Paraná e Figueirense empatam sem gols em jogo de pouco brilho ofensivo


Sem nenhuma inspiração no ataque e na articulação de jogadas, o Paraná Clube não saiu do zero diante do Figueirense pela última rodada da primeira fase da Primeira Liga, no Estádio Durival de Brito e Silva. Apesar da fraca atuação, o Tricolor não sofreu grandes sustos e está muito perto da classificação para as quartas de final da competição.


#PRIMEIRA LIGA 2017 
Por Yuri Casari 

Diante de um público de 2.694 torcedores, Paraná e Figueirense iniciaram o confronto com o freio de mão puxado. Sem criatividade e força, ambos os times não ofereceram nenhum perigo aos goleiros, Léo e Thiago Rodrigues, que assistiam ao bate-rebate de camarote. O primeiro susto veio apenas aos 14 minutos e surgiu de um cruzamento mal executado por Igor pela esquerda, que acabou indo em direção ao gol e quase surpreendeu o goleiro do Figueirense. 

Na casa dos 20 minutos, o Figueirense passou a arriscar e ficou mais próximo de marcar do que o Tricolor. Dirceu quase marcou de cabeça após cobrança de escanteio aos 25 minutos, e minutos depois, Yago e Hélder tiveram uma chance cada um de fora da área, mas ambos chutaram pra fora.

Aos 37, nova oportunidade do Figueirense. João Pedro chutou forte e rasteiro e Léo foi obrigado a fazer bela defesa, espalmando para escanteio. Durante os 45 minutos iniciais, foi espantosa a falta de criação de jogadas por parte do Paraná Clube.


SEGUNDO TEMPO - Com certeza, Wagner Lopes também não ficou nem um pouco satisfeito, e a bronca no intervalo parece ter surtido efeito. No início do segundo tempo, o time subiu a marcação e conseguiu articular algumas jogadas com velocidade. Aos 8, após troca de passes, Diego Tavares cruzou e Ítalo cabeceou por cima do gol. Na sequência, após cobrança de falta mal sucedida do Figueira, Diogo Tavares comandou um contra ataque fulminante, mas a defesa do time catarinense se recompôs com eficiência.

Aos 10, a zaga paranista deu uma cochilada e Bill ficou cara a cara com Léo, mas o atacante ex-Coritiba perdeu boa chance. Mas em seguida, aos 13, Nathan, que havia acabado de entrar, tratou logo de confirmar a boa fase do Paraná na partida arriscando de longe, mas Thiago Rodrigues praticou defesa segura. Aos 19, novo ataque tricolor pelos flancos, e após tentativa de Ítalo, muita reclamação por um pênalti: primeiro com a queda de Ítalo na pequena área, e depois por uma possível bola na mão de Hélder. Mas o Tricolor voltou a diminuir o ritmo e acabou permitindo que o Figueirense tivesse a posse de bola no campo de defesa paranista durante um bom tempo. Apenas aos 32 o Paraná voltou a atacar, em boa jogada individual de Bruno Cantanhede, que teve chute bloqueado depois de passar por dois defensores.


Já sem fôlego e sem alternativas, o jogo foi ficando cada vez mais melancólico até o último apito da noite, se resumindo em bolas alçadas na área em esparsos lances de bola parada. O empate sem gols acabou sendo benéfico ao Paraná Clube que chegou aos 4 pontos do grupo D, ficando com a segunda posição. O Figueirense, terceiro, precisará vencer o rival Avaí por 3 a 0 para eliminar o Tricolor da Vila Capanema. Em noite de pouco futebol, ao menos sobrou a expectativa positiva pela classificação.

OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Paraná Clube: Léo, Diego Tavares, Airton, Brock, Leandro Vilela (Alex Santana), Igor, Bruno Cantanhede, Gabriel Dias, Ítalo (Felipe Alves), Renatinho, Matheus Carvalho (Nathan). T: Wagner Lopes.

Figueirense: Thiago Rodrigues, Dudu, Dirceu, Bruno Alves, Josa, Juliano (Guilherme Morassi),Yago, Helder, Bill (Everton), João Pedro, Indio (Elias). T: Márcio Goiano

Cartões amarelos: Airton e Felipe Alves (PRC); Dudu, Bill e João Pedro (FIG).

OS MELHORES MOMENTOS (VÍDEO) xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx




__________________________________________

DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO