Gonzalez (21 João Pedro), 96 Crysan (77 Coutinho), 11 Nikão e 10 Felipe Gedoz (20 Rossetto); 22 Eduardo da Silva. Técnico: Paulo Autuori.

Gol: Renatinho, aos 20 minutos do 2º tempo, para o Paraná.
CA: Zezinho e Renatinho (Paraná); Thiago Heleno, Jonathan, Felipe Gedoz e Paulo André (Atlético).

CONFIRA O ÁLBUM DE FOTOS DA PARTIDA xxxxxxxxxxxxxxxxxx

PARANAENSE 2017 11ª RODADA PARANÁ 1X0 ATLÉTICO PR


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO