Furacão apresenta futebol ruim e é derrotado pelo Grêmio na Baixada


Atlético e Grêmio se enfrentaram pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. E o que se viu dos donos da casa foi um futebol ineficiente e de poucas opções. O Tricolor gaúcho aproveitou a desorganização adversária e leva para Porto Alegre uma boa vantagem.


#DRAP IN COPA DO BR 2016
Por Yuri Casari

O Atlético, sem Walter e Vinícius, liberados pela diretoria atleticana, tinha ao menos o retorno de Weverton, o ídolo rubro-negro que foi campeão olímpico pela Seleção Brasileira. O goleiro, que passou cinco jogos e meio sem sofrer gols nas Olimpíadas do Rio 2016, teve apenas seis minutos de sossego. Após um escorregão grotesco de Marcos Guilherme no meio de campo, o Grêmio armou o contra-ataque que terminou com Bolaños sozinho de frente para Weverton, que nada pôde fazer para evitar a abertura do placar.

Óbvio que todos sentem o golpe de sofrer um gol, mas a torcida presente esperava ao menos uma reação. O Grêmio, na frente do placar, resolveu dar a bola um pouco aos donos da casa. Talvez cientes de que os jogadores atleticanos não saberiam o que fazer com ela. O Atlético não conseguiu realizar um único chute ao gol em 45 minutos de bola rolando. Vale ressaltar que não é apenas demérito atleticano. É muito mérito do time gremista, que dominou completamente o Atlético.

Com paciência sem a bola e velocidade com a posse, o Grêmio ainda chegou outras duas vezes com Luan, e outra com Ramiro, sempre pelo lado esquerdo. A impotência diante de um adversário extremamente organizado irritou a torcida, que não demorou para protestar contra Mário Celso Petraglia, manda-chuva atleticano, com vaias e xingamentos.

No segundo tempo, a mudança de postura foi imediata. O Furacão se lançou com tudo ao ataque e finalizou três vezes consecutivas através do atacante Luan. Porém, nas três oportunidades, sempre na jogada aérea. Novamente pelo alto, no famoso chuveirinho, o Atlético voltou a finalizar, com André Lima, e depois novamente com Luan.

O futebol à inglesa continuou e o Atlético seguiu alçando bola na área gremista. Aos 31 a tática quase deu certo, quando Sidcley encontrou André Lima em voo livre para o cabeceio certeiro. Porém, Marcelo Grohe espalmou pra fora de maneira extraordinária. De goleiros, a Seleção está bem servida.

Já próximo do fim da partida, o Grêmio ainda ficou mais próximo de ampliar do que de sofrer o empate. Luan voltou a ter duas chances claríssimas, mas acabou desperdiçando. Não fez falta. O placar final ficou mesmo em 1 a 0 para o Tricolor gaúcho, e a torcida, com toda razão, protestou muito após o apito final. Que haja melhor sorte no jogo da volta.



OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

ATLÉTICO: Weverton, Léo, Thiago Heleno, Paulo André e Sidcley; Otávio, Hernani, Rafael Galhardo (Juninho) e Marcos Guilherme (João Pedro); Luan (Giovanny) e André Lima. T: Paulo Autuori.

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edilson, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Jaílson, Ramiro e Douglas; Luan (Kaio) e Bolaños (Everton). T: Roger Machado.

GOLS: Miller Bolaños, aos 6 do 1º tempo.


__________________________________________


DO RICO AO POBRE, O FUTEBOL SEM DIVISÃO