Andraus e União: o que esperar das equipes na Divisão de Acesso?


Novo quadro do DRAP irá analisar as equipes que sonham em alcançar seu lugar na elite do futebol paranaense. Na estreia do torneio em 2017 e do quadro, o União de Francisco Beltrão foi até Campo Largo e venceu o Andraus por 1 a 0. Conheça os prováveis adversários do quarteto da capital do Paranaense de 2018:

#DIVISÃO DE ACESSO DO PR 2017
Por Gabriel Sawaf

Pela rodada inaugural da Série Prata de 2017, o Andraus recebeu o União no Estádio Atilio Gionedis, casa do Internacional, no centro de Campo Largo. O embate foi marcado por uma caracteristica específica: ataque. As duas equipes se lançaram bastante ao campo de defesa do adversário, criando um jogo interessante e elétrico aos poucos torcedores que compareceram à cancha na capital da porcelana. O gol da vitória do Azulão foi marcado logo aos 13 do primeiro tempo, com Brito. Agora as equipes seguem seu caminho na competição, que tem mais oito rodadas de fase inicial antes do mata-mata.


ANDRAUS - Quem acompanha as divisões inferiores ou a Taça FPF já está acostumado a ver o Andraus com um elenco jovem e veloz. Essa característica é o selo de garantia da equipe desde que voltou ao futebol profissional, quando conquistou o caneco da terceira divisão do paranaense. De fato, o trabalho do clube é voltado para a formação de novos atletas, tendo no seu CT jogadores do Brasil inteiro que vem buscar o seu futuro no esporte na região metropolitana. Os que não saem, acabam ingressando na equipe profissional do Alvicinza e sendo um rival complicado para os adversários. Tanto é que no ano passado o time campolarguense quase se classificou para a disputa da Série D de 2017, quando perdeu a final da Taça FPF para o Operário.

Para a disputa da Série Prata, o Andraus manteve boa parte do elenco vice-campeão, incluindo o treinador Edson Neguinho. No embate diante o União, a equipe da Pedreira começou o jogo muito nervosa, errando vários passes e não conseguindo ameaçar os visitantes. A medida que a correria foi se orientando, o clube da casa conseguiu se orientar e ameçar cada vez mais o gol de Silva. Apostando em jogas pelas laterais, o Alvicinza chegava com muita rapidez ao campo de ataque e também com muita brutalidade. Não eram raras as vezes em que os dez jogadores de linha estavam à frente da linha do meio de campo, colocando três defensores em linha sobre a risca que corta a meia cancha.


Apesar da pressão no segundo tempo, o time de Campo Largo não conseguiu o gol de empate, por um aspecto que precisa ser trabalhado mais: a finalização. Porém, a velocidade dos alvicinzas da Região Metropolitana é algo que precisa ser novamente destacado. Graças ao elenco jovem, o time consegue criar jogar com muita rapidez e se recompor com facilidade, pois seus atletas voltam rápido para a defesa em caso de bolas perdidas no ataque. Outro ponto positivo é a versatilidade dos atletas. Não eram raras as vezes em que era possível ver os meias mais de armação vindo buscar a bola atrás e conduzindo para o ataque. O treinador Edson Neguinho prometeu muita luta e raça para o Andraus poder sonhar com o acesso.



O Talismã O nome é estranho. Não deve ser fácil achar um Diwan por aí. Porém o atacante do Andraus não chama atenção apesar pelo seu nome exótico, mas também por seu grande potencial de criar jogadas perigosas. Atuando como um jogador que sai da área para receber a bola, Diwan conseguia levar perigo em muitas oportunidades que criou. Além do que, tinha uma facilidade para driblar os adversários e invadir a área. Contra o União não deu certo, entretanto o atleta mostrou que tem potencial para atrapalhar a vida dos zagueiros. 

Fique de Olho Normalmente a esperança de uma equipe é um atacante matador, ou um meia eficiente. No caso do Andraus o jogador que chamou muita atenção no confronto deste domingo é o lateral Capixaba. Com um fôlego de se admirar, o jogador flutuava pelo lado direito do gramado, fazendo com que muita das jogadas de ataque da equipe da casa passassem por seus pés. Além do que, quando o ataque acabava em um contra ataque para o adversário, o lateral voltava com muita velocidade para recompor a zaga. É bom ficar de olho, pois o garoto promete.


União - Atual campeão da terceirona, o União resgatou o futebol em uma das cidades mais tradicionais do interior do estado. Tudo bem que o abandono não era de tantos anos assim, já que o Francisco Beltrão jogou a divisão de acesso em 2015. Porém, a alegria em ver uma equipe promissora e que já voltou as atividades ganhando títulos reanima o povo da cidade e coloca esperança que o sudoeste do estado volte a entrar no mapa dos clubes da elite.

Para disputar a segunda divisão, o Azulão manteve boa parte do elenco campeão do ano passado. Jogadores que foram destaques na campanha permaneceram, como o artilheiro Tiago Maringá e o defensor Wellington Monteiro (sim, aquele mesmo que foi campeão mundial com o Internacional). Além do cara que consegue trazer uma expectativa muito grande para o clube: Ivair Cenci, conhecido como Rei do Acesso (ou Givanildo das Araúcarias), que estava suspenso no embate contra o Andraus e ficou vendo o jogo do alambrado atrás do banco de reservas, que fica em cima de um barranco.

Dentro de campo, o União conseguiu ditar o ritmo do embate no primeiro tempo. A equipe Sudoeste não só abriu o marcador, como também colocou em perigo os donos da casa. Durante a etapa inicial, era possível observar com facilidade a precisão e o bom toque de bola da equipe, além de estar sempre postada atrás com uma linha de três homens, sendo liderada por Wellington Monteiro, que ficava mais atrás. Outro ponto excepcional que não podia passar batido é a arma do clube: os laterais cobrados pelo lateral Julio, que possui um canhão nos braços e com facilidade coloca a bola na área, gerando perigo. Na segunda etapa, outro ponto forte do Azulão: o contra ataque. O time perdeu várias oportunidades de ampliar o marcador usando os ligamentos precisos e a toca de bola inteligente. Ao término do jogo, o nosso Givanildo falou sobre como é ficar do lado de fora e também que o União vem para buscar o acesso.


Fique de Olho O time do União chegou muito badalado para a competição pelo seu ataque em 2016. Na temporada anterior, foram 51 gols marcados em 20 jogos, uma média superior à dois gols por partida. A maioria deles, 15, anotados por Tiago Maringá. Porém em 2017 o artilheiro não conseguiu dar caras, mas outro atacante foi o destaque. O número 11 Brito, autor do gol, não ficou marcado apenas pela rede balançada. O atacante mostrou ser muito versátil. Saindo bastante da área e criando jogadas, principalmente pelo lado esquerdo. Além de se mostrar eficiente nos dribles, o que se mostrou no gol, o jogador mostrou ser bom raçudo e determinado em não sair de uma dividida sem ter o domínio da pelota.

O Talismã Ter um jogador experiente é sempre algo que completa e fortalece a equipe. No caso do União, ter um veterano campeão mundial fortalece ainda mais o grupo. Aos 38 anos Wellington Monteiro continua a pleno vapor nos campos e dando experiências e tranquilidade aos mais novos. O capitão do Azulão é o grande cão de guarda da defesa, sempre sendo o último defensor no campo de ataque do rival. Após o jogo, o veterano falou de como é atuar pela segunda tempora da seguida em Francisco Beltrão e do prazer de ainda jogar.


O EMBATE - A partida começou com o União comandando as primeiras ações e tendo maior controle da bola. A superioridade em campo logo se transformou em vantagem no placar. Aos 13 minutos, Julio fez boa jogada pela direita e cruzou para Brito. O atacante dominou com o peito e colocou a bola no chão, driblou os defensores e tirou de Augusto, marcando um belo gol no Atílio Gionedis. Os visitantes seguiam com a bola, porém não conseguiam concluir com perigo ao gol campolarguense. O Andraus tentava apostar na velocidade dos seus atletas, principalmente com Capixaba pela direita. O lateral fazia a bola chegar em Diwan, que fez duas grandes jogadas individuais, que pararam em Silva e no azar na pontaria.

Na segunda etapa a equipe da casa voltou mais organizada e ficando com a bola. Porém, assim como no primeiro tempo, permanecer com a redonda não era sinal de chances de gol. O União era quem levava mais perigo a balisa adversária. Willian aproveitou sobra de escanteio e encobriu o goleiro, o placar não foi alterado pois Bruno salvou em cima da linha. O Azulão usou como arma os chutes de fora da área de Thiaguinho, que passaram perto do gol de Augusto.

Uma interrupção para um fato o tanto como estranho. O jogador Gabriel sofreu um puxão e o árbitro marcou falta. Na situação, o meia teve a camisa rasgada e foi correndo para o banco. De repente, o quarto árbitro está pedindo autorização para o camisa 13, Andrés, entrar em campo. O juiz autoriza e lá vai o jogador. Porém, ninguém saiu. A imprensa consulta o quarto árbitro que explica a situação: o Andraus não possuia camisa reserva e Gabriel foi obrigado a pegar a camisa de algum companheiro para continuar em campo, e o escolhido foi Andrés. De fato, a única alteração que houve foi nas costas do meia do time da casa.

Seguindo com o jogo, o Andraus alterou o seu time e colocou jogadores ainda mais leves, para dar mais velocidade ao time, porém o gol  não saiu. Na melhor oportunidade dos mandantes, Capixaba invadiu a área pela direita e chutou forte, Silva fez boa defesa e salvou os visitantes. A equipe do noroeste investiu em contra ataques e teve oportunidades de ampliar o jogo com Leandrinho, Fornazari e Sato, mas no fim a rede não balançou e, mesmo com seis minutos de acréscimo fruto de cera dos jogadores do União, o placar se manteve mínimo.


O próximo embate do União será na quarta (22) contra a Portuguesa Londrinese, no estádio Aniliado. Já o Andraus continua no Atíliio Gionedis, onde recebe na quinta (23), o favorito Operário.

OS ESCRETES XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Andraus: 12 Augusto; 2 Capixaba, 3 Bruno, 4 Charles e 6 Caio; 5 Lenon, 11 Marquinhos (16 Randrick) e 10 (13) Gabriel; 7 Fabinho (17 Barbosa), 8 Flávio (19 Vitinho) e 9 DIwan.  T: Edson Neguinho.

União: 1 Silva; 2 Julio, 4 Jean Carlos e 5 Wellington Monteiro; 3 Gean (14 Rocha), 7 Juvenal, 8 Sato, 10 Willian e 6 Thiaguinho; 9 Tiago Maringá (17 Fornazari) e 11 Brito (15 Leandrinho). T: Aucione Vaz.

Gol: Brito, aos 13 do primeiro tempo, para o União.

Cartões Amarelos: Marquinhos e Charles para o Andraus; Tiago Maringá, Brito, Willian, Sato e Silva para o União.


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO