Iago sai do banco para garantir Coritiba na fase internacional da Sul-Americana


Quarta feira (31), cinco horas da tarde. Horário incomum para uma partida de futebol profissional. Mas foi nesse cenário que Coritiba e Vitória pelearam por uma vaga nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Melhor durante os 90 minutos, o alviverde precisou de superação e frieza para avançar na competição.

#DRAP IN SUL-AMERICANA
Por Dudu Nobre

O treinador Carpegiani montou um esquema com três volantes - dois passadores (Alan Santos e João Paulo) e um marcador (Amaral) - para que Juan tivesse liberdade para subir pela lateral esquerda. Ao marcar a saída de bola dos baianos, o Coxa criou as melhores chances da primeira etapa, mesmo com o revés que sofreu aos 10': Kléber voltou a sentir o pé e teve que ser substituído. Iago assumiu a "responsa" de ser o homem gol da equipe.

Neto Berola foi o principal homem alviverde nos 45' iniciais. Abusado nos dribles, o meia participou das duas principais chances dos mandantes: aos 7' passou para Benítez que obrigou Fernando Miguel a fazer grande defesa; aos 30', impedido, recebeu dentro da área e tirou o uh da galera. Pelo lado rubro negro, a cabeçada de José Welison aos 4' foi a única que obrigou Wilson a trabalhar. Com o regulamento embaixo do braço, o Vitória se limitava a defender e buscar a velocidade de Marinho e Diego Renan - sem muito resultado. O gol coxa branca estava maduro e, pelo andar da carruagem, iria cair do pé.


SEGUNDO TEMPO - Na volta do intervalo Carpegiani deixou o time mais ofensivo, tirou Alan Santos e Amaral, colocou o meia Bernardo, adiantou Juan para a meiuca e colocou Carlinhos - um lateral ofensivo. O Coritiba manteve o volume de jogo, mas insistia nos cruzamentos toda vez que chegava a linha de fundo. Sem o gladiador em campo, essa jogada foi pouco aproveitada e a zaga do Vitória se consagrava. Outro marcador passou a seguir o alviverde de perto: o tempo. Cada segundo a menos era uma aflição a mais em campo e nas arquibancadas.

O Vitória seguia com a mesma estratégia. Não criou chances claras, mas a partir dos 20' o passe encaixou e a bola ficava mais longe da meta de Fernando Miguel. A tensão pairava no ar na marca dos 35'. Eis que Iago fez o que nenhum companheiro tentou até então: chutar de média distância. Foi premiado pela ousadia: bola no canto esquerdo, um a zero no placar.

A partir deste momento, o Coxa administrou e o Vitória esmoreceu. Dez minutos de formalidade no Alto da Glória. O apito final foi o aviso. Próxima parada: Argentina.  O alviverde segue na Sul-Americana e espera o vencedor de Estudiantes (La Plata) e Belgrano (Córdoba).


OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

CORITIBA: Wilson; Cesar Benitez, Luccas Claro, Juninho e Juan; Amaral (Bernardo), João Paulo, Alan Santos (Carlinhos) e Raphael Veiga; Neto Berola e Kléber (Iago). T: Paulo César Carpegiani.

VITÓRIA: Fernando Miguel; Diogo Mateus, Victor Ramos, Ramon e Diego Renan; Amaral (David), José Welison (Flávio), Marcelo e Cárdenas (Serginho); Marinho e Kieza. T: Vagner Mancini.

GOL: Iago, aos 35’ do 2°T.


EM BREVE O ÁLBUM DE FOTOS NO NOSSO FLICKR


__________________________________________
DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO