Fanny e Iguaçu celebram amizade em jogo festivo


Na manhã do último sábado (18), o campo do Vila Fanny (Ismael Gabardo) recebeu um evento especial. A reunião dos craques que encantavam as torcidas nos anos 90. Veteranos da suburbana, campeões com o grande Iguaçu de 92, jogadores até de seleção brasileira estavam em campo.

#FUTEBOL AMADOR
Por Arthur Henrique

O jogo contou com um clima tipicamente curitibano, céu cinza e a ameaça de chuva que rondava o estádio, mas não estragaram a festa. O clima do começo de partida era muito diferente do comum, ao invés de uma partida do juvenil para aquecer, os cinquentinhas de Fanny e Santíssima Trindade se enfrentavam.

A hora do jogo principal chegava. Nomes como Pelézinho; Valmir Constantino, treinador da suburbana que levou o Santa Quitéria à final na temporada passada; Eliseu; Nego, treinador do Fanny e mítico jogador do amador; Ira e Roberto Costa, histórico goleiro, que é até hoje o único a receber a Bola de Ouro por duas vezes, chegou até a seleção brasileira. 

Divididos em dois tempos de 35', protagonizaram um jogo movimentado, provando que a idade chega, mas a habilidade, essa não se perde. Na hora da foto dos escretes os jogadores fizeram questão de se abraçarem e formarem uma só equipe, com Fanny e Iguaçu abraçados, lado a lado.


O resultado era o que menos importava, mas o que se viu foi que Fábio não perdeu o faro de gol.  O primeiro do Fanny foi aos 2’, após um bate-rebate na área, que resultou em bola na rede. O segundo foi de Fábio, aos 7’, que recebeu a bola na entrada da área e bateu uma cavadinha, necessária apenas para encobrir o goleiro e repousar no barbante. Fábio ainda marcou de novo aos 30’.

O Iguaçu teve o gosto de ser treinado novamente por Algacir Martins, o homem que comandou a equipe em 92. Ver ele à beira do campo, chamando a atenção de todos, mesmo no jogo festivo foi uma aula de amor por futebol. Zuca, do Fanny, ampliou para 3 a 0, com 25’. Eliseu descontou e deu um fôlego no jogo aos 27’.

No intervalo, Ira, que estava no Fanny, mudou a camisa e defendeu o seu outro time na segunda etapa. No lugar de Fábio entrou Macarrão, que sentiu e deu lugar a Valmir, que também trocou Iguaçu pelo Fanny na segunda etapa, mas ele deu lugar a Fábio novamente. Entre as outras mudanças Roberto Costa deu lugar à Cezinha na meta do Fanny.  O único gol da segunda etapa foi aos 18’, com Reinaldo do Fanny. 

O placar elástico em favor do Fanny se mostrou pequeno em relação ao abraço das duas equipes. Amizade foi o grande resultado desse jogo.


No momento pós rodada um churrasco com samba embalou a Vila Fanny em um sábado frio, com garoa fina caindo. Este jogo foi apenas uma comemoração ao futebol amador, uma homenagem a quem já se entregou nos campos do subúrbio curitibano. Ver a alegria de senhores de 45, 55 anos em campo é muito maior que apenas um jogo. O Futebol é gigante meus amigos e ele respira nos campos da Suburbana, neste lugar ele nunca vai morrer.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Vila Fanny: Roberto Costa (Cezinha); Padilha; Rogério; Japa; Binho; Zuca; Neguinho; Pelézinho; Ira (Heraldo); Fábio (Macarrão-Valmir-Fábio); Wanderlei (Reinaldo)

Iguaçu: Julio Cezar (Valdir); Sidnei; Marcos Tadeu; Hector (Xaruto); Juninho (Algacir); Marco Antonio (Serginho); Valmir (Tachinha); Jeferson (Sandrinho); Eliseu; Darci (Ira); Marquinhos.


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO