Nacional e União Ahú termina com o placar fechado


Os escretes de Nacional e União Ahú duelaram ontem (9), em confronto válido pela 2ª rodada da Copa de Futebol Amador da Capital. As duas equipes conquistaram os três pontos na rodada de estreia, o que motivou para o embate seguinte. Mas a vontade foi tanta, que as duas equipes travaram na forte marcação e o placar no Estádio Manoel Gustavo Schier ficou zerado nos 90 minutos de partida.

Por Rafael Buiar

A equipe do Nacional, depois ter vencido de 5 a 0 o escrete do Sergipe, entrou novamente com fome de gol e também com Guilherme e Juninho afinados para o combate. Do outro lado, o escrete do União Ahú, que perdeu uma chuva de gols na estreia diante o Imperial, entrou diferente em relação a partida anterior. Por isso, com bola rolando, as premissas foram a favor da equipe do Nacional. A dupla destaque do primeiro jogo do Nacional já tratou logo de nos primeiros minutos movimentar as ações ofensivas. Devido a isso, a equipe do Nacional teve mais volume e, consequentemente, mais controle do setor do meio de campo. Enquanto, do outro lado, Taxinha, que também foi destaque na estreia do União Ahú, mesmo bem marcado, puxou alguns contra ataques. Mas sem assustar o experiente goleiro do Nacional.

Minutos depois, o confronto ficou preso no setor de meio de campo, já que time do treinador Taxinha adiantou a marcação e prendeu quase todas as possibilidades de ataque do Nacional. Já que em alguns lances, o Nacional conseguiu contra atacar somente em jogadas pelos flancos e com muita velocidade. Destaque para o lance de Jefferson e Juninho, que terminou com Fábio perdendo ótima chance dentro da área depois do cruzamento. Na sequência, Tiago iniciou jogada no sistema defensivo e passou para  Fábio, que trocou passes com Guilherme. O camisa 7 retribuiu seu companheiro e Tiago ficou na cara do gol. Mas o lateral chutou muito próximo do gol, desperdiçando a melhor oportunidade da equipe do NAC.


Não deu outra, após chance de Fábio e Tiago desperdiçadas, o Nacional ganhou mais presença no campo do União Ahú. Sempre atacando pelos flancos. Mas a pressão do time do bairro do Boqueirão não durou por muito tempo, pois o escrete do técnico Taxinha voltou a marcar forte no meio de campo e travou várias jogadas. Neste período do embate, o sistema defensivo de ambas as equipes, ganharam quase que todas as jogadas.

Percebendo isso, após a parada técnica, o treinador Alemão inverteu as posições dos atacantes Guilherme e Juninho. Mas, a forte marcação do sistema defensivo do União Ahú fez com o a inversão de posições não resultasse em melhora para o escrete do Nacional. Mesmo assim, o Nacional conseguiu criar. Mas não conseguiu finalizar no gol de André. Período que o jogo foi travado por diversas faltas e, consequentemente, alguns cartões amarelos para as duas equipes.

Nos minutos finais da primeira etapa, o escrete do União Ahú tentou, tentou e não conseguiu furar o bloqueio do Nacional e por isso, Ricardo pouco fez nos primeiros 45’. Do outro lado, a equipe do Nacional perdia mais uma oportunidade de abrir o placar no Estádio Manoel Gustavo Schier. Novamente a dupla ofensiva, Guilherme e Juninho, aos 44’. Sendo essa a última chance na primeira etapa.

SEGUNDO TEMPO - Ambos os treinadores fizeram alterações nas equipes para o retorno do embate. Com bola rolando, a etapa complementar não poderia ter iniciado de outra forma, com as duas equipes tomando todos os cuidados possíveis para não levar o gol. Devido a isso, o jogo não fluiu tanto quanto na primeira etapa, pelo menos para a equipe do Nacional, que teve mais posse de bola.


Diferente do lado do União Ahú, que teve a grande chance do jogo, aos 23’, em lance de bola parada, com Taxinha cruzando na medida para Luciano cabecear sozinho.  Mas do outro lado, Ricardo teve um ótimo reflexo e foi feliz no lance, conseguindo dar um leve toque na bola para escanteio. Mas foi só esse lance na etapa complementar a favor do União Ahú praticamente, pois a equipe do Nacional continuou com mais volume de jogo e tendo a posse bola. Mas, sem objetividade. Ou seja, não chutou para o gol de André.

Ainda para ajudar o escrete do União Ahú, Jeander, filho do treinador, foi expulso após falta dura próxima da área, em Juninho. A partir disso, foi um Deus no acuda no sistema defensivo do escrete do União Ahú, já que o time do Nacional persistiu bom tempo com a bola, procurando o gol de André. Ainda mais quando a gurizada do treinador Alemão entrou em cena para colocar mais gás. Mas, a paciência não estava ligada naquele período do embate, o que prejudicou e muito a equipe azul e branca. Do outro lado, o cansaço bateu e União Ahú perdeu força no ataque, principalmente, com a válvula de escape, Taxinha.

Não deu outra, com um time cansado (União Ahú) e outro sem paciência (Nacional), o placar persistiu fechado no segundo tempo, no Estádio Manoel Gustavo Schier, o Manecão.


OS ESCRETES xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

NACIONAL: Ricardo; Evandro (Victor Lopes), Matheus, Luis Fernando e Tiago (Fabrício); Jefferson (Fernando), Fábio e Juninho; Guilherme (Leonam), Carlos Alberto e Bruno. Treinador: Alemão.

UNIÃO AHÚ: André; Renan Aguiar, Ramon, Fábio e Beto; Jeander, Luciano (Aquiles), Paulinho e Diogo (Jair); Renan e Vivi (Felipe). Treinador: Taxinha


MELHORES MOMENTOS (VÍDEO) xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx






__________________________________________
NÃO É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.