Em jogo de ataques previsíveis, Atlético e Londrina não saem do zero


Neste domingo (12), Atlético e Londrina se enfrentaram pela sétima rodada do Paranaense 2017. Quem foi a Baixada viu um jogo de pouca criatividade do meio pra frente, dos dois lados. Mesmo precisando da vitória para ficar no G8, o furacão não fez por onde e o empate sem gols foi justo pelo que foi apresentado.

#PARANAENSE17
Por Dudu Nobre

Os dois times começaram o jogo com a proposta de ficar no campo de ataque, cada um a sua maneira. O Londrina pressionou a saída de jogo do Atlético por 20 minutos, depois não manteve o ritmo. Chegava através de toques rápidos e inversões, buscando as pontas para achar Paulo Rangel pelo meio, mas a zaga conseguiu neutralizar o centroavante.

Já o Atlético explorou o lado esquerdo da defesa londrinense e, como Luis Henrique é um centroavante móvel, buscava infiltrações em velocidade no início, mas na parte final da primeira etapa passou a tentar jogadas pelo alto, perdendo todas para os beques alvicelestes. O jogo foi esfriando conforme os minutos iam passando, pois as equipes chegavam próximas à área, mas não conseguiam abrir espaço para chutar.

As cinco chances criadas não assustaram Weverton e Alan. Aos 3’ João Pedro tocou da canhota e Cascardo chutou por cima; O Londrina chutou pra fora com Bidia aos 6’ e Robinho aos 20’; Aos 21’ Rossetto cruzou e Alan desviou com a ponta dos dedos. No único chute dentro da meta, Nicolas bateu fraco e Alan encaixou aos 31’. Coube tudo dentro de um parágrafo. Por aí você mede a sonolência nas arquibancadas.


SEGUNDO TEMPO – No começo da etapa complementar, o meia Robinho chamou a responsa e arriscou duas de fora da área, parando em Weverton aos 2’ e jogando pra fora aos 4’. O Atlético respondeu com Rossetto, aos 13’ – também de longe, novamente pra fora – e Luis Henrique aos 16’ – Alan saiu em falso, mas afastou com o pé esquerdo. 

Após essa ameaça de melhora, o jogo esfriou novamente. O Londrina abria pelas pontas, mas o rubro negro concentrou seus marcadores pelo centro e afastava os cruzamentos com facilidade. O setor ofensivo atleticano era lento, por isso os lances criados morriam na casca.

Pivetti resolveu mexer. As entradas de Iago e Matheus Anjos deram mais velocidade e qualidade no passe. Aos 30’, Nicolas cruzou da esquerda e Coutinho apareceu bem, cabeceando pra fora com perigo. O Londrina passou a usar o contra-ataque e criou uma oportunidade aos 43’: escanteio da direita e Marcondes tirou tinta da trave no cabeceio. Nada que mudasse o panorama de um jogo de dois ataques pouco criativos. Na Arena da Baixada, Atlético 0, Londrina 0.


OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

ATLÉTICO: 12 Weverton, 47 Cascardo, 25 Wanderson, 27 Zé Ivaldo, 97 Nicolas; 95 Renan Paulino, 20 Rossetto e 21 João Pedro (55 Matheus Anjos); 77 Douglas Coutinho, 96 Crysan e 9 Luis Henrique (70 Iago). Técnico: Bruno Pivetti.

LONDRINA: 1 Alan; 2 Telo, 3 Matheus, 4 Marcondes e 6 Ayrton; 5 França, 8 Bidia (17 Rafael Gava), 10 Fabinho e 11 Robinho; 7 Safira (19 Euller) e 9 Paulo Rangel (99 Brandão). Técnico: Cláudio Tencatti.

REPORTAGEM DO JOGO (VÍDEO) xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO