FPF bate de frente com Atlético e Coritiba e impede a realização do Atletiba 370


Vergonha! O Atletiba 370 entrou para a história do clássico. Não pelos gols antológicos ou pela disputa a cada palmo de campo entre as duas equipes. Mas sim por não ter acontecido. Tudo isso por uma atitude ousada da Federação Paranaense de Futebol, que não aceitou a polêmica decisão da dupla Atletiba de transmitir a partida via Youtube. Derrota de goleada do futebol paranaense.

#OPINIÃO
Por Yuri Casari

Em uma ação inédita, a partida entre Atlético Paranaense e Coritiba válida pela 5ª rodada do Campeonato Paranaense seria transmitida com exclusividade pelo Youtube, em transmissão realizada em conjunto pelos clubes. Porém, a princípio, isso acabou atrasando o início do clássico. Federação Paranaense e clubes não entraram em um consenso em relação ao credenciamento dos profissionais de imprensa que realizariam essa transmissão. Situação vergonhosa, causada por uma queda de braço entre os atores do espetáculo. O que seria apenas um atraso, logo se tornou em um teatro do absurdo. Jogadores em campo batendo bola de um lado a outro, e discussões acaloradas na beira do campo decidindo os bastidores.


O árbitro Paulo Roberto Alves Jr. não iniciou o jogo enquanto profissionais não credenciados estivessem à beira do campo, procedimento padrão para qualquer partida. Porém, a intenção da Federação não era apenas relativa a isso. A FPF buscou a todo custo impedir a transmissão da partida. A arbitragem, omissa e subordinada à Federação, se limitou a não dar o apito inicial. Vale lembrar, que também de maneira vergonhosa e autoritária, os clubes não permitiram que canais de tv (inclusive o site Do Rico ao Pobre) fizessem a captação de imagens durante a partida.

De maneira receosa, o árbitro, autoridade máxima de uma partida de futebol, se curvou aos desmandos de seus patrões. Sabemos como funciona a manutenção e as promoções de árbitros dentro das federações. Atitude receosa, porém, compreensível.

Às 17h35, após discussão com dirigentes dos clubes e o comando da polícia militar, a arbitragem se retirou de campo. Em seguida, os elencos de Coritiba e Atlético também retornaram aos vestiários. Às 17h41, os jogadores de Atlético e Coritiba retornaram ao campo enfileirados de maneira intercalada, em protesto ao papel ridículo e patético da Federação Paranaense de Futebol. Às 17h44, os elencos retornaram aos vestiários. E o sistema de áudio da Arena da Baixada anunciou que a partida não iria acontecer. Os cerca de 20 mil torcedores, indignados, tiveram que dar meia volta e foram deixando aos poucos o estádio.



Resumo da partida que não ocorreu: Federação autoritária. Arbitragem omissa. Redes de televisão egoístas e monopolistas. Perde o torcedor e o futebol paranaense.

OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Atlético-PR: Santos, Léo, Wanderson, José Ivaldo e Nicolas; Luiz Otávio, Matheus Rossetto, João Pedro; Douglas Coutinho, Crysan e Luis Henrique. T: Paulo Autuori.

Coritiba: Wilson, Werley, Walisson Maia, Juninho e Carlinhos; Jonas, Matheus Galdezani, Kady e Iago Dias; Henrique Almeida e Kléber Gladiador. T: Paulo César Carpegianni.

REPORTAGEM DRAP xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx



__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO