Thiago Palivoda, uma pedra sendo lapidada nos campos da Suburbana


A equipe do Nacional da categoria juvenil, que atualmente está na oitava colocação no certame, tem a fama de preparar bons atletas no XV de agosto. Fato que pode ser notado com alguns atletas subindo para o time principal e também em clubes profissionais em anos anteriores. Dentre os atletas que estão vestindo a camisa do Clube Atlético Nacional, um dos líderes do grupo, Thiago Palivoda, quer seguir o mesmo caminho e ir para o profissional. Confira mais uma entrevista da série, “uma pedra sendo lapidada nos campos da Suburbana”.


#ENTREVISTA
Por Rafael Buiar

O futebol amador de Curitiba é um dos mais fortes e concorrido em toda extensão do brasil, em ambas as categorias – juvenil e adulta. Por isso, a Suburbana já é visada entre garotos de 15 a 17 desde cedo ou é apresentada por uma família, que indica à testes e coisas do gênero. Com Thiago Palivoda não foi diferente, pois ele conheceu a Suburbana através de um familiar que disputava os embates do amador de Curitiba. Mas os primeiros contatos com a bola aconteceram bem antes. “Eu comecei com sete anos a jogar futsal, um projeto perto da minha casa. Com nove fui para o União Ahú e lá fiquei até meus 13 anos. A partir daí fui para a escolinha do Grêmio e fiquei até meus 15 anos. Em março do ano passado cheguei para meu primeiro treino no Clube Atlético Nacional”, comenta o capitão do Nacional.

Hoje com 17 anos, Thiago, que além de ter o sonho de jogador de futebol, tem se dedicado aos estudos e a carreira no mesmo momento. Por isso, o dia-a-dia de Thiago é bastante movimentado e que futuramente pensa em ingressar em uma universidade para cursar Educação Física. Devido a isso, Thiago tem que contar com o apoio dos familiares e principalmente dos pais. “Todos me dão força para continuar lutando pelo meu sonho. Eu agradeço a Deus pela família que tenho, pois eles são minha base para tudo. Eu até brinco com meu tio que o sonho hoje não é só meu e sim nosso. Eles ficaram muito felizes por saber que eu estava crescendo como atleta e teria a oportunidade de jogar um campeonato amador”, relata o camisa 5 do Nacional.

Além de Thiago, os jogadores do certame do futebol amador de Curitiba da categoria juvenil têm pelo menos um desejo em comum, seguir a carreira como jogador profissional. Por isso, a batalha no amador de Curitiba tem o sentimento e o desejo de alcançar. Sabendo que muitos não continuam na carreira de jogador, talvez pela opção do próprio atleta ou pela falta de oportunidade. Mas o que pode ser dito é que o a categoria juvenil da Suburbana é uma vitrine, um trampolim para ingressar em um escrete da categoria profissional. ´

Oportunidade que o volante e capitão da equipe do Nacional, Thiago Palivoda, não quer desperdiçar, pois além de ser uma vitrine o certame traz bastante experiência. “Através da suburbana tenho adquirido muita experiência, pois é um campeonato muito forte e visto por muitos clubes profissionais. A visibilidade que a suburbana oferece pode me ajudar a chegar a um clube profissional futuramente. O Nacional é muito importante para mim hoje, pois seus treinamentos diários me ajudam a melhorar parte física técnica e tática”, acrescenta.
FOTO: ARQUIVO PESSOAL - THIAGO
Desde então, quando chegou no Nacional, Thiago não chegou quieto. Pelo contrário, já foi conversando com grande parte da equipe, até porque já conhecia boa parte do grupo, pois jogaram juntos em outra equipe. Fato que ajudou e não atrapalhou em nada para ser o capitão da equipe. “É uma responsabilidade que só me ajuda a buscar melhorar e ser um exemplo. Em outras atividades eu sou mais um observador do que líder. Ser capitão pelo Nacional é muito importante para mim, pois eu tinha essa meta, eu olhava o capitão do ano passado e queria ser como ele, um exemplo de compromisso e responsabilidade no meio do grupo”, comenta orgulhoso o capitão.

Com alguns anos em atividade no futebol amador de Curitiba, Thiago têm alguns embates seguem guardados na sua memória e que motivaram ainda mais na carreira como com o aprendizado. “Por não ganhar muitos títulos nas categorias passadas, eu me tornei um cara guerreiro com fome de títulos no presente. Eu fui suspenso em um jogo de um campeonato antes da Suburbana e ali eu percebi que estava longe de um jogador profissional. Por isso, trabalhar resolvi trabalhar a parte psicológica de modo diferente. Pois jogador de futebol não é só corpo precisa muitas vezes ser cérebro também. Isso me motiva muito todos os dias”, disse.

Em relação a isso, Thiago tem como inspirador no futebol o atual melhor jogador do mundo, que algumas semelhanças fizeram o acompanhar ainda mais. Mas o atleta é fã de outro atleta e que esteve recentemente no futebol paranaense. “Eu sempre gostei muito de Cristiano Ronaldo por ser um cara esforçado, que treinou muito para chegar aonde chegou. Mas sou fã mesmo de Jean que agora foi para o Corinthians. Um volante com raça forte e recuperador, pois acredita em toda jogada. Por isso, me inspiro nele.


Esse ano eu tenho como meta chegar a final da suburbana e ser um destaque no campeonato, já que é o meu último ano de juvenil. Por isso, a minha prioridade é terminar a suburbana como campeão.


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO