[JUVENIL] Vasco massacra Sergipe por 15 a 0, maior goleada da competição


Era certo que o Sergipe, lanterna da competição com apenas três pontos, não seria um adversário tão difícil de ser batido pelo Vasco. Mas com um a mais durante quase toda a primeira etapa, e com dois a mais no segundo tempo, o Vasco aproveitou a superioridade numérica e técnica para aplicar a maior goleada da competição em 2016.


#SUBURBANA 2016 
Por Yuri Casari

Os primeiros minutos já foram uma amostra do que seria todo o restante da partida. Vasco com a bola e toda a equipe do Sergipe no campo defensivo. E com apenas quatro minutos, o time da casa abriu o placar. Luiz Gustavo Tomé tentou o cruzamento, a bola bateu na mão de Vitor e o árbitro assinalou a penalidade. Na cobrança, o capitão Gregório bateu de pé direito no canto esquerdo de Adelmo, que caiu de mau jeito. Aos 8 minutos, o goleiro do Sergipe deixa o gramado com fortes dores. Com isso, o meia Geninho foi para o gol, e como o Sergipe não possuía reservas foi obrigado a ficar com um a menos.

Mesmo com clara vantagem, o Vasco demorou para acertar o jogo, talvez pela qualidade do campo, que sofreu com as fortes chuvas do dia anterior. Aos 16, Barcik cruzou na área, Luiz Tomé dominou, chutou, e correu para o abraço para ampliar a conta. Cinco minutos depois, após ataque mal sucedido, a bola sobra para Lucas Alves na entrada da área. O camisa 10 dominou e bateu de esquerda com estilo, marcando o terceiro do Vasco. A pressão seguiu durante o primeiro tempo e o Sergipe se segurava como dava. O quarto gol vascaíno só saiu aos 39, quando Barcik cruzou na área, e Wesley Negueba, embaixo das traves, cabeceou para as redes.

No intervalo, visando movimentar o elenco, o treinador Dalton Casagrande realizou cinco substituições. Em uma delas, surgiu o grande destaque da partida. Reis, o caçula do time, que completou 15 anos recentemente, entrou no lugar de Luiz Tomé. Quando a bola rolou no segundo tempo, o Vasco marcou três gols em sequência. Primeiro com Moysés, que aproveitou a sobra após boa jogada de Reis e Caio. Depois, João Moro arriscou de longe e marcou o sexto gol do Vasco. Em seguida, Reis recebeu de costas pro gol, dominou a bola, girou e chutou sem deixa-la cair no chão, encobrindo o goleirão e marcando um lindo gol. Não perca as contas, é o sétimo gol do Vasco.


O oitavo gol saiu novamente com Reis, que chutou de fora da área encobrindo de novo o “goleiro-linha” Geninho. A situação do Sergipe ficou ainda mais complicada quando Vitor fez novo pênalti, tomou o segundo amarelo e foi expulso. Na penalidade, Reis marcou o terceiro dele no jogo, e nono gol do Vasco. O gol de número 10 saiu após boa jogada do velocista Caio, que serviu João Moro na boa para marcar. No lance seguinte, foi a vez de João Moro servir Caio, que também não desperdiçou.

Wesley Negueba voltou a marcar de dentro da área, e novamente de pênalti, Reis marcou o quarto dele na partida. Se perdeu nas contas? 13 a 0. Wesley Negueba marcou seu terceiro gol no jogo após saída errada da defesa. O camisa 9 driblou o goleiro e tocou de letra pro gol. Já próximo do fim da partida, o Sergipe tentava fazer o gol de honra, mas no contra ataque, Caio atravessou o campo correndo pelo lado esquerdo deixando pra trás quem aparecesse. O jogador foi praticamente até a linha de fundo, e ao invés de tentar marcar, foi solidário e tocou a bola para Reis marcar o quinto gol dele, e fechar a goleada em inacreditáveis 15 a 0. Já classificado, o Vasco apenas cumpre tabela na última rodada. Porém, fica em aberto o adversário vascaíno nas quartas-de-final, que pode ser o Olímpico, adversário da equipe no último jogo da primeira fase, ou Bangú.


OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

VASCO: Pedro, Matheus Prestes (Moyses), Gregório (Sulivan), Acassio e Lucas Barcik; Luizinho, Lucas Alves (Kauan) e Bruno (João Moro); Luiz Tomé (Reis), Wesley Negueba e Isac (Caio). T: Dalton Casagrande.

SERGIPE: Adelmo, Mateus, Vitor, Elisson e William; Monstrão, Mendieta, Guilherme e Geninho; Cebola e Robson. T: Elivélton.  


__________________________________________

DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO