De virada, Atlético vence Chapecoense por 3 a 1 em partida difícil


Não foi nem de longe a melhor apresentação atleticana. Com uma proposta mais defensiva, a Chapecoense saiu na frente e conseguiu segurar o Atlético por bastante tempo. Mas a boa atuação de Hernani e Lucas Fernandes, o faro de gol de Pablo e a juventude de Matheus Rossetto, o Furacão varreu o time catarinense e segue na briga pela Libertadores mostrando a força da base rubro-negra

#DRAP NO BRASILEIRÃO 2016
Por Yuri Casari

O início da batalha começou como esperado. Ataque contra defesa. Em seus domínios, o Atlético quis mostrar sua força. Mas ao invés de avançar por terra, começou usando a artilharia aérea. Primeiro aos 4 minutos, após cobrança de falta de Lucho González, Paulo André cabeceou e Danilo defendeu com maestria. Aos 10, Pablo cruzou da direita para Luan sozinho na área. O atacante cabeceou e Danilo fez outra grande defesa.

A pressão inicial, entretanto, durou pouco. Melhor com a bola nos pés, a Chapecoense ia dominando terreno discretamente, até conseguir um simples escanteio. O tiro de canto demorou a ser cobrado pois Luan, lesionado, teve de deixar o gramado para dar lugar a Matheus Rossetto. O camisa 20 mal pôde aproveitar a estadia em campo. Na cobrança do escanteio, Cleber Santana fica com a segunda bola e arrisca o chute, a bola desvia em Pablo, e Filipe Machado aproveita a sobra para colocar a Chapecoense na frente.

Aos 23 minutos, a outrora barulhenta e efervescente Arena da Baixada parecia uma geladeira. Não apenas pelo gélido climático de nossa cidade, mas pela frieza das arquibancadas. Havia tanto silêncio que dava para ouvir, além do setor onde tradicionalmente fica a organizada, um pequeno grupo de crianças gritando a plenos pulmões o nome do Atlético.


O Furacão voltou a ter uma boa chance aos 37 minutos. Lucho Gonzalez deixou Matheus Rossetto na cara do goleiro Danilo, mas o garoto se assustou, demorou a definir o lance, e foi obrigado a se livrar da bola. O ofuscado futebol atleticano ainda teve um brilho aos 39 minutos, quando Lucas Fernandes aplicou um chapéu no adversário, e quando buscava um novo drible, foi derrubado na intermediária. O juiz, além de não marcar nada, ainda amarelou o jogador por reclamação. A arbitragem deixou a torcida irritada, claro, mas logo também fez seu papel em favor do Atlético. Após virada de jogo, Lucas Fernandes tenta o domínio e é derrubado por Dener dentro da grande área. Pênalti aos 40 minutos. Hernani foi para a cobrança e deslocou o arqueiro, recolocando o rubro-negro no jogo.

No segundo tempo, a bola demorou a rolar como deveria. Tanto é que o primeiro lance que levantou a arquibancada aconteceu apenas aos 11 minutos e na bola parada, com Nicolas que tentou surpreender Danilo. Quando começaram a tratar a gorduchinha com carinho, Hernani, um dos mais atenciosos com ela, desferiu um chute perigosíssimo contra a meta do time catarinense, aos 17 minutos. O volante atleticano ainda tentou o arremate também aos 23, mas com menos precisão que antes. Cinco minutos depois, o autor do gol atleticano saiu machucado e cedeu lugar a João Pedro.


Coincidência ou não, o jogo ficou bem ruim após a saída do camisa 23. O Atlético prendia a bola procurando opções enquanto a Chapecoense apostava apenas no contra-ataque. Já que não dava para se infiltrar na área adversária, o jeito foi voltar a tentar por cima. Aos 39 minutos, após cobrança de escanteio, Pablo, um pouco sumido no jogo, subiu no terceiro andar e cabeceou pro fundo da rede, aparecendo mais uma vez de forma decisiva.

A virada deu uma injeção de ânimo no Furacão. E aos 43 minutos, após a bola sobrar limpa, Matheus Rossetto encheu o pé e marcou um golaço para sacramentar a vitória, que apesar da vantagem numérica, não foi nada fácil para os comandados de Paulo Autuori, que seguem mirando uma vaga na Libertadores da América de 2017.

PRÓXIMA PARTIDA xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No próximo jogo o Atlético enfrenta o Grêmio em Porto Alegre no dia 13, enquanto a Chapecoense enfrena o Sport na Arena Condá um dia antes.

OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Atlético: Santos, Léo, Paulo André, Thiago Heleno e Nicolas; Otávio, Hernani (João Pedro), Lucho González (Guilherme Schettine), Lucas Fernandes e Pablo, Luan (Matheus Rossetto). T: Paulo Autuori.

Chapecoense: Danilo, Neto, Thiego e Filipe Machado; Gimenez (Lucas Gomes), Matheus Biteco, Gil, Cleber Santana e Dener (Alan Ruschel); Thiaguinho (Ananias) e Kempes. T: Caio Junior. 


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO