De volta ao futebol paranaense, Héracles destaca o trabalho do J.Malucelli "Merece voos maiores"


Após um período longe do futebol paranaense, e também dos gramados por uma séria lesão, Héracles começa 2017 como peça importante no elenco do J.Malucelli, que manteve a base que mostrou bom futebol no ano passado. O lateral-esquerdo conversou com o Do Rico ao Pobre com exclusividade e falou sobre a preparação para mais um ano de desafios da equipe sediada à beira do Parque Barigüi.
Por Yuri Casari

DRAP - Você foi uma das principais contratações do Jotinha pra temporada. Acredita que pode ser um dos protagonistas da equipe?

Héracles - Sou apenas mais um integrante do time que chegou para ajudar o grupo. Todos são importantes. Acredito muito na força do grupo. Só assim alcançaremos as vitórias e, consequentemente, as conquistas.

Você já jogou o campeonato paranaense pelo Atlético. Um time de massa e apontado desde o início como favorito. Quais diferenças que você enxerga ao disputar o torneio pelo Jota?

No Jota os atletas estão buscando o seu espaço, com muita vontade de mostrar o seu potencial. No Atlético, na sua grande maioria, são jogadores já conhecidos no cenário nacional ou jogadores formados nas categorias de base. Essa disputa por posições aumenta ainda mais nossa motivação e quem ganha com isso é o próprio clube.

A gente sabe que o Jotinha já está garantido na série D deste ano, mas estar na quarta divisão não é garantia de calendário nacional para os próximos anos. Há uma cobrança interna para que você conquistem as vagas nos torneios nacionais?

Sim. Nós queremos fazer uma campanha muito boa no Paranaense. Almejamos uma classificação pra Copa do Brasil, e uma boa campanha na série D para que o Jota continue tendo calendário nacional nos próximos anos.

Em 2013, você teve uma lesão bastante séria (Héracles sofreu uma dura entrada no joelho quando atuava pelo Avaí, em jogo contra o Bragantino), e desde que você se recuperou ainda não conseguiu ter uma grande sequência de jogos. Como que está a sua parte física?

Desde que me recuperei totalmente venho me preparando. Tenho evoluído muito durante a preparação aqui no Jota. Espero continuar nessa linha para quando iniciar a competição eu esteja muito próximo da minha forma ideal. O ritmo de jogo só adquirimos jogando, mas na parte física, tática e técnica estou me sentindo muito bem.

E como é que foi pra você ficar tanto tempo longe dos gramados?

Foi um momento de bastante aprendizado e amadurecimento. É sempre complicado ficar sem fazer o que você mais gosta, mas esse episódio da minha vida já foi superado e agora é trabalhar forte para ajudar o Jotinha em 2017.

Uma grande parte do elenco atual já possui um bom entrosamento. Tem jogadores neste elenco que já estão há quatro anos na equipe. Pra você que está chegando agora, isso facilita na hora de mostrar um bom futebol ou dificulta pela forte concorrência? 

Já havia jogado com alguns, tanto a favor quanto contra. Conhecia bastante jogadores do elenco e isso facilitou minha adaptação e entrosamento com o grupo. Fui muito bem recebido e isso, com certeza, facilitou.

Ano passado o Jotinha apresentou um bom futebol, tanto com o técnico Ary Marques como com o Luciano Gusso. Mas na hora da decisão a equipe acabou devendo (no Paranaense contra o PSTC e na série D contra o São Bento). O que você acha que é preciso fazer para que o Jotinha conquiste resultados mais expressivos nesta temporada?

Acredito que o grupo aprendeu com tudo que aconteceu no ano passado.  Agora é colocar esses aprendizados em prática e não repetir os erros do passado. Precisamos entrar bem concentrados e atentos em todos os jogos, do inicio ao fim.

Para finalizar, o que a torcida do Jotinha pode esperar do Héracles em 2017?

A torcida pode esperar muita dedicação e vontade, juntamente com todo o grupo. Vamos lutar para alcançarmos todos os objetivos traçados pelo clube. Espero que a gente termine o ano com conquistas importantes e que contribuam para o crescimento do Jota, que é um clube muito correto e organizado, e que merece vôos maiores.


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO